Jubileu de Prata: Pe. Almir Magalhães fala em entrevista sobre a vocação ao ministério presbiteral - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Jubileu de Prata: Pe. Almir Magalhães fala em entrevista sobre a vocação ao ministério presbiteral

foto-padre-almirO Seminário Arquidiocesano São José – Teologia e a FACULDADE CATÓLICA DE FORTALEZA – FCF têm a alegria de celebrar na sexta-feira, 13 de dezembro de 2013, os 25 anos de Ordenação Presbiteral do Pe. Almir Magalhães, atualmente Reitor do Seminário Arquidiocesano São José – Teologia e Professor e Diretor Geral da FCF. Pe. Almir concedeu generosamente uma entrevista para o BLOG CATÓLICA DE FORTALEZA sobre sua vocação ao sacerdócio, alegrias e desafios, o papel do padre hoje e uma mensagem aos novos vocacionados. Confira!

Padre Antonio Almir Magalhães de Oliveira é filho de Luiz Oliveira e Ana Magalhães de Oliveira e nasceu em Fortaleza aos 11 de junho de 1949. Ordenação: dia 17 de dezembro de 1988, na Igreja Nossa Senhora da Piedade na Paróquia do mesmo nome e ordenado pelo Cardeal Aloísio Lorscheider.

1 – Por que a decisão pelo sacerdócio? Como se deu esse processo?

Pe. Almir: Tudo começou a partir do meu envolvimento no Oratório Salesiano Dom Bosco, no Colégio Salesiano da Piedade e na respectiva paróquia. Aos 9 anos meu envolvimento no Oratório e ao mesmo tempo na Igreja, como coroinha. Posteriormente fui criando espaços e me tornei líder do Oratório sobretudo na parte esportiva. O processo é relativamente simples – o contexto em que você vive é apelativo, ele interpela. O ambiente em que se vive é, para alguns fundamental. Evidentemente que o fundamental sempre foi a atração pela proposta de Jesus Cristo. Em 1963 o Padre Olavo, encarregado à época pela dimensão vocacional da Inspetoria do Nordeste me convidou (evidentemente que para a época via sinais em minha pessoa). Fui, passei dois anos em Carpina-PE. É claro que teve aí toda uma longa história. Voltei ao seminário após a leitura do Documento de Puebla, como um instrumento que me convidava de novo a retomar a caminhada. O Doc. de Puebla foi um instrumento e me fascinou. Hoje, muitos jovens são atraídos por uma pessoa e seus gestos – O Papa Francisco e quem sabe! Ele pode ser um caminho, um momento chamativo para muitos jovens.

2 – Qual a importância deste momento pra sua pessoa ao comemorar 25 anos de ordenação presbiteral?

Pe. Almir: É uma espécie de selo, uma confirmação que diz: sua decisão foi correta. Afinal de contas são 25 anos e não 25 dias, não é aritmética, é uma história baseada em um projeto. A importância também se dá pelo fato de estarmos numa sociedade do provisório, do descartável e decisões como matrimônio, nosso sacerdócio que são tidos para a vida toda, são questionadas hoje em nossa sociedade. Com esta celebração afirmamos que o contrário é possível.

3 – Alegrias e desafios na missão do presbiterato até aqui.

Pe. Almir: Sinceramente, todo o processo foi marcado por muitas alegrias. É claro que no relacionamento humano está prevista uma grande dosagem de decepções e quem trabalha na formação está sempre olhando para esta possiblidade. Os desafios são inúmeros porque vivemos num mundo e numa Igreja plural, com diversidade de teologias, compreensões do papel da Igreja no mundo. Isso gera tensões e desafios. Mas já alcançamos um nível de maturidade que dá para dialogar bem com tudo isto e saber relativizar complexidades.

4 – O sr. é Reitor do Seminário Arquidiocesano São José – Teologia. Como encara esse serviço?

Pe. Almir: Encaro como um serviço de grande importância para a vida da Igreja. Afinal nós da formação temos a difícil tarefa de preparar os futuros presbíteros e já estamos acostumados a ser VITRINE para onde todas as “baladeiras” estão apontadas. Pessoal esquece que o processo de formação tem momentos e o que nós abraçamos é o da FORMAÇÃO INICIAL. Além do mais muitos não se abrem ao processo, já vem com o seu MODELITO na cabeça e faz ouvido de mercador. Mas temos formas de monitoramento para solucionar alguns casos, mas parece que o ser humano é talhado para trabalhar no BIG BROTHER (são artistas)… entenda.!

5 – Muitos dizem que o “padre” já não influencia mais a consciência dos fiéis, das pessoas comuns que vão a um ato religioso. Isso é verdade? Como analisa isso e como um padre hoje pode melhor atuar na vida da Comunidade e da Sociedade?

Pe. Almir: A Igreja em si não perdeu a credibilidade e mesmo com alguns casos amplamente divulgados as estatísticas continuam afirmando esta credibilidade. Quanto a questão do padre se influencia ou não depende muito de sua preparação, de seu conteúdo, fundamentos (afinal o povo não é besta e percebe isto). O Padre continua com seu papel de ser FORMADOR DE OPINIÃO e isto é acentuado no documento de Aparecida. Por isso sempre que converso com os seminaristas motivo constantemente para que acompanhem a realidade, os fatos da sociedade porque é possível que o PADRE seja na homilia, nos processos formativos em sua paróquia, seja o único instrumento de contraponto do que é veiculado pela mídia em boa parte comprometida com os poderes, ajudando assim o povo a não ser manipulado. O padre pode dar uma reviravolta nesta mentalidade justamente não se achando pronto, continuar mesmo de forma autodidata seu processo formativo e acompanhar toda a reflexão colocada a seu dispor, sobretudo a pastoral, aplicando-a em sua Paróquia, sendo missionário e não um burocrata da religião.

6 – O que diria a um jovem que hoje deseja ser padre?

Pe. Almir: Que não olhe a Igreja, a religião de forma piegas, puritana, achando que ali estaria numa situação de extraterrestre. Pés no chão. Saber que o seu ministério não é status (isto é coisa do passado) e que a missão não pode ser vista na perspectiva dos palcos, dos holofotes. Ela é árdua mas é sublime em função do que podemos fazer pelo outro como fez Jesus Cristo. Na minha celebração de amanhã (dia 13.12.13), escolhi os textos da Carta aos Hebreus, Cap. 5 e Mc. 10, sobretudo o vers. 43 – Quem quiser ser o maior, que seja aquele que serve. Um abraço.

Serviço:

Celebração Eucarística em ação de graças pelo Jubileu de Prata de Ordenação Presbiteral do Pe. Almir Magalhães – Local: Igreja Nossa Senhora da conceição do Outeiro da Prainha – Seminário da Prainha – Data: 13 de dezembro de 2013 / Horário: 19h.

Por: Setor Comunicação FCF

Publicado em 12 de dezembro de 2013 no Blog Católica de Fortaleza

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Confirmada a programação do XIV Evangelizar é Preciso Fortaleza

“A responsabilidade jurídico-administrativa dos párocos” é tema de palestra da Católica de Quixadá

Em dia que marca seu nascimento, CNBB divulga vídeo que destaca marcos da sua trajetória a serviço da Igreja no Brasil

Jesus é missão: comunidades celebram 1ª Semana Missionária Arquidiocesana

João Paulo I será beato: Episcopado brasileiro havia pedido sua beatificação