Publicado em 30/09/2014 por

[Notícia] Dom Edmilson e seus 90 anos de vida

Dom Manuel Edmilson da Cruz, bispo emérito da diocese de Limoeiro do Norte, celebra dia  seis de outubro noventa anos. O evento será marcado por uma Missa em Ação de Graças a realizar-se às 19 horas, na Igreja da Prainha. Após a missa, a recepção será na Cúria Arquidiocesana de Fortaleza.dom-edmilson-da-cruz

Informações: (85) 3231-2704; (85) 3231-9339; (85) 3047-1654.

 

Mais sobre dom Edmilsodom-edmilson_cruzn:

 

– Atividades Antes do Episcopado:
Em Sobral (de 1949-1964): Professor no Seminário Menor; no Colégio Diocesano Sobralense, no Colégio Santana; Prefeito de Disciplina, Vice-Reitor,

– Atividades como Bispo:
Bispo Auxiliar de São Luís do Maranhão-MA (1966-1974); Vigário Episcopal da Forania de Brejo-MA (1966-1974); Bispo Auxiliar de Fortaleza-CE (1974-1994); Administrador Apostólico “Sede Plena” (1992-1994) e Bispo de Limoeiro do Norte-CE (1994-1998); Diretor Espiritual do Seminário de Filosofia; Orientador Educacional de um Colégio de Religiosas; Conselheiro Espiritual do ECC Regional-Ceará; Diretor Espiritual da Equipe de N. Sra; Atendimento Pastoral a 2 paróquias da Arquidiocese de Fortaleza-CE.

Lema Episcopal: 

– “verbum caro factum” – palavra feito carne

 

ESCRITOS:
Comunidades Eclesiais de Base, Seu Espírito e Vida de Oração (1980); Em Co-autoria: Cantador, Poesia e Viola (1980); Política e Emprego no Brasil – Viabilidades e Alternativas (1989); Cordel: ABC do Circulismo; Meu Brasil Terra de Deus; A Briga do Cupim contra o Cristal; Louvação a Dom Aureliano (1º centenário de nascimento – 1989); II Seminário sobre o Homem e a Seca do Nordeste (1992); Inéditos: Ritmo Pascal (poesia); Tabernáculo de Deus com os Homens – Congressos Eucarísticos Internacionais e Nacionais; O Evangelho do Sertão.

Publicado em 30/09/2014 por

6ª Festa da Vida

A Festa da Vida na Arquidiocese de Fortaleza nasceu para ser espaço de celebração e vizibilização das ações em defesa da vida, realizadas pelas pastorais, movimentos, organizações, entidades eclesiais e civis. É também espaço privilegiado de conhecimento, partilha, diálogo, profecia e confraternização das pessoas cuidadoras da vida.

Na festa, os grupos se organizam por tendas temáticas e apresentam seus trabalhos através de cartazes, fotografias, panfletos, banners, faixas, oficinas, músicas…

Sempre ligada à Campanha da Fraternidade, neste ano de 2014 a festa da vida traz o grande grito: Vida e Liberdade! Não ao tráfico humano!

Chama a todas as pessoas a um compromisso concreto com a causa das vítimas do tráfico. Ao mesmo tempo, nos insere ainda mais no Advento: tempo de esperança e alegria pela vida que nasce.

A 6ª Festa da Vida será realizada na Paróquia São Francisco de Assis, Conjunto Palmeira,  dia 14 de dezembro, 3º Domingo do Advento,  das 10 às 16 horas.

 Venha participar.  Convide seus amigos, traga bandeira, cartaz, faixa ou banner para tornar conhecido o trabalho de seu grupo em defesa da vida.

