Carta Circular 005/2020, a respeito da reabertura das igrejas | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Carta Circular 005/2020, a respeito da reabertura das igrejas

Publicamos Carta Circular 005/2020, a respeito da reabertura das igrejas.

10 Comentários »

10 Comentários »

  • DANIEL MAIA disse:

    Penso que mesmo com medidas de readequações e protocolos não seria o momento oportuno para reabertura dos templos religiosos, afinal estamos em plena ascensão de casos e mortes. Tal medida pode trazer sérias consequências. Detalhe que nem chegamos no pico ainda. Fora que em paises que iniciaram essa reabertura estão tendo um novo surto. Confiar em Deus não significa em não tomar precauções. Os escritos bíblicos mesmo nos relatam que a fé sem razoabilidade é loucura. Toda bom senso é importante, sobretudo nesse momento de pandemia. A casa de Deus está no nosso interior. Não é o local físico que irá mudar isso. Nos shoppings compramos apenas coisas materiais. As espirituais cultivamos com bons pensamentos e boas ações.

  • Swytz José Silva Tavares disse:

    Infelizmente o periodo de pandemia é um novo periodo de teste de FÉ. Não temos medo de ir ao supermercado. Mas, justificamos morrer sem os sacramentos nos hospitais ou em casa. Como na Segunda Guera Mundial e na Revolução Francesa. Ou na epoca da perseguição de Nero. Os cristãos são testados na qualidade de sua fé.

  • Freitas disse:

    Senhor arcebispo, já vamos entrar na fase 3 e o senhor ainda com essa história de isolamento rígido? Cadê o bom senso? Aonde está a sua fé e a sua prudência?

  • Dalva disse:

    Meu irmão eu concordo com vc, realmente deus está em nós, é podemos fazer nossas oracões em casa sim, mas lógico q a reabertura dos templo é extremamente necessário, q é isso, tudo está aberto, milheres de empresas funcionando é todo mundo vai lá pra trabalhar, vão as praias shopping, é outros mas; pq só não abrir as igrejas, não era nem pra ter fechado, nossa fé tem que ser maior q tudo, então nos outros locais não pega o vírus é na igreja pega, desterre esse medo meu irmão, abertura das igreja simmmmmmm.

  • Francisca Elisandra disse:

    Quem obedece nunca erra, assim nos ensina um dos nossos santis da Igreja. Concordo com o senhor Arcebispo, é necessário termos prudência nesse momento. Não podemos comparar a ida às Igrejas oua participação nas santas missas com idas a supermercados. Precisamos nesse tempo aprender a sermos igreja em casa.Perdoem-me , mas para alguns irao templo parece ser sinônimo de santidade ou salvação. Que o nosso coração possa ser o templo de Jesus eucaristico. Questiono: temos feito nossa comunhão espiritual em casa? Então, antes de questionarmos a orientação do bispo, questionemos a nossa vivência de fé em casa e nos unamos em oração e verdadeiro espírito de unidade. Por fim: antes de qualquer opinião, leiamos o documento , a carta , em sua íntegra e ao invés de reclamar, oremos pelas vitimas e hospitalizados por conta da pandemia.

  • Jan Cabral disse:

    Ao invés de aumentar o número de missas pra diminuir o número de fiéis, são suspensas as missas. Com a desculpa de proteção à saúde dos fiéis/padres, milhares de pessoas são privadas dos sacramentos. Infelizmente não condiz com a Igreja de dois mil anos, corajosa e destemida. Andar de avião confinado em um ambiente fechado de máscara pode agora, ir à missa não? O que está acontecendo? Essa é só a primeira das epidemias, é já fomos vencidos.. nos preparemos para as próximas e pelo visto nossa mãe Igreja terá medo de nos receber novamente. Que Nossa Senhora e Nosso Senhor Jesus nos mantenham unidos pela oração do Santo Terço em nossas casas.. Igual Ela fez no Japão por 200 anos.

  • CANDIDA ANGELICA ALVES DE LIMA disse:

    Concordo com Sr. Arcebispo. O fato de outros locais estarem abertos não significa que o perigo passou. A Arquidiocese tem demonstrado muita responsabilidade e preocupação com a vida dos fiéis. Se outros setores não têm essa preocupação, não significa que a Igreja também não deva ter.
    Concordo com tudo que a Francisca Elizandra escreveu acima.

  • RAKEL HINA VASCONCELOS PIO disse:

    Boa noite. Gostaria que as Igrejas já começassem a abrir. Receber Jesus espiritualmente não é o mesmo que receber presencialmente. Isso não é correto, quatro meses a Igreja fechada,nunca na história da humanidade aconteceu algo desse nível, e o pior, os “pastores” acharem que isso é normal e necessário. Necessário é Jesus Eucarístico em nossas vidas. Como podem comparar missa na televisão, comunhão espiritual com a celebração e corpo de Cristo presencias? Vocês padres estão recebendo o corpo Cristo, enquanto o povo de Deus está morrendo sem o sacramentos, e aqueles que se dizem sucessores dos apóstolos acham normal o povo padecer espiritualmente. Acredito que está na hora do povo tomar providência, tipo parar de pagar o dízimo. O povo está pagando o dízimo para quê?

  • NILTON disse:

    BOA TARDE! DOM JOSÉ ESTA SENDO MUITO PRUDENTE, EM MANTER AS IGREJAS FECHADAS, SABENDO QUE NÃO TEMOS A CULTURA, DA OBEDIÊNCIA COMO MANTER O USO DE MASCARA, DISTANCIAMENTO, CLARO QUE ISSO NÃO SERIA UMA GENERALIZAÇÃO, MAIS A GRANDE MAIORIA PARTE DO PRINCIPIO QUE O PROBLEMA JÁ PASSOU… DOM JOSÉ O SENHOR ESTA CORRETO.

  • Rodrigo disse:

    É ridículo ver como a maioria nesses comentários ignoram o principal, que é o respeito pela vida.

    Acredito que o retorno só deva acontecer, quando tivermos um medicamento para tal doença. Os riscos em um local cheio de pessoas próximas, cantando, se abraçando.

    Agora se a visão for arrecadar dízimos, a igreja deixa de ser a casa de deus para ser comercio, onde o interesse financeiro fala mais alto.

    Qual quer coisa que ponha a vida de um irmão em risco, deve ser evitada.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia de Itapebuçu realiza Novenário e Festa em honra a São Miguel

Relato do Ciclo de Estudos e Formação, em continuidade com a CF 2020, realizado em agosto

Paróquia da Bela Vista, em Fortaleza, celebra 68ª Festa de Nossa Senhora de Salette

Os desafios da Igreja em tempos de crise – Com Rosa Maria (Arquidiocese de Fortaleza)

Combate ao suicídio