Brasão da Arquidiocese de Fortaleza

Representante do Papa no Brasil preside imposição do pálio na Catedral neste sábado, dia 6

No próximo sábado, 6 de julho, às 10h, Dom Gregório Paixão, OSB, Arcebispo de Fortaleza, receberá o pálio na Catedral Metropolitana. A cerimônia de imposição da insígnia episcopal será conduzida pelo Núncio Apostólico do Brasil, Dom Giambattista Diquattro, representante do Papa Francisco.

O evento contará com a presença de diversos clérigos da Arquidiocese e do Regional Nordeste 1, além de representantes das Pastorais, Serviços, Movimentos, congregações religiosas e Novas Comunidades.

A celebração será transmitida ao vivo pelo canal do YouTube da arquidiocese e retransmitida pela Fm Dom Bosco 96,1, Rede Shalom de Rádio, Tv Evangelizar, Tv Rede Vida e Tv Ceará.

Pálio

O pálio, derivado do latim pallium, que significa “manto de lã”, é uma vestimenta litúrgica usada na Igreja Católica. Ele consiste em uma faixa de pano de lã branca que é colocada sobre os ombros dos arcebispos. Este pano representa a ovelha que o pastor carrega nos ombros, assim como Cristo fez com a ovelha perdida. Desta forma, podemos dizer que o pálio é o símbolo da missão pastoral do bispo. Além disso, o pálio é destinado aos arcebispos metropolitanos, simbolizando a jurisdição em comunhão com a Santa Sé.

O pálio, em sua forma atual, é uma faixa estreita de tecido com cerca de cinco centímetros de largura, tecida em lã branca. Ele é curvado no meio para repousar sobre os ombros, acima da casula, e possui duas abas pretas penduradas na frente e atrás. Visto tanto na frente quanto atrás, a vestimenta lembra a letra “Y”.

O pálio é decorado com seis cruzes negras de seda, que lembram as feridas de Cristo: uma em cada cauda e quatro na curvatura. Além disso, ele é cortado na frente e atrás, com três alfinetes de gema aciculada em forma de alfinete. Essas duas últimas características parecem ser uma lembrança dos tempos em que o pálio era um simples lenço duplo dobrado e pregado com um alfinete no ombro esquerdo.

Sobre o Núncio Apostólico

Dom Giambattista Diquattro, de 70 anos, é um arcebispo de origem italiana de Bolonha que possui uma extensa formação e trajetória na Igreja Católica. Além de ser diplomata, teólogo e canonista, ele foi ordenado sacerdote em 24 de agosto de 1981. Dom Diquattro foi ordenado bispo em 4 de junho de 2005 é mestre em Direito Civil pela Universidade de Catânia e doutor em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Lateranense de Roma. Ele também possui um mestrado em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.

O Núncio Apostólico é o representante do Papa, funcionando como uma espécie de embaixador da Santa Sé. Sua missão é efetivar vínculos e tornar eficaz o diálogo e a proximidade das dioceses e bispos com o Romano Pontífice. A pessoa do Núncio deve promover e estimular o diálogo e as relações entre a Santa Sé e as autoridades do país ao qual ele é enviado. Em relação ao diálogo com o Estado, o Núncio exerce a função de diplomata, papel parecido ao dos embaixadores nos países.

Faça a sua pesquisa

Os cookies nos ajudam a entregar nossos serviços. Ao usar nossos serviços, você aceita nosso uso de cookies. Descubra mais