 

VÍDEO – divulgação da Festa da Vida 

 

veja  o panfleto da Festa da Vida

 

Informações:

Paróquia S. Francisco de Assis: (85) 3269-3032
Secretariado de Pastoral: (85) 3388-8723; 3388-8719.

cartaz ano 2014cartaz---festa-da-vida_web500

Publicado em 30/09/2014 por

[ARTIGOS] São Francisco de Assis

   padre-Brendan200Por Pe. Brendan Coleman Mc Donald,  Redentorista

No dia 4 de outubro o mundo celebra a festa do grande São Francisco de Assis. Francisco que nasceu na cidade de Assis no centro da Itália, em 1182, é, sem dúvida, um dos mais atraentes santos da história da Igreja Católica e uma das personalidades mais admiradas por outras igrejas e até por pessoas sem religião. Com 24 anos de idade, tinha se despojado de tudo: riquezas, ambições, orgulho, e até a roupa que usava, para pregar o ideal evangélico de humildade, pobreza e castidade. Quando jovem, sonhou com as glórias militares e até participou numa guerra entre sua cidade de Assis e a vizinha cidade de Perusa. Porém, Deus o chamava não às vaidades do mundo nem a glória militar, mas à imitação radical da pobreza de Cristo. Enquanto meditava extasiado na igrejinha de São Damião, pareceu-lhe ter ouvido uma voz saída do crucifixo dizendo: “Vá escorar a minha Igreja, que está desabando”.

Com a renúncia definitiva aos bens paternos, aos 25 anos de idade, Francisco deu início à sua vida religiosa. Vestiu um grosso hábito, cingiu-se de áspero cordão, e tomou a resolução de viver em pobreza apostólica. Inicialmente olhado com desconfiança, aos poucos ganhou a simpatia e a admiração da população de sua cidade. Com doze companheiros, morando numa velha capelinha chamada “Porciúncula” ele iniciou o extraordinário movimento franciscano que evoluiu mais tarde em três Ordens Religiosas: A Ordem dos Franciscanos Menores; a Segunda Ordem das Clarissas; e a Terceira Ordem para leigos querendo viver no mundo a espiritualidade de Francisco. Na “Oração de São Francisco”, de origem anônima, aparecendo inicialmente em Paris, França, em 1912, e que costume ser atribuída popularmente a São Francisco, encontramos uma estrofe dizendo: “Onde houver dúvida, que eu leve a fé”. Foi justamente isso que São Francisco e seus companheiros fizeram. A vida do santo é caracterizada por uma intensa pregação e incessantes viagens missionárias, para levar às pessoas a mensagem evangélica de “paz e bem”. Ele pregou a mensagem evangélica a todas as classes sociais e isso foi à tarefa principal dos “irmãos menores”. Francisco disse aos seus irmãos “Não vos incomodeis com o conceito dos homens que vos desprezam. Pregai a penitência com toda simplicidade, confiando naquele que venceu o mundo pela humildade”. O santo, por humildade, nunca quis ser sacerdote. Com o lema “paz e bem” partiu para o Oriente em 1221 sonhando com o martírio. Tentou pregar em Marrocos, Egito e Palestina. Nesses lugares foi ouvido com respeito pelos muçulmanos embora as conversões não fossem muitas.

É interessante notar que em 1223, Francisco celebrou o Natal em Greccio com um presépio vivo, cantando o evangelho como diácono e pregando animadamente. Já debilitado fisicamente pelas duras penitências, entrou na última etapa de sua vida, que assinalou a sua perfeita configuração a Cristo, até fisicamente, através dos estigmas: Isto é, a reprodução no seu corpo dos sinais da paixão e morte de Cristo, recebidos sobre o monte Alverne em 14 de setembro de 1224.  Seus últimos anos de vida foram atormentados por várias doenças que culminaram na quase total cegueira. Francisco faleceu na tarde do dia 3 de outubro de 1226, com 44 anos de idade, e foi canonizado dois anos depois de sua morte em 1228. Em 1939, o Papa Pio Xll, proclamando São Francisco o padroeiro principal da Itália, disse que ele “foi o mais italiano dos santos e o mais santo dos italianos”.

Quais são as lições que a vida de São Francisco nos ensina?  São várias, entre as quais podemos citar: humildade, a necessidade de fazer penitência, a importância da conversão, a obrigação de pregar o evangelho, a importância da castidade, amor e dedicação aos pobres e mais abandonados, modéstia, a importância relativa de riquezas, a simplicidade de vida, nossa obrigação de levar a fé onde não existe ou onde está fraco, o valor da pobreza evangélica e a reconciliação etc. Hoje os restos mortais de São Francisco descansam na Basílica de Assis, na Itália, decorada com os afrescos do famoso artista e pintor Giotto di Bondone, que contam no teto da Basílica a vida de Francisco.

