Papa fala aos Padres Conciliares e aos presidentes das Conferências Episcopais | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Papa fala aos Padres Conciliares e aos presidentes das Conferências Episcopais

Nesta sexta-feira, 12 de outubro, o Santo Padre recebeu em audiência, no Vaticano, o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I e os bispos que participaram do Concílico Ecumênico Vaticano II, e os Presidentes de Conferências Episcopais.

O Papa ainda almoçou com os Padres Sinodais, com os bispos que participaram do Concílio Ecumênico Vaticano II, e com os Presidentes de Conferências Episcopais, cerca 500 pessoas. Presentes também o Patriarca Bartolomeu I e o Arcebispo anglicano, Willians.

No seu discurso aos Padres Conciliares e aos presidentes das Conferências Episcopais o Santo Padre afirmou que nos seus rostos via também os centenas de bispos que em todas as regiões da terra estão comprometidos no anúncio do Evangelho e no serviço à Igreja e ao homem, em obediência ao mandato recebido de Cristo.

São muitas as recordações que vêem à nossa mente – continuou o Papa – e que cada um tem bem guardado no coração daquele período tão vivaz, rico e fecundo que foi o Concílio. Gostaria de recordar de como uma palavra, lançada pelo Beato João XXIII quase de modo programático, retornava continuamente nos trabalhos conciliares: a palavra “atualização”.

Passados 50 anos da abertura daquele solene Encontro da Igreja alguém poderia se perguntar se aquela expressão, não teria sido, talvez no início, não muito feliz. Creio – disse Bento XVI –, que o Beato João XXIII queria com aquela palavra era exato e ainda o é hoje. O Cristianismo não deve ser considerado como “algo do passado”, nem deve ser vivido com o olhar perenemente dirigido “para trás”, porque Jesus Cristo é ontem, hoje e para sempre. O Cristianismo é marcado pela presença do Deus eterno, que entrou no tempo e está presente em todos os tempos, para que cada tempo surja do seu poder criador, do seu eterno “hoje”.

Por isso o Cristianismo é sempre novo, continuou o Santo Padre. Nós não o devemos jamais vê-lo como uma árvore plenamente desenvolvida como o grão de mostrada evangélico, que cresce, dá frutos e um dia envelhece e chega ao fim a sua energia vital. O Cristianismo é uma árvore em perene “aurora”, sempre jovem. E esta atualidade, esta “atualização” não significa ruptura com a tradição, mas exprime a contínua vitalidade; não significa reduzir a fé, abaixando-se aos modismos dos tempos, ao que nós gostamos, ao que a opinião pública gosta, mas é o contrário: exatamente como fizeram os Padres conciliares, devemos levar o “hoje” que vivemos à medida do evento cristão, devemos levar o “hoje” do nosso tempo no “hoje” de Deus.

O Concílio foi um tempo de graça no qual o Espírito Santo nos ensinou que a Igreja, no seu caminho na história, deve sempre falar ao homem contemporâneo, mas isso pode ocorrer somente através da força daqueles que têm raízes profundas em Deus, se deixam guiar por Ele e vivem com pureza a sua fé; não vem de quem se adapta ao momento que passa, de quem escolhe o caminho mais cômodo.

O Papa concluiu afirmando que o Ano da fé que teve início nesta quinta-feira nos sugere o melhor modo para recordar e comemorar o Concílio: concentrar-se no coração da sua mensagem, que é a mensagem da fé em Cristo, único Salvador do mundo, proclamada ao homem do nosso tempo.

POR: CNBB/RADIO VATICANO

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Editorial – dezembro 2020: Advento – vinda do Senhor

Decretos e Provisões – novembro 2020

A canonização de Charles de Foucauld