Comunicação e ética - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Comunicação e ética

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald, C.Ss.R

Concordo com a pessoa que disse que “o primeiro areópago dos tempos modernos é o mundo das comunicações, que está unificando a humanidade, transformando-a na aldeia global”. Não há dúvida que os meios de comunicação social alcançaram tamanha importância que são para muitos o principal instrumento de informação e formação, de guia e inspiração dos comportamentos individuais. Há um princípio que afirma que “todo indivíduo tem direito à informação e direito de informar”. O direito à informação fundamenta-se não só na dignidade do indivíduo, mas também na exigência do bem comum. O direito de informar está baseado na liberdade de expressão.

O Concílio Vaticano ll afirma: “O reto exercício do direito à informação exige que, quanto ao seu objeto, a informação seja sempre verdadeira e, salvas a justiça e a caridade, seja íntegra. Além disso, quanto ao modo, deve ser honesta e conveniente, isto é, deve respeitar escrupulosamente as leis morais e os legítimos direitos e dignidade do homem, tanto na obtenção das notícias como na sua difusão” (cf. Inter Mirifica, No. 5).

Infelizmente, hoje o exercício da verdade corre o risco de sofrer muitos desvios, como: a) a apresentação parcial de uma verdade que consiste em ocultar, deliberadamente, certos aspectos da realidade, assim, dificultando ou dirigindo a opinião pública sobre os fatos em questão; b) o sensacionalismo que atribui valores desproporcionais aos fatos e acontecimentos distorcendo-os; c) os silêncios que consistem em suprimir informações importantes, algo que direciona a opinião pública; d) o engano, que é a falsificação total ou parcial da realidade; e) a apresentação de juízos de valores, que orientam ou manipulam a opinião pública de forma que esta não possa se dar conta; f) os boatos sem base que, embora provados falsos posteriormente, já prejudicaram a imagem de pessoas, instituições, acontecimentos etc; g) a coleta de informações insuficientes que consiste em apresentar, como a opinião da maioria, opiniões a partir de entrevistas realizadas com um pequeno número de pessoas (uma amostra pequena), unilateralmente selecionadas; h) a generalização de fatos parciais, que é a aplicação de um fato (ou poucos fatos) a um grupo todo ou uma categoria toda; i) o uso de propaganda enganosa etc.

Os meios de comunicação social têm o dever de comunicar a informação que tem relevância para o progresso, para o bem das pessoas e da sociedade. Um comunicador pode informar a verdade de um fato, mas, através da ironia ou do sarcasmo, pode-se invalidar o sentido ou o valor da informação. Entre as muitas maneiras de distorcer uma informação, possivelmente, a maneira mais odiosa é a veiculação de mensagem subliminar, pois, assim, é passada uma mensagem de forma inconsciente. Os interesses econômicos, políticos, artísticos e de audiência nunca podem ser colocados acima da lei moral ou do bem comum. Nós, os receptores das notícias e informações, devemos cultivar um discernimento bem mais crítico perante o que os meios de comunicação nos apresentam. Finalmente, quero aproveitar o ensejo para parabenizar o jornal O ESTADO pelos 75 anos de comunicação pautados pelo mais alto grau de ética.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald
Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

1 Comentário »

1 Comentário »

  • joão do Carmo Filho disse:

    Queridos leitores, irmãos/ães,
    ao ter a dita de refletir sobre verdades tão profundas, fico a lamentar quão pequeno é o número de seres, neste mundo, dito de comunicação, que tem a oportunidade de se aproximar destas análises, quer pelo meio de divulgação, quer, sobretudo, pelo hábito de tais estudos: "educação, educação… moral, religiosa, humana". Haja conscientização de nossos educadores, dirigentes. Só muita fé, oração, presença de Deus: misericórdia. João do Carmo


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

“Caminhando com Maria, em Jesus somos todos irmãos”, tema da XX Caminhada com Maria

Nomeações e Provisões de julho de 2022

Agenda mensal de Dom José Antonio

RCC realiza Congresso Arquidiocesano em agosto

Papa aos evangelizadores digitais: que a sua missão seja plena de humanidade