 

                                                             (Fontes: O Santo do Dia, Conti, Vozes, 1990; Dicionário dos Santos, Santidrián & Astruga, Santuário, 2004; e Breve Biografia dos Santos, Org. Silva Lima, Paulus, 2012)

Artigos Relacionados

Publicado em 30/09/2014 por

[ARTIGOS] A nossa reforma política

Dom-Anuar-para-site300Por Dom Anuar Battisti , Arcebispo de Maringá (PR)

De forma corajosa e muito prudente a CNBB, OAB e mais de cem entidades se uniram em defesa do projeto da reforma política democrática. A proposta é baseada em quatro principais pontos: Proibição do financiamento de campanha por empresas e adoção do Financiamento Democrático de Campanha; eleições proporcionais em dois turnos; paridade de sexo na lista pré-ordenada e fortalecimento dos mecanismos da democracia direta com a participação da sociedade em decisões nacionais importantes.

Em Maringá, com a OAB, nossa arquidiocese pretende coletar, no mínimo, 50 mil assinaturas para esse projeto. No Brasil precisamos de 1 milhão e 500 mil assinaturas. Já conseguimos esse feito em outras iniciativas, como, por exemplo, na lei da Ficha Limpa. Hoje, graças a Ficha Limpa, muitos políticos “ficha suja” estão fora da disputa eleitoral.

Creio fortemente que atitudes como essa são um dever das igrejas, dos cristãos. Nós cristãos, temos que ser sal e luz neste mundo. Nossa vida deve ser precedida pela oração e, cheios do Espírito Santo, somos chamados a enfrentar estruturas mais complexas, como o campo político.

Por apoiar o projeto de reforma política também estamos sendo muito criticados por determinados grupos. Não seria surpreendente se as críticas partissem dos políticos corruptos ou das empresas que financiam suas campanhas.

Mas, surpreendentemente, estamos sendo criticados por alguns grupos cristãos e que, em alguns momentos, de forma raivosa têm nos agredido por defender esta reforma.

Como Igreja, na espiritualidade do Espírito Santo, assim como tem pregado nosso querido Papa Francisco, creio que nosso Deus age para promover a unidade. Quando nos dividimos, é o inimigo de Deus quem toma conta.

No projeto de reforma política da CNBB e OAB, houve a articulação com mais de 100 entidades. Cada uma tinha um pensamento, uma proposta. Cada uma defendia uma coisa. E depois, com muita paciência e oração, foi possível organizar um projeto que sabemos: não é o ideal, mas é o possível para o momento.

Esse projeto foi amplamente discutido com os bispos do Brasil inteiro. Foi apresentado em nossa assembleia geral, sob a liderança de Dom Joaquim Mol, bispo auxiliar de Belo Horizonte.

Sabemos que se o projeto fosse exclusivamente “católico” não teríamos nele alguns pontos, ou a redação talvez seria diferente. Mas o tempo da radicalidade política já passou. Já tivemos experiências mundiais em que o pensamento único levou o povo à morte.

Precisamos ser maduros o suficiente para entender que o Brasil precisa de uma ampla e profunda mudança. E isso só será possível se, juntos, conseguirmos uma real mudança no sistema político. Não é um projeto socialista, comunista, como alguns críticos têm apregoado. A Igreja sempre defendeu e sempre defenderá a vida, a vida humana.

Graças a Deus a CNBB tem conseguido o engajamento de grupos políticos tanto da esquerda como da direita. Muitos, que estão cansados do atual modelo eleitoral, já começam a aderir a nossa coalização democrática. Evidentemente que em qualquer proposta de reforma política seremos sempre contra inciativas que proponham o aborto e outras práticas contra a Família. Mas para avançar precisamos dialogar sem nos fecharmos.

Conto com as orações de todos e convido os nossos fiéis para que, antes de assinarem o projeto (se assim se sentirem chamados) leiam a proposta e compreendam que o nosso objetivo, de forma muito bem contextualizada, é dar a nossa singela contribuição para que a nossa sociedade seja mais justa, sempre democrática e a favor da vida. Que Deus abençoe você e sua família. Boa semana!

Artigos Relacionados

Publicado em 30/09/2014 por

[Entrevista/Brasil] “Os cristãos são convidados a participar da política”, afirma dom Leonardo

000000domleonardopoltica400No próximo domingo, 5 de outubro, os brasileiros irão eleger o presidente da República, governadores, deputados distritais, estaduais e federais. Para auxiliar os cristãos na escolha consciente de seus representantes, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou a mensagem “Pensando o Brasil: desafios diante das eleições 2014”, aprovada durante a 52ª Assembleia Geral.

Entre as questões abordadas no texto estão a participação dos cristãos, desafios da realidade sociopolítica, urgência da reforma política, desenvolvimento econômico e sustentabilidade social.

Para o bispo auxiliar de Brasília e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, “os cristãos são insistentemente convidados a participar da política”, por meio das discussões, do voto e da fiscalização.

Leia, abaixo, entrevista com dom Leonardo sobre as eleições 2014.

Dom Leonardo, durante a 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, realizada em Aparecida (SP), de 30 de abril a 9 de maio, os bispos aprovaram a mensagem “Pensando o Brasil: Desafios diante das eleições 2014”. O que a CNBB propõe na mensagem?

Dom Leonardo – Propõe a participação ativa dos cristãos na política, isto é, participar da construção da sociedade. A mensagem faz eco às palavras do papa Francisco na Exortação Evangelii Gaudium: “ninguém pode exigir-nos relegar a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos”. A eleição é momento decisivo para a vida das pessoas que vivem no país. Ajudar a pensar o Brasil no tempo que antecede ao voto é uma contribuição que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB não poderia deixar de oferecer.

A mensagem afirma que a mudança de situações de injustiças e de desigualdade requer a intervenção dos cristãos na política. Como os cristãos podem intervir nesta esfera de modo a transformar esta realidade?

Dom Leonardo – As mudanças acontecerão na medida em que houver uma participação maior de pessoas que deixam-se conduzir pela ética e os cristãos também pelos valores do Evangelho. Os cristãos são insistentemente convidados a participar da política em todos os níveis, também nos partidos políticos. Intervir na política é participar das discussões, da votação, da “fiscalização” depois das eleições. O texto indica também o caminho da reforma política necessária como necessário para as mudanças.

Os períodos eleitorais constituem-se em momento propício à participação dos cristãos, de quem se espera conscienciosa atuação no processo decisório sobre aqueles que conduzirão a coisa pública. Como ser ativo diante das eleições?

Dom Leonardo – Como cristão refletir, discutir os projetos dos partidos e dos candidatos. Identificar os candidatos “Ficha Limpa”. Votar em candidatos que representem os valores cristãos é um passo importante, mas não é o único. Como cristãos continuar contribuindo para que haja um diálogo que aponte para as mudanças necessárias no modo de fazer política. Como já lembrado, acompanhar, com rigor, o trabalho dos eleitos. Para construir a sociedade justa e fraterna faz-se necessário como cristãos acompanhar, monitorar as ações, projetos e gastos dos eleitos. Exigir que exercitem a representação digna que lhes foi conferida pelo voto.

Que mensagem de esperança o senhor pode deixar para aqueles que em outubro vão escolher quem os representa?

Dom Leonardo – Lembro as palavras do Santo Padre Francisco na Evangelii guadium: “Rezo ao Senhor para que nos conceda mais políticos, que tenham verdadeiramente respeito à sociedade, ao povo, à vida dos pobres. É indispensável que os governadores (…) levantem o olhar e alarguem as suas perspectivas, procurando que haja trabalho digno, instrução e cuidados sanitários para os cidadãos”. Elegermos mulheres e homens que estejam a serviço do bem comum; homens e mulheres que saibam superar a dicotomia entre política e econômica, a dicotomia entre a economia e o bem comum social. O cristão é pessoa de esperança! Vive de esperança em esperança! As mudanças acontecem pela ação de pessoas que tem uma causa comum: o bem do outro!

