Caminhada Penitencial

Tudo sobre a 13ª Caminhada Penitencial

Natal na Síria, Maristas levam alegria às crianças que só conhecem a guerra

Uma criança diante do presépio numa igreja maronita em Aleppo / Foto: Vatican News

No contexto de uma guerra que dura doze anos, do terramoto de fevereiro de 2023 e das sanções econômicas que esmagam toda perspectiva de reconstrução, a Igreja local está comprometida em devolver o sorriso às crianças e a esperança às suas famílias.

Jean Charles Putzolu – Vatican News

Desde 2011 e o início da guerra na Síria, nasceram mais de 6 milhões de crianças, que apenas conheceram a violência e a guerra. Ainda hoje, entre dois e três milhões delas não vão à escola. Mais de oito milhões de crianças precisam de assistência humanitária. Segundo o Unicef, as crianças na Síria estão entre as mais vulneráveis ​​do mundo. Somou-se à guerra, que matou cerca de 500 mil pessoas, o terremoto mortal de 6 de fevereiro de 2023, em Aleppo. É neste contexto que as famílias cristãs sírias, exaustas, se preparam para celebrar o Natal. No dia 22 de dezembro, os irmãos maristas farão uma distribuição especial para 1.100 famílias: uma galinha, um quilo de laranja, um quilo de maçã e 30 ovos. Pode parecer um presente banal, mas para as famílias que recebem esta oferta é a garantia de uma refeição completa no período de Natal. Em Aleppo, o irmão marista Georges Sabé celebrará o dia 25 de dezembro com os escoteiros e seus pais e se esforçará para levar um pouco de alegria às crianças, em meio às muitas dificuldades da vida cotidiana.

Irmão Georges, estamos nos aproximando do Natal e nesta ocasião queremos chamar a atenção para a Síria e mais particularmente para as crianças. Após doze anos de conflito, segundo o Unicef, há pelo menos 6 milhões de crianças nascidas depois de 2011 que só conheceram a guerra.

Infelizmente, as crianças de que falamos hoje são todas crianças da guerra. Quer tenham vivido a guerra diretamente, quer tenham vivido as suas consequências através da violência, do medo, de tudo o que está relacionado com a vida quotidiana, do ensino, da necessidade de se deslocar e de tudo o que está relacionado com a visão do futuro. Se falo de crianças, tenho de falar de crianças que, para além da guerra, ainda sofrem as consequências das sanções econômicas e que, há quase um ano, também sofreram o terramoto. Há um medo enraizado no coração dos nossos filhos, renovado pelo terramoto e que deu origem a um sentimento de instabilidade, como se os vários movimentos já não bastassem. O terremoto disse a todas as crianças, em termos concretos, que elas ainda estão sob ameaça. Existe a ameaça de guerra, mas também existe a ameaça dos riscos naturais.

Que trauma tudo isso deixa nas crianças?

Eu tenho que falar sobre a violência primeiro. Infelizmente, é necessária uma educação muito forte para fazer com que as crianças compreendam duas coisas importantes: o respeito pelos outros, por aqueles que são diferentes de mim e levar-lhes um sinal de esperança. Quando falo sobre respeito, quero dizer que devemos ensinar nossos filhos a resolver os conflitos de forma não violenta. É muito fácil para eles terem nas mãos brinquedos que parecem armas. Eles acham que podem resolver um conflito com outra criança batendo nela, até mesmo usando esse brinquedo e fingindo matá-la. Eles brincam de lutar e morrer. Isto é guerra. É um trauma que está profundamente enraizado em cada criança. Outro tema importante é a questão da estabilidade e da erradicação. Nossos filhos foram frequentemente deslocados. Muitos deles também sabem que o seu futuro pode não estar na Síria, que os seus irmãos, membros de outras famílias ou companheiros deixaram o país e foram para outro lugar. Há esta sensação de um horizonte fechado, onde não existe esperança, um horizonte em que a criança não sabe o que vai se tornar. Isto é muito grave e desestabilizador para o desenvolvimento da personalidade da criança. E também tem um impacto nos seus estudos e na sua visão de futuro.

Que estruturas ainda existem, depois da guerra, depois do terramoto, capazes de ensinar hoje todos estes valores? O senhor mencionou alguns deles, mas há também os valores da paz e da reconciliação. Onde isso pode ser ensinado hoje na Síria?

É uma situação terrível porque muitas escolas foram destruídas durante a guerra e depois devido ao terramoto, que representou outra ameaça para estas crianças. Para além da estrutura de pedra, é necessário criar espaços seguros para as crianças, espaços que lhes proporcionem um pouco de alegria, um espaço onde possam brincar, sentir-se confortáveis ​​e seguras. Este é o objetivo que as diferentes congregações religiosas procuram oferecer às crianças cristãs e às crianças muçulmanas. Devemos trabalhar na educação, na educação para a paz, para evitar que no futuro cheguemos novamente a uma guerra que destrói o homem como destrói a pedra.

Estamos nos aproximando da Natividade. O senhor falou sobre espaços a serem criados ou espaços onde as crianças possam se sentir protegidas e seguras. Como o senhor planeja celebrar o Natal com as crianças de Aleppo?

Vou dar um exemplo muito concreto: com os nossos pequenos escoteiros celebraremos a noite e a véspera de Natal com pais e filhos num momento de alegria, festa e família. Rezaremos juntos, comungaremos juntos e, por outro lado, celebraremos com alegria. Conto com a oração que nos ajuda e nos dá forças neste tempo de Advento e de Natal para manter esta esperança apesar de tudo e para trazer um pouco de alegria na vida de cada criança.

O senhor nos descreveu uma situação que continua extremamente delicada, complicada e difícil. Como encontra, neste contexto, as palavras certas para levar alegria às crianças? O que diz a elas?

Devo admitir que às vezes não tenho palavras. Mas também devo reconhecer que às vezes, a partir da minha oração, posso dizer uma palavra de esperança, ouvindo-as, convidando-as a sair ao encontro do outro, a compreender que existem outras misérias, terríveis e muito mais difíceis, por exemplo, para os idosos, mas também para as famílias e outras crianças. Convido-as a irem ao encontro dos mais pobres, daqueles que têm fome, daqueles que estão sozinhos. Digo-lhes também que deixem de reclamar sempre de ser filhos da guerra e sugiro a elas que sejam crianças que vão ao encontro dos abandonados, dos esquecidos, e que vivam um momento de festa.

Faça a sua pesquisa

Os cookies nos ajudam a entregar nossos serviços. Ao usar nossos serviços, você aceita nosso uso de cookies. Descubra mais