Brasão da Arquidiocese de Fortaleza
Arquidiocese de
Fortaleza

Em editorial de setembro, Dom José reflete sobre o mês da Bíblia

Setembro é para a Igreja no Brasil o mês da Bíblia. Todos os anos este mês é oportunidade para maior contato, conhecimento, valorização e vivência da Palavra de Deus contida neste Livro único da revelação. Repete-se um cântico em nossas comunidades: “A Bíblia é a Palavra de Deus semeada no meio do Povo, que cresceu, cresceu e se transformou, ensinando a viver um mundo novo!”

“Trata-se de Lc 24, 45, um dos últimos gestos realizados pelo Senhor ressuscitado, antes da sua Ascensão. Encontrando-se os discípulos reunidos, Jesus aparece-lhes, parte o pão com eles e abre-lhes o mentendimento à compreensão das sagradas Escrituras. Revela àqueles homens, temerosos e desiludidos, o sentido do mistério pascal, ou seja, que Ele, segundo os desígnios eternos do Pai, devia sofrer a paixão e ressuscitar dos mortos para oferecer a conversão e o perdão dos pecados (cf. Lc 24, 26.46-47); e promete o Espírito Santo que lhes dará a força para serem testemunhas deste mistério de salvação (cf. Lc 24, 49).

A relação entre o Ressuscitado, a comunidade dos crentes e a Sagrada Escritura é extremamente vital para a nossa identidade. Sem o Senhor que nos introduz na Sagrada Escritura, é impossível compreendê-la em profundidade; mas é verdade também o contrário, ou seja, que, sem a Sagrada Escritura, permanecem indecifráveis os acontecimentos da missão de Jesus e da sua Igreja no mundo. Como justamente escreve S. Jerônimo, «a ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo» (Commentarii in Isaiam, Prologus: PL 24, 17).”

            Com estas palavra, no final do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Papa Francisco instituia o Domingo da Palavra de Deus (III Domingo do Tempo Comum). E recordava que, já para o Povo, Deus tinha dado sua palavra como fonte de unidade, de comunhão em seu desígnio de Amor. “A Bíblia não pode ser patrimônio só de alguns e, menos ainda, uma coletânea de livros para poucos privilegiados. Pertence, antes de mais nada, ao povo convocado para a escutar e se reconhecer nesta Palavra. Muitas vezes, surgem tendências que procuram monopolizar o texto sagrado, desterrando-o para alguns círculos ou grupos escolhidos. Não pode ser assim. A Bíblia é o livro do povo do Senhor que, escutando-a, passa da dispersão e divisão à unidade. A Palavra de Deus une os crentes e faz deles um só povo.” (do mesmo Papa Francisco)

            Há anos, a Igreja no Brasil, celebra em Setembro, o Mês da Bíblia. Sem dúvida, para, na esteira do Concílio Vaticano II, levar todos ao conhecimento e amor pela Palavra de Deus e a ser formados por ela. Ela contém a Palavra de Deus que se revelou na História com Seu Povo e a consumou em revelação no Seu próprio Verbo Encarnado. E é Jesus, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, que manifesta em si o supremo sentido da Palavra Revelada. (cf. Dei Verbum)

            Em 2022, o livro escolhido é o de Josué e o lema bíblico inspirador é “O Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (Js 1,9).

            São do próprio Jesus as palavras: “Quem me ama guarda minha palavra, meu Pai o amará e viremos a ele e nele faremos a nossa morada.”  Jo 14,23. Deus se faz presente, estabelece peculiar moradia em quem vive Sua Palavra.

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

Faça a sua pesquisa

Os cookies nos ajudam a entregar nossos serviços. Ao usar nossos serviços, você aceita nosso uso de cookies. Descubra mais