Por CNBB

Publicado em 30/09/2014 por

[NOTÍCIAS/Mundo] Vaticano divulga tema do Dia Mundial das Comunicações 2015

Famliadmc300Em sintonia com a 14ª Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, que ocorrerá em 2015, o tema escolhido para a 49º Dia Mundial das Comunicações Sociais será “Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor”. O evento será celebrado no dia 17 de maio, domingo que antecede Pentecostes.

A reflexão retoma os ensinamentos de São João Paulo II na “Familiaris consortio”, que trata das mudanças culturais e a família. Em um trecho da encíclica, o santo escreveu que “as relações entre os membros da comunidade familiar são inspiradas e guiadas pela lei da ‘gratuidade’ que, respeitando e favorecendo em todos e em cada um a dignidade pessoal como único título de valor, se torna acolhimento cordial, encontro e diálogo, disponibilidade desinteressada, serviço generoso, solidariedade profunda”.

Celebração

A mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais será publicada na festa de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas, em 24 de janeiro de 2015. A celebração é o único Dia Mundial  estabelecido pelo Concílio Vaticano II, por meio do Decreto Inter Mirifica – 1963. Dioceses de todo o mundo organizam atividades para comemorar este dia, com missas, encontros de formação, coletivas de imprensa, debates etc.

No comunicado divulgado pelo Vaticano sobre o tema escolhido, é destacado que “a Igreja hoje deve novamente aprender a dizer o quanto a família é um grande dom, bom e belo. É chamada a encontrar o modo para expressar que a gratuidade do amor, que se oferece aos esposos, aproxima todos os homens a Deus e esta é uma tarefa magnífica. Porque direciona o olhar para a verdadeira realidade do homem e abre as portas para o futuro, a vida”.

CNBB com informações do News.va

Fonte: CNBB

Publicado em 30/09/2014 por

[NOTÍCIAS/Brasil] Brasil tem patronos dos Catequistas e dos Químicos

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos da Santa Sé confirmou São José de Anchieta como patrono dos catequistas do Brasil e o beato Francisco de Paula Castelló i Aleu como  patrono dos profissionais Químicos do Brasil. A decisão foi tomada atendendo ao pedido do arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis, feito em julho de 2013.

Dom Damasceno alegou em sua solicitação a “veneração fervorosa e contínua” dada pelo clero e dioceses do país ao santo que “se dedicou ao ensino e à transmissão da catequese no território brasileiro” e ao bem-aventurado “que não hesitou doar a sua vida totalmente a Cristo”.

so-jos-de-anchieta200São José de Anchieta

Canonizado pelo papa Francisco, no dia 03 de abril de 2014, o chamado Apóstolo do Brasil é considerado pelo presidente da CNBB um modelo evangelizador e missionário. “Nos ensinou que o Evangelho, ao ser anunciado, deve ser inculturado, levando em conta a cultura das pessoas ao qual se destina”, disse dom Damasceno na ocasião da canonização.

Natural de Tenerife, nas Ilhas de Canárias, na Espanha, Anchieta nasceu no dia 19 de março de 1534 e chegou ao Brasil em 1553. Foi responsável pela criação do colégio de Piratininga no dia 25 de janeiro de 1554, que deu origem à cidade de São Paulo.

No decorrer de sua vida, o santo passou por lugares como São Paulo, Espírito Santo e Bahia propagando os ensinamentos do Evangelho. Faleceu na cidade de Reritiba (atual Anchieta, no Estado do Espírito Santo), em 9 de junho de 1597.

Beato Francisco de Paula Castelló i Aleu FranciscoCastell200

Francês da cidade de Alicante, o beato nasceu em 19 de abril de 1914. Considerado mártir, Francisco Castelló foi condenado à morte por não negar sua fé católica. Em 1936, diante de um Tribunal Popular, respondia às perguntas dizendo com firmeza: “Sim, sou católico”. A relação com os químicos surge de sua formação em Química pela Universidade de Oviedo, no Principado de Astúrias, na Espanha.

