Brasão da Arquidiocese de Fortaleza
Arquidiocese de
Fortaleza

O brasileiro Aloísio Sebastião Boeing declarado venerável

Anna Poce, Silvonei José – Vatican News

Durante a audiência na manhã desta quinta-feira (23/02), no Vaticano, com o cardeal Marcello Semeraro, prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, o Papa Francisco autorizou a promulgação de decretos relativos a uma nova Beata e cinco novos Veneráveis.

Aloísio Sebastião Boeing: um ministério caritativo e humilde

Foi declarado venerável o brasileiro Aloísio Sebastião Boeing. Ele é lembrado por seu extenso apostolado, unido a grande caridade, e pelo alívio que ele levou a tantas pessoas carentes. Nascido em Vargem do Cedro (Santa Catarina) em 24 de dezembro de 1913 em uma família católica alemã, Aloísio entrou no Seminário Menor Dehoniano em Brusque e foi ordenado sacerdote em Taubaté (São Paulo) em 1º de dezembro de 1940. Após várias atribuições, em 1954 iniciou a construção do Noviciado de Nossa Senhora de Fátima em Jaraguá do Sul (Santa Catarina), inaugurado em 8 de junho de 1956 e, juntamente com Neide Girolla, em 1976 iniciou a experiência da Fraternidade Mariana do Coração de Jesus, com o objetivo de viver a consagração feminina de acordo com o carisma dehoniano. O seu apostolado é fecundo, acompanhado pela fé, orações e sustentado por uma esperança viva. Sua conduta no Noviciado é muito apreciada, pois ele sabe combinar firmeza com generosa ajuda. Ele é um diretor espiritual válido para muitos padres e é apaixonadamente dedicado às comunidades locais onde exerce seu ministério, mostrando-se caridoso, humilde e disponível a todos, assim como aos pobres aos quais ele fornece apoio material e espiritual.

A próxima nova Beata

Com o reconhecimento do milagre atribuído à sua intercessão, a religiosa italiana Elisabetta Martinez, fundadora da Congregação das Filhas de Santa Maria de Leuca, será proclamada Beata. Nascida em Galatina (Lecce) no dia 25 de março de 1905, Elisabetta entrou na Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor em 1930, que mais tarde foi forçada a deixar devido a uma grave infecção pulmonar. Ela amadureceu então a ideia de fundar uma nova Congregação empenhada na formação de meninas adolescentes, na educação infantil, no cuidado de mães solteiras e no serviço paroquial, e iniciou o Instituto das “Filhas de Santa Maria de Leuca”. Eleita Superiora Geral, ela mudou a sede da casa geral e do noviciado para Roma, onde morreu em 1991.

O milagre que foi reconhecido é a cura de um feto de “trombose e oclusão completa calcifica da artéria umbilical fetal esquerda” com “extenso infarto placentário e alterações plurifocais alterações vilosas como de hipoxemia”, bem como “atraso muito grave no crescimento intrauterino do feto associado à condição de brain sparing”. Informada da situação muito grave enfrentada por uma mãe de Rimini, a Superiora Geral da Congregação das Filhas de Santa Maria de Leuca iniciou uma novena de oração nas diversas comunidades para pedir um milagre por intercessão da Fundadora. As orações acompanharam todo o período de gravidez e a menina nasceu no dia 19 de março de 2018 em boas condições.

Os demais Veneráveis

Com o reconhecimento das virtudes heroicas, além do brasileiro Aloísio, outros quatro Servos de Deus tornaram-se Veneráveis: José de Santo Elpidio, Maria Margherita Lussana, Francisca Ana María Alcover Morell e Albertina Violi Zirondoli.

Giuseppe di Sant’Elpidio: uma atividade apostólica incansável

O capuchinho Giuseppe di Sant’Elpidio, no século Giulio Bocci, nasceu em S. Elpidio a Mare, na região das Marcas, em 15 de março de 1885. Ele viveu intensamente sua vocação capuchinha, que foi marcada pelo abandono à vontade de Deus, pelo desapego aos bens e pelo espírito de sacrifício. Atento aos sinais dos tempos, ele se comprometeu com o ministério da confissão, a direção espiritual e especialmente com a promoção das vocações sacerdotais e religiosas. Em 1932, fundou oficialmente a Obra das Vocações e, como Diretor da Ordem Terceira Franciscana local, começou a reunir um grupo de mulheres, com o objetivo de dedicar-se totalmente à oração e ao apoio das vocações sacerdotais e religiosas. Deste primeiro grupo, em 1943, nasceram as Irmãs Franciscanas vocacionais (hoje Voluntárias Franciscanas para as Vocações). Ele também esteve envolvido na construção da Casa Franciscana de Pesaro, onde morreu em 1974.

Maria Margherita Lussana, educadora dos pobres

Uma vida de fé fundada na oração, contemplação e devoção eucarística e mariana é a da Irmã Maria Margherita Lussana, que nasceu em Seriate, Bergamo, em 14 de novembro de 1852, em uma família rica. Com a morte de sua mãe idosa em 1888, ela entrou na Congregação das Filhas do Sagrado Coração de Jesus, fundada em Bérgamo por Santa Teresa Eustochio Verzeri, e mais tarde no Instituto Ursulino de Somasca. Em 1893, junto com Irmã Maria Ignazia Isacchi, fundou a Congregação das Ursulinas do Sagrado Coração de Jesus em Gazzuolo. Ela desenvolveu uma sincera amizade com a Fundadora, o que levou ambas a dedicarem-se ao bem das Irmãs e do Instituto, o que, ao lado da escola, proporcionou espaço para um orfanato e um internato. Madre Marguerite se dedicou ao apoio de crianças, crianças pobres, jovens, mulheres e trabalhadores, isentando as meninas pobres do pagamento de suas taxas e acolhendo meninas órfãs. Levava uma vida austera, humilde e temperada, mostrando uma singular capacidade de desapego e renúncia. Ela morreu em Seriate, em 27 de fevereiro de 1935.

Francisca Ana María Alcover Morell, um amor incondicional por Cristo

A intensa formação intelectual de Francisca Ana María Alcover Morell e sua capacidade de diálogo com todos, enriquecida por uma forte espiritualidade eucarística e mariana, levou-a a dedicar-se apaixonadamente ao apostolado entre os jovens. Nascida em 19 de outubro de 1912 em Sóller (Maiorca, Espanha) em uma família abastada que havia emigrado do sul da França, Francisca foi criada por seus pais para viver com humildade e espírito de serviço. A educação que ela recebeu das Filhas de Maria Scolopie também ajudou a deixar uma marca profunda em sua vida, que a viu como poetisa e colaboradora de um jornal local e participante de atividades da Ação Católica por vários anos. Seu compromisso com a educação, com a formação de jovens e crianças, e sua participação ativa na vida social a levou a uma caridade tangível, que expressa a sua fé: seu amor incondicional por Cristo e sua fidelidade à Igreja. Francisca se conformou plenamente com a doutrina social da Igreja, em todas as suas experiências de vida: no colapso financeiro de seu pai e em sua doença, um tumor cerebral, que ela aceitou com realismo e paciência, mantendo uma maneira amigável com todos e despertando admiração. Ela morreu em 1951 em Sóller, então privada dos movimentos e da visão.

Albertina Violi Zirondoli: uma vida dedicada aos outros

A vida de Albertina Violi Zirondoli, foi uma vida levada em alegria e com senso de responsabilidade para com os compromissos familiares e de trabalho e sempre em comunhão com o Senhor. Nascida em 1º de julho de 1901 em Carpi, Itália, em uma família profundamente cristã, Albertina dedicou-se ao ensino, desempenhando sua tarefa como professora com grande dedicação, tentando transmitir valores cristãos aos seus alunos, em um ambiente abertamente hostil à Igreja. Com o consentimento de seu marido, de ideologia socialista e materialista e contrária à escolha de seu filho de ser padre, ela abriu sua casa para acolher os pobres e participou das atividades da Terceira Ordem Franciscana Secular e da Conferência de São Vicente de Paulo. Em 1945, ela foi eleita Presidente do Centro Italiano da Mulher da diocese de Carpi, onde trabalhou para a formação e emancipação da mulher.

Em 1951, ela conheceu o Movimento dos Focolarinos (Obra de Maria), que ela começou a frequentar. Ela realizou seu trabalho de caridade em Carpi e Loppiano, defendendo a causa dos pobres e tornando-se um ponto de referência para eles, para as monjas de clausura de sua cidade e para os muitos jovens focolarinos que vieram a Loppiano para sua formação no Movimento. Apesar de ser um ponto de referência humano, social e espiritual para muitos, ela experimentou a virtude da fortaleza sobretudo em sua vida familiar devido à divergência de pontos de vista com seu marido e à interferência de seu sogro, conseguindo evitar tensões com delicadeza. Ela faleceu em 18 de julho de 1972 no Policlinico Gemelli em Roma.

Fonte: Vatican News

Faça a sua pesquisa

Os cookies nos ajudam a entregar nossos serviços. Ao usar nossos serviços, você aceita nosso uso de cookies. Descubra mais