O suicídio do Pe. Geraldo Oliveira - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

O suicídio do Pe. Geraldo Oliveira

Eu, Pe. Geovane Saraiva, quando estudante de Teologia, há quase 40 anos, já naquele tempo, num esforço de organização do lado financeiro, passei a “pagar” o INSS; foram 35 anos, mês a mês, ininterruptos. Lembrei-me de que, quando padre recém-ordenado, eu estava na Cúria, quando esta tinha suas funções no subsolo da Catedral Metropolitana de Fortaleza, para pagar o INSS no banco, e lá se encontrava o Pe. José Sousa Oliveira, de saudosa memória, que, percebendo o meu compromisso de pagamento, disse para deixar com ele. Obrigado, Pe. José! Há pouco mais de três anos, portanto, venho recebendo a justa aposentadoria, a qual considero razoável, em torno de 4 salários. Colegas ou pessoas podem fazer “pequenos” comentários, até com ironia: “Ele vive bem!”.

Padre Geovane

A vida continua, os problemas de saúde vão crescentemente surgindo, sem esquecer os demais obstáculos e embaraços inerentes à existência. Guardemos o pensamento de Dom Helder: “Quando os problemas parecem ser absurdos, os desafios são apaixonantes”, que nos envolve num duelante e persistente combate, o qual deve levar uma compreensão compassiva e condescendente da durabilidade ou subsistência humana.

Cabe aqui, pois, com o suicídio do Pe. Geraldo Oliveira, sacerdote aposentado, idoso, com 50 anos de ordenação e 77 de idade, o reconhecimento do valor e da importância de cada vida como um benefício ou presente, mas a partir das marcas de resistência, incontestáveis, como nossos cactos – ou mandacarus – nordestinos, vegetações de uma importância ímpar e providencial, ao produzir até flores raras, também na resistência às adversidades do tempo, sem nos esquecermos das lições deixadas por Dom Helder e tantas pessoas paradigmáticas e dadivosas, na disposição de resistir aos contratempos da vida, na afável ternura de alma e na clemência e indulgência de coração.

Pe. Geraldo, querendo dignidade, não resistiu aos reveses da vida, não aceitando viver no ostracismo, numa vida sombria, inútil e sem sentido. Da parte do bispo e dos colegas sacerdotes, pedia clemência e indulgência, como se olha para a mãe Terra e por ela nutre um amor desmedido e muito verdadeiro, na consciência de encontrar o alimento da sua própria realização, na vontade humana a se conjugar com vontade divina, no compartilhamento de bens e dons, além dos bens materiais.

No espírito da mesma clemência e indulgência divinas, como não ficarmos de coração compungido, pesaroso e entristecido, diante de inúmeros acontecimentos, carregados pelos evidentes sinais de morte, sobretudo no suicídio do Pe. Geraldo Oliveira, na cidade de Surubim-PE, em 1º de fevereiro de 2022? Que saibamos agradecer os ventos, examinar o céu pela manhã, ao meio-dia, à tarde e à noite, numa oração de súplica e ação de graças, na mais elevada sinceridade para com Deus, pela vida de tantos irmãos, não esquecendo os sacerdotes idosos, afastando-os do ostracismo.

Oportunas são as palavras de Dom Milton Kenan, bispo de Barretos-SP: “Por que há padres cometendo suicídio? Por que há padres e bispos que já sepultaram a vocação? Porque não encontraram alguém para se sentar com eles, para ouvi-los; porque não encontraram alguém que os olhasse sem julgá-los. Se deixarmos para mais tarde a decisão de romper com essa lógica, continuarão a multiplicar os casos, como o do Padre Geraldo, que, depois de 50 anos de sacerdócio, procurou a dignidade na morte por conta própria. Como bispo da Igreja, obrigado Pe. Geraldo pelo seu ministério!”.

Pe. Olegário Melo, da diocese de Cametá-PA, entre muitos colegas sacerdotes, igualmente, se manifestou, sendo solidário: “O suicídio do Pe. Geraldo, o último padre condenado a morrer tragicamente, foi em consequência desse tipo de ações malignas no presbitério: não aceitação da pessoa do outro, só porque já é idoso, ultrapassado… Muito triste e repugnante! Deveria ser o contrário: muito respeito, muito carinho e muito cuidado! Lamentavelmente, muitos não pensam dessa forma… Rezemos, pois, pela nossa verdadeira conversão, a fim de que sejamos instrumentos de fraternidade, perdão, respeito e amor aos padres idosos” (…).

Pe. Geovane Saraiva – Pároco de Santo Afonso, blogueiro, jornalista, escritor, poeta e integrante da academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

3 Comentários »

3 Comentários »

  • SOLANGE disse:

    Mãe Terra? Dignidade no suicídio? Tá bem perdido hein padre… Vou rezar por sua conversão.

  • Maiara Nascimento disse:

    Pe. Geovane, que texto mais lindo. Suas palavras traz conformo e reflexão sobre o ocorrido.

    A mim, não como julgadora, mas como cristã, fiquei muito triste em ver que nossa igreja precisa ser mais acolhedora.

    O suicídio do Pe. Geraldo foi um ato de muita dignidade. Como católicos, sabemos bem o quanto doloroso foi para ele ter essa atitude, mas não vejo o ato como um pedido de socorro, já que ele pediu em vida por misericórdia e não encontrou com seus colegas. O ato dele foi um gesto de fé e de dignidade. Ele confiou tanto na sua fé que me parecia ter a certeza que em Cristo ele acharia o acolhimento que não lhe dado em terra.

    Um abraço.

  • Maiara Nascimento disse:

    Pe. Geovane, que texto mais lindo. Suas palavras traz conformo e reflexão sobre o ocorrido.

    A mim, não como julgadora, mas como cristã, fiquei muito triste em ver que nossa igreja precisa ser mais acolhedora.

    O suicídio do Pe. Geraldo foi um ato de muita dignidade. Como católicos, sabemos bem o quanto doloroso foi para ele ter essa atitude, mas não vejo o ato como um pedido de socorro, já que ele pediu em vida por misericórdia e não encontrou com seus colegas. O ato dele foi um gesto de fé e de dignidade. Ele confiou tanto na sua fé que me parecia ter a certeza que em Cristo ele acharia o acolhimento que não lhe foi dado em terra.

    Um abraço.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Nota de pesar da Arquidiocese de Fortaleza pelo falecimento de Dom Cláudio Hummes, OFM

Nota de falecimento de Dom Cláudio Hummes

Inscrições para participação on-line no 7º Encontro Nacional são prorrogadas até o dia 10 de julho

O Papa desmente rumores de renúncia e diz querer viajar a Moscou e Kiev

Papa: rezemos pelos idosos, mestres da ternura em meio ao mundo habituado à guerra