Francisco de Paula Castelló i Aleu atuou em sua vida religiosa com pobres e trabalhadores. Faltando algumas horas para ser fuzilado, o beato escreveu uma carta a um amigo, padre Galán, entregando o seu “pobre testamento intelectual”, no qual havia um projeto de “compressor de amoníaco”.

São João Paulo II foi o responsável pela sua beatificação, em 11 de março de 2001. Em sua homilia, ressaltou o testemunho de mártir. “Ofereceu a sua juventude em sacrifício de amor a Deus e aos irmãos”, disse João Paulo II.

Fonte: CNBB

 

Publicado em 24/09/2014 por

Festa no Santuário e Paróquia de São Francisco, em Canindé

SantuarioSaoFcoChagas400Desde o dia 17 de setembro, quando foi comemorado o dia das Chagas de São Francisco, o Santuário e Paróquia de São Francisco, em Canindé tem nova programação para as missas que acontecem na Basílica e Quadra da Gruta. A mudança sempre ocorre devido o início do período de grande fluxo de romarias e visitantes.

Missas na Basílica/Quadra da Gruta:

Segunda à sábado: 6h; 9h; 16h e 18h.

Domingo: 5h; 7h; 9h; 11h; 16h e 18h.

Os festejos alusivos a São Francisco das Chagas em Canindé acontecerão de 09 a 19 de outubro, sob o tema: “São Francisco: caminho de esperança para o Cristo”.

Programação da Festa de 2014

A abertura dia 09 de outubro, às 4h da manhã com Hasteamento das Bandeiras e Celebração Eucarística.

Novena de 10 a 18 de outubro, às 18h, na Praça dos Romeiros. Com  transmissão ao vivo pelo Site: santuariodecaninde.com

Procissões: Com o Painel e a Imagem de São Francisco:

Dia 09 de outubro, às 18h, Procissão com o Painel de São Francisco, saindo da Basílica.

De 10 a 18 outubro, às 17h30min, Procissão com o Painel de São Francisco, saindo da Basílica à Praça dos Romeiros, retornando após a Novena para a Basílica.

Dia 19 de outubro, após a Missa de Encerramento (às 17h, na  Quadra da Gruta, transmitida  pela Rede Vida de Televisão) acontecerá Procissão com a Imagem de São Francisco.

Via-sacra: Dos dias 10 a 18 de outubro, às 5h, na Av. Francisco Cordeiro Campos, encerrando com a Celebração Eucarística, na Igreja do Cristo Rei (Monte).

Horários de Missas:

Basílica / Quadra da Gruta – 5h, 7h, 9h, 11h e 16h.

Mosteiro das Clarissas – 6h.

Igreja do Monte – 6h.

Capela de São Pedro – 10h (de 15 a 18 de outubro).

Igreja das Dores – 8h, 10h e das 15h (de 15 a 18 de outubro)

Confissões: De 09 a 19 de outubro, das 6h às 11h e das 14h às 17h30min, no Complexo São Damião.

Arreamento das Bandeiras: Dia 20 de outubro, às 12h, na Praça da Basílica.

Informações pelo telefone (85) 3343 0017.

Por Equipe de Comunicação do Santuário e Paróquia de São Francisco

 

Publicado em 24/09/2014 por

[NOTÍCIAS] “A Espiritualidade de São Francisco nos conduz a Missão”

sao-francisco-de-assis[2]Festa da Paróquia São Francisco de Assis no Dias Macedo.

A Paróquia São Francisco de Assis, Dias Macedo, realiza de 25 de setembro a 4 de outubro a festa de seu padroeiro com o tema “A Espiritualidade de São Francisco nos conduz a Missão” o tema busca despertar o espírito missionário no coração de cada irmão.

Programação

Dia 25 de setembro, às 18h15min, 1ª dia da Novena estando responsável a Equipe do Terço. Às 18h30min, hasteamento da bandeira. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. José Élio Correia de Freitas concelebrada pelo Pe. José Ribamar de Vasconcelos estando responsável pela liturgia a Pastoral Litúrgica. Convívio: Comunidade Santa Paula, Apostolado da Oração e Legião de Maria. O gesto concreto deste dia 1K de farinha.

Dia 26 de setembro, às 18h15min, 2º dia da Novena estando responsável Apostolado da Oração. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. Oliveira Braga Rodrigues estando responsável pela liturgia a Comunidade Santo Expedito e Santa Rita. Convívio: Santa Teresinha, Equipe de Eventos e Terço dos Homens. O gesto concreto deste dia 1K de açúcar.

Dia 27 de setembro, às 18h15min, 3º dia da Novena estando responsável Legião de Maria. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. Litércio Pimentel Malveira estando responsável pela liturgia a Comunidade Nossa Senhora de Fátima, Coral Fé e Luz e Vicentinos. Convívio: Sagrado Coração, Mãe Rainha e Santa Luzia. O gesto concreto deste dia 1K de feijão.

Dia 28 de setembro, às 18h15min, 4º dia da Novena estando responsável Equipe do Terço. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. Francisco Antônio Francileudo estando responsável pela liturgia a Pastoral do Dízimo, e as Comunidades Santa Paula e Novos Horizontes. Convívio: Sagrada Família e Imaculada Conceição. O gesto concreto deste dia 1K de arroz.

Dia 29 de setembro, às 18h15min, 5º dia da Novena estando responsável Terço dos Homens. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. Francisco José dos Santos Chaves estando responsável pela liturgia a Comunidade Nossa Senhora Aparecida, Terço dos Homens e equipe de liturgia e canto. Convívio: Setor Juventude e Pastoral Vocacional. O gesto concreto deste dia 1 pacote de massa de milho.

Dia 30 de setembro, às 18h15min, 6º dia da Novena estando responsável Equipe do Terça. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. João Rodrigues Farias estando responsável pela liturgia as Comunidades – Santa Luzia, Mãe Rainha, Sagrado Coração e Rainha da Paz. Convívio: Nossa senhora Aparecida e Nossa senhora de Fátima. O gesto concreto deste dia 1 pacote de café.

Dia 1º de outubro, às 18h15min, 7º dia da Novena estando responsável Apostolado da Oração. Às 19h, Missa presidida pelo Pe Geovane Saraiva Costa estando responsável pela liturgia a Comunidade Santa Teresinha, Imaculada Conceição e ECC. Convívio: Santa Rita, Pastoral do Batismo e Pastoral Litúrgica. O gesto concreto deste dia 1 pacote de macarrão.

Dia 02 de outubro, às 18h15min, 8º dia da Novena estando responsável Terço dos Homens. Às 19h, Missa presida por Dom José Luiz Gomes Vasconcelos estando responsável pela liturgia Pastoral Familiar, Pastoral Vocacional e Pastoral do Batismo. Convívio: Pastoral do Dízimo e CPP. . O gesto concreto deste dia 1 pacote de biscoito.

Dia 03 de outubro, às 18h15min, 9º dia da Novena estando responsável Apostolado da Oração. Às 19h, Missa presidida pelo Pe. Paulo estando responsável pela liturgia a Comunidade Sagrada Família, Apostolado da Oração e Legião de Maria. Convívio: Santo Expedito e Pastoral da Família. O gesto concreto deste dia 1 caixa de leite.

Dia 04 de outubro, às 19h, Missa de Encerramento dos festejos de São Francisco presidida pelo Pe. Luciano Gonzaga da Silva concelebrada pelo Pe. José Élio Correia de Freitas e Pe. José Ribamar de Vasconcelos estando responsável pela liturgia o Setor Juventude, Equipe de Liturgia e Canto. Convívio: Eventos e ECC. O gesto concreto deste dia 1 litro de óleo.

A Paróquia fica na Av. Alberto Craveiro, 900 – Dias Macedo.

Informações (85) 3295 0621.

 

Publicado em 24/09/2014 por

[ARTIGOS] Ai de vós

almir300Na realização de sua missão, Jesus teve que enfrentar alguns conflitos e até mesmo provocá-los, na fidelidade e obediência à realização da vontade do Pai. Via de regra, encontramos estes confrontos junto a alguns grupos de seu tempo, entre eles destacando os Escribas ou Doutores da Lei e os Fariseus, estes últimos gozando de muita credibilidade junto ao povo de Deus. Esta credibilidade se dava pela lógica defendida por eles na medida em que pelo cumprimento da lei se visibilizava uma maior aproximação a Deus ou não; a isto chamamos de legalismo farisaico, pois a questão principal de estar próximo a Deus ou não era só cumprir a lei. (cf. todo o confronto sobre o sábado; comer com as mãos impuras, cf. Mc. 7).

O sistema se baseava nos pólos – puros e impuros. A pureza indicava as condições necessárias para alguém poder comparecer diante de Deus no Templo (cf. C. Mesters, com Jesus na contramão, p. 24). Neste sentido, o povo tinha uma grande preocupação com a pureza, pois quem não era puro não podia chegar perto de Deus (Mt. 9,9-12).

No capítulo 23 do Evangelho de Mateus Jesus pronuncia os famosos sete “ais”, todos eles dirigidos a estes dois grupos e de forma ousada e profética; nesta seção, chama-os ora de “hipócritas”, ora de “Guias Cegos”, de “Insensatos”, e de “sepulcros caiados”, predomina o adjetivo hipócrita.

Evidentemente que Jesus não age desta forma, manifestando ódio para com os mesmos, mas fazendo uma catequese para que eles pudessem entrar na dinâmica da conversão e consequentemente do Reino de Deus, na novidade do que ele representava, já que o rosto de Deus que eles manifestavam contradizia frontalmente o Deus que Jesus representava.

Do conjunto da coletânea de advertências contra escribas e fariseus, o termo mais usado é a hipocrisia, por se tratar de uma atitude do sistema religioso que eles representavam, fechando-se no seu prestígio e poder, julgavam-se justos e santos e disto os Evangelhos dão conta (cf. o ex. da cena do Fariseu e do Publicano – Lc. 18, 9-14; a questão do jejum em Mc. 2,18ss.). No sistema por eles defendido o que prevalecia de fato eram os ritos externos, a formalidade.

A partir do texto aqui referenciado, destaco o versículo 23 :“Ai de vós escribas e fariseus hipócritas, que pagais o dizimo da hortelã, da erva-doce e do cominho, enquanto descuidais o que há de mais grave na lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade; é isto que era preciso fazer, sem omitir aquilo”.

A referência é muito clara e não precisa de grandes comentários acadêmicos – os interlocutores de Jesus, como já se sabe, viviam da exterioridade, da formalidade, do cumprimento da lei amplamente denunciado neste capítulo de Mateus. Na sequência, Jesus dá um ensinamento novo a partir também de suas práticas, por exemplo, confraternizando-se com pessoas impuras como eram os publicanos e pecadores (Mc. 2, 15-17), tocar em leprosos, comer sem lavar as mãos, tocar em cadáver e isto evidentemente tornava Jesus, na concepção da época, uma pessoa impura pelo contato com estes pecadores e isto impedia a presença de Deus.

Agora vamos puxar a reflexão construindo uma ponte entre a abordagem até aqui desenvolvida e o nosso tempo: prefiro fazer isto em primeiro lugar fazendo duas perguntas- para você caro leitor existe algo parecido hoje em dia?

Por gentileza, interessante não fazer uma interpretação fundamentalista, mas levar em consideração a formalidade, as questões de visibilidade que a Igreja tem hoje através de grandes eventos de massa, da mídia católica, do estilo neo-pentecostal… e a segunda pergunta: como está sendo levada em consideração a prática da misericórdia? A prática da justiça e da fidelidade no seguimento de Jesus Cristo? Será que estamos na linha da exterioridade e sem esquecer isto estamos deletando a justiça da prática de nossos grupos, Paróquias e idem com a misericórdia e a fidelidade.

Almir Magalhães é padre da arquidiocese de Fortaleza.

Do Jornal O Povo


QR Code Business Card