Vida Religiosa: entrevista com um Religioso Capuchinho Frei Ribamar - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Vida Religiosa: entrevista com um Religioso Capuchinho Frei Ribamar

Na semana em que lembramos na Igreja a vocação à Vida Religiosa, segue entrevista com um Religioso Capuchinho, Frei Ribamar.
A todos os religiosos e religiosas presentes em nossa Arquidiocese de Fortaleza um abraço fraterno da Pastoral Vocacional, pedindo ao Senhor a Messe e Pastor do Rebanho luzes e bênção para os mais diversos serviços prestados a partir da diversidade dos carismas.
Pe. Rafhael Silva Maciel, Coord. da Pastoral Vocacional.
  • Leia a entrevista.

Frei Ribamar de Capanema, Pará

Nesta semana dedicada à vida consagrada, somos convidados a rezar por esta vocação e a nos aprofundarmos naquilo que ela ela nos oferece como riqueza. ”
A equipe do noticias.cancaonova.com entrevistou Frei Ribamar Gomes, um sacerdote Capuchinho de Capanema, Pará. Ele é responsável por 40 comunidades da zona rural e professor de Teologia da Vida Consagrada no Instituto Regional para a Formação Presbiteral do Regional Norte 2. Para Frei Ribamar, a Vida Consagrada, além de uma vocação, é um algo indispensável na vida e na missão da Igreja. “O consagrado tem a capacidade de fazer-se sinal claro e visível daquela tensão para a radicalidade, o absoluto que está dentro do coração de cada cristão”, afirmou Frei Ribamar

noticias.cancaonova.com – O que uma pessoa que abraça uma consagração é chamada a viver? Isto também serve para os leigos?

Fr. Ribamar: O consagrado é chamado a adiantar-se pela estreita via de santidade. A Vida Consagrada é, como que involuntariamente, isto é, sem ostentação farisaica, um sinal de estímulo e até de adventência para os outros na Igreja e no mundo. Torna-se assim compreenssivo porque, neste sentido, a Constituição Apostólica Lumen Gentium declara o seguinte: “Os que no estado religioso, tendem à santidade por um caminho mais estreito, estimulam os irmãos com seu exemplo”.

Os consagrados não constituem uma Igreja à parte, mas que em comunhão com todos os demais fiéis, formam a única Igreja instituida por Cristo. Cada vocação só sustenta, se desenvolve e se consolida em pleno reconhecimento da identidade e dos valores de todas as outras. Ao consagrar-se, Deus não marca a pessoa que se lhe entrega com um novo caráter, distinto daquele do batismo, porém acolhe de uma maneira especial na aliança.

Os conselhos evangélicos criam as melhores condições para viver a tendência para a Igreja e o mundo. A consagração acrescenta ao batismo uma obrigação maior, renunciar não só ao pecado, mas também ao mundo.O que serve para o Leigo? A vocação à santidade é Universal, para todos, mas o consagrado pelo seu testemunho de vida recorda isso ao leigo; a vida do leigo deve estar voltada também para o bem de toda a Igreja.

O Leigo não é excluido ao chamado à perfeição do amor que vive o consagrado como colocar a disposição de Deus a si próprio. O consagrado tem a capacidade de fazer-se sinal claro e visível daquela tensão para a radicalidade, o absoluto que está dentro do coração de todo o cristão. O que podemos afirmar é que a Igreja conta com todos: Leigos (Christifidelis Laici), ministros ordenados (Pastores Dabo Vobis) e consagrados (Vita Consecrata), para realizar sua missão em nosso tempo.

noticias.cancaonova.com – Quais as diretrizes traçadas pelo Concílio Vaticano II para a vida consagrada? O que mudou a partir deste Concílio?

Fr Ribamar: A grande mudança ou novidade que temos na Vida Consagrada depois do Concílio Vaticano II podemos dizer que está no Sínodo sobre a Vida Consagrada celebrado no ano de 1994, de onde provém a belíssima Exortação Apostólica Pós Sinodal, Vita Consecrata. Nesta exortação encontramos três grandes temas: Consagração, filocalia e profetismo. A Vida Consagrada é apresentada como uma experiência da Beleza de Deus e de Jesus no Tabor, porém, também no calvário: O Jesus da Beleza é o Jesus Crucificado.

O que falta para nós aqui no Brasil, é uma séria, normal e honesta Eclesiologia da Vida Consagrada, fundamentada no Vaticano II. A ausência dessa Eclesiologia gerou entre nós uma má interpretação de alguns documentos do Concílio Vaticano II, principalmente de alguns capítulos da Constituição Dogmática Lumen Gentium.

O capítulo sobre o Povo de Deus, muitas vezes foi interpretado por nós como uma teologia do laicato, e todos que somos normais e honestos sabemos que a Lumen Gentium dedica um capítulo sobre os leigos e depois, Povo de Deus, não é imagem da Igreja, mas expressão de sua essência. Destas más interpretações temos uma teologia de ruptura e não de renovação numa continuidade.

A Teologia de ruptura causa uma repulsa a Sagrada Hierarquia e diminui o nosso amor para com a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.Todos nós devemos lembrar que da nossa fidelidade à Igreja, depende a nossa felicidade e salvação.

noticias.cancaonova.com – Na vida consagrada, sabemos que aqueles que a abraçam, são chamados a seguir mais de perto o Cristo, Casto, Pobre e Obediente. No documento Perfectae Caritatis, de 1965, a Igreja começa a falar de uma maturidade que deve ser alcançada para corresponder bem a esta vocação. Tal maturidade e tal correspondência só pode ser alcançada, a partir de uma configuração profunda com o mistério de Cristo?

Fr. Ribamar: A paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo é acontecimento que funda e inspira o modo de ver e agir dos consagrados. Vivemos esta profunda configuração na participação da Eucaristia, quando comungamos existe uma troca de corpos, eu recebo o Corpo de Cristo e Cristo recebe o meu corpo, não é a Eucaristia que se transforma em mim, sou eu que me transformo na Eucaristia.

O rosto do crucificado de Cristo é o livro onde aprendemos o que é o amor e como Deus e a humanidade devem ser amados, fonte de todos os carismas e sínteses de toda a vocação.

A maturidade adquirida nessa configuração profunda ao mistério da Paixão de Cristo é transparência de que a Cruz é a revelação do coração da Trindade na história.

noticias.cancaonova.com – Qual o sentido da ascese dentro de uma consagração?

Fr. Ribamar: Ascese é uma palavvra que ultimamente vem perdendo muito do seu significado dentro da Vida Consagrada e isso acontece devido ao pouco valor que damos à direção espiritual. Trocamos o nosso Diretor Espiritual pelo psicólogo e a ascese pelas terapias de grupo e etc. Resultado? Consagrados vivendo uma continua “adolescência” tardia.

A ascese é o terreno onde germina e cresce a santidade dentro de nós. A Santidade produz em nós uma crescente humanização. O difícil para o consagrado no seguimento de Cristo, não é deixar os bens materiais, mas renunciar suas próprias vontades: renunciar a si mesmo, tomar a cruz. É isso que entendemos por ascese na vida consagrada.

A consagração não nos dá nenhum posto especial na batalha espiritual. O consagrado estará na frente do campo de batalha.

Fonte: https://noticias.cancaonova.com

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Confirmada a programação do XIV Evangelizar é Preciso Fortaleza

“A responsabilidade jurídico-administrativa dos párocos” é tema de palestra da Católica de Quixadá

Em dia que marca seu nascimento, CNBB divulga vídeo que destaca marcos da sua trajetória a serviço da Igreja no Brasil

Jesus é missão: comunidades celebram 1ª Semana Missionária Arquidiocesana

João Paulo I será beato: Episcopado brasileiro havia pedido sua beatificação