Ir além dos medos - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Ir além dos medos

Rostos de mãe e filha  (AFP or licensors)

A Mensagem de Francisco para o Dia Mundial da Paz 2020: a guerra vem do coração do homem poluído pelo egoísmo, orgulho e ódio para com o outro, “imagem negativa” e, portanto, a ser cancelada e excluída.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

A esperança coloca-nos no caminho da paz, enquanto a desconfiança e o medo aumentam “a fragilidade das relações e o risco de violência”. Daí o apelo do Papa a ser artesãos de paz, abertos ao diálogo sem exclusões nem manipulações, caminhando também para uma conversão ecológica que é um “novo olhar para a vida”. Mais uma vez Francisco nos propõe a sua tradicional Mensagem para o Dia Mundial da Paz que celebraremos no próximo dia 1º de janeiro. Francisco na sua mensagem para o início do próximo ano aborda muitos aspectos da paz; a mensagem está dividida em 5 capítulos e tem como tema: “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”.

Ouça o Editorial

Aspiração da humanidade, “objeto da nossa esperança”, “bem precioso”. Deste modo, Francisco traça a paz, meta para a qual se deve tender apesar das fadigas. A esperança – escreve o Papa -, é a virtude que nos coloca no caminho, que nos dá asas para avançar, mesmo quando os obstáculos são intransponíveis”. O Pontífice recorda “os sinais da guerra e do conflito”, impressos “na memória e na carne”, que “não cessam de atingir especialmente os mais pobres e os mais fracos”. Traumas que são fruto da humilhação, exclusão, luto, injustiça, assim como da implacabilidade sistemática contra o próprio povo e a própria família.

Lbertar-se das correntes

“Também inteiras nações – lê-se a mensagem – estão lutando para se libertar das correntes de exploração e corrupção, que alimentam o ódio e a violência”. Assim, homens e mulheres, crianças e idosos são privados de dignidade, integridade física e liberdade, “incluindo a liberdade religiosa”. “Toda guerra – escreve o Papa – se revela um fratricídio que destrói o próprio projeto de fraternidade, inscrito na vocação da família humana”. Francisco explica as razões da guerra que muitas vezes surge da impaciência com a diversidade do outro e que “fomenta o desejo de posse e a vontade de domínio”.

A guerra vem do coração do homem poluído pelo egoísmo, orgulho e ódio para com o outro, “imagem negativa” e, portanto, a ser cancelada e excluída. É “perversão das relações, das ambições hegemônicas, dos abusos de poