Papa Francisco: são muitos os mártires na Igreja vítimas de calúnia, um ato que vem de Satanás - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Papa Francisco: são muitos os mártires na Igreja vítimas de calúnia, um ato que vem de Satanás

“A calúnia destrói a obra de Deus nas pessoas.” Foi o que afirmou o Papa Francisco na homilia da missa presidida na manhã desta segunda-feira na capela da Casa Santa Marta, no Vaticano, da qual participaram, entre outros, os funcionários do Serviço telefônico vaticano e do Setor internet vaticano.

O Santo Padre convidou a rezar pelos muitos mártires que hoje são falsamente acusados, perseguidos e assassinados por ódio à fé.

Estevão, o primeiro mártir da Igreja, é uma vítima da calúnia. E a calúnia é pior do que um pecado: a calúnia é uma expressão direta de Satanás.

O Papa não usou meios termos para estigmatizar um dos mais desprezíveis comportamentos humanos. A leitura dos Atos dos Apóstolos apresenta Estevão, um dos diáconos escolhidos pelos Apóstolos, que é levado ao Sinédrio por causa de seu testemunho do Evangelho, acompanhado de sinais extraordinários.

E diante do Sinédrio – lê-se no texto – aparecem “falsas testemunhas” que acusaram Estevão.

Francisco foi incisivo sobre este ponto: porque – observou – “não bastava o combate honesto, a contenda entre homens de bem”, os inimigos de Estevão embocaram “o caminho da luta suja, a calúnia”:

“Todos nós somos pecadores: todos. Temos pecados. Mas a calúnia é outra coisa. É claro que é um pecado, mas é outra coisa. A calúnia quer destruir a obra de Deus; a calúnia nasce de uma coisa intrinsecamente ruim: nasce do ódio. E quem faz o ódio é Satanás. A calúnia destrói a obra de Deus nas pessoas, nas almas. A calúnia utiliza a mentira para seguir adiante. E não duvidemos: onde há calúnia está Satanás, ele mesmo.”

Em seguida, o Papa passou da atenção para o comportamento dos acusadores para a atenção ao comportamento do acusado. Estevão, observou, não retribuiu a mentira com a mentira, “não quis seguir por aquele caminho para salvar-se. Ele olhou para o Senhor e obedeceu à lei”, permanecendo na paz e na verdade de Cristo. E é o que “acontece na história da Igreja” – reiterou –, porque do primeiro mártir até hoje são numerosos os exemplos de quem testemunhou o Evangelho com extrema coragem:

“Mas o tempo dos mártires não acabou: também hoje podemos dizer, na verdade, que a Igreja tem mais mártires do que no tempo dos primeiros séculos. A Igreja tem muitos homens e mulheres que são caluniados, que são perseguidos, que são assassinados por ódio a Jesus, por ódio à fé: um é assassinado porque ensina catecismo, outro porque carrega a cruz… Hoje, em muitos países, os caluniam, os perseguem… são irmãos e irmãs nossos que hoje sofrem, neste tempo de mártires.”

O nosso tempo – repetiu o Papa Francisco – “é uma época com mais mártires do que nos primeiros séculos”. E uma época de “muitas turbulências espirituais” trouxe à mente do Pontífice a imagem de um antigo ícone russo: o ícone de Nossa Senhora que com o seu manto cobre o povo de Deus:

“Peçamos à Virgem Maria que nos proteja, e nos tempos de turbulência espiritual o lugar mais seguro é sob o manto de Nossa Senhora. É a mãe que cuida da Igreja. E neste tempo de mártires é ela, de certo modo, a protagonista da proteção. É a mãe. (…) Digamos a ela com fé: ‘A Igreja está sob a tua proteção, ó mãe. Cuida da Igreja’.”

Fonte: Rádio Vaticano

1 Comentário »

1 Comentário »

  • JOSIANA JÁCOME disse:

    É um pecado que mesmo confessando não se apaga: a vergonha e a falta de respeito causada por esse veneno que fere a imagem de alguém e deixa marcas pra toda vida, fora outros sentimentos ,ou seja ,de um jeito ou de outra afeta a vítima a quem foi caluniada.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Semana de Formação do Clero de Fortaleza aprofunda temática da conversão pastoral paroquial

Aniversário do segundo ano do Pacto das Catacumbas pela Casa Comum

Bispos do Ceará se reúnem para aprofundar e encaminhar as atividades pastorais do Regional

Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão

Conferência de Dom José Antonio na abertura da XIX Semana Teológica na FCF