Neopentecostalismo: diálogo ecumênico acontece na vida cotidiana - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Neopentecostalismo: diálogo ecumênico acontece na vida cotidiana

Neopentecostalismo: diálogo ecumênico acontece na vida cotidianaA Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC), que terá início no domingo da Ascenção do Senhor, dia 28 de maio, é um momento promovido para conclamar cristãos e cristãs, de todas as denominações, à unidade. Para além da oração, ações em vista do diálogo e da busca pela unidade dos cristãos têm sido desenvolvidas pela Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Um ambiente “delicado e desafiador” para promoção deste trabalho é o contexto das igrejas neopentecostais.

De acordo com o assessor da Comissão para o Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso da CNBB, padre Marcus Barbosa Guimarães, o principal trabalho tem sido aprofundar, através de leituras e encontros de formação – alguns desses, com a presença de pastores pentecostais -, o crescente e complexo movimento pentecostal e neopentecostal. Para Guimarães, o pentecostalismo é “uma ‘nova janela aberta’ para o ecumenismo”.

Padre Marcus considera urgente encontrar caminhos de aproximação católico-pentecostal, promovendo, com as pessoas e comunidades pentecostais que se abrem ao diálogo, o conhecimento, a amizade e o respeito mútuos, a convivência e o testemunho comum.

Uma análise de conjuntura eclesial apresentada em fevereiro deste ao Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da CNBB aponta esta vertente protestante como “comunidades de estilo evangélico, fundamentalista e espontaneísta, que se distanciam da tradição unitária católica, rompendo o próprio tecido social” predominantes na América Latina.

Nem sempre abertos ao diálogo, muitos dos pentecostais “têm posturas agressivas e ativamente proselitistas”. Entretanto, segundo o texto, se o diálogo ecumênico em sentido próprio é pouco viável, permanece a possibilidade do diálogo entre sujeitos, inserido nas várias circunstâncias da vida cotidiana. É o que padre Marcus chama de “ecumenismo de amizade”, que está presente no plano local, sobretudo na família, no trabalho, na vizinhança e na área social.

Fenômeno crescente
O pentecostalismo é uma realidade no mundo. Atualmente engloba cerca 650 milhões de fiéis de diversas denominações. Presente no Brasil desde 1910, com a chegada da igreja Congregação Cristã no Brasil – considerada pelos sociólogos da religião uma igreja clássica neste contexto -, o movimento pentecostal cresceu no meio do século e iniciou nas décadas de 1970 e 1980 a “terceira onda”, conhecida como neopentecostalismo.

“Uma das particularidades que se tem nas igrejas neopentecostais em relação às clássicas, além dos dons da glossolalia, da cura, da profecia e do exorcismo típicas do pentecostalismo, é a forte ênfase na teologia da prosperidade. Este tem sido um dos principais elementos do maior fenômeno ocorrido no protestantismo brasileiro nas últimas décadas que tem a sua máxima expressão a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, cinco igrejas concentram nada menos que 85% dos pentecostais do país: Assembleia de Deus (12.314.410 adeptos), Congregação Cristã no Brasil (2.289.634), Igreja Universal do Reino de Deus (1.873.243), Igreja do Evangelho Quadrangular (1.808.389) e Igreja Pentecostal Deus é Amor (845.383). Em 2010, a Assembleia de Deus sozinha, já quase centenária e dividida em várias denominações, concentrava quase uma terça parte dos neopentecostais (30%) do Brasil.

Ação de diálogo

Diante dos desafios que se apresentam na tentativa de estabelecer um diálogo, a Igreja, por meio dos grupos que atuam no caminho ecumênico, reconhece a necessidade de “dar passos realmente importantes para a unidade”.

A análise de conjuntura de fevereiro também recordou um documento solicitado à CNBB pelo Conselho Episcopal Latino Americano (Celam), de 1984, no qual os bispos afirmaram serem imensos os problemas ecumênicos que surgem do pentecostalismo, sobretudo porque o pentecostalismo “está marcado, desde o início, por um forte anticatolicismo”.

Por outro lado, os bispos orientaram à época, que, como resposta a esse comportamento dos pentecostais, os fiéis devem “evitar campanhas de ataque; deixar-se interrogar por estes grupos, pois deve haver valores cristãos nessas vertentes laterais ou até contrárias à Igreja oficial de uma determinada época”.

“Para nós, católicos, penso, não deveríamos falar apenas do que, a nosso juízo, existe de falso nas comunidades pentecostais, mas também, e principalmente, nos perguntar sobre o que não funciona tão bem em nossas Igrejas para que alguns de nossos próprios fiéis a abandonem”, sugere padre Marcus. Outro questionamento é como é possível sempre mais e melhor interpelar e atrair as pessoas na evangelização: “Será que do movimento pentecostal podemos aprender algumas coisas?”, indaga.

Encontro fraterno
Uma experiência concreta da Comissão para o Ecumenismo da CNBB no diálogo com as Igrejas pentecostais é a realização do Encontro de Cristãos na busca da Unidade e Santidade (Encristus), evento que procura favorecer o encontro de evangélicos e católicos com um sentido espiritual, discipular, bíblico e apostólico.

“Não se trata de uma ‘comissão interconfessional’, nem de uma instância representativa dos dirigentes das comunidades participantes. Trata-se, sobretudo, de um encontro de irmãos que se reconhecem chamados pelo Senhor Jesus Cristo a uma vida de santidade e unidade, conforme o Evangelho”, destaca padre Marcus.

Fonte: CNBB

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

O Papa recorda o cardeal Hummes: pediu-me que não me esquecesse dos pobres

Falece Dom Cláudio Hummes, OFM, 5° Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

Nota de pesar da Arquidiocese de Fortaleza pelo falecimento de Dom Cláudio Hummes, OFM

Nota de falecimento de Dom Cláudio Hummes

Inscrições para participação on-line no 7º Encontro Nacional são prorrogadas até o dia 10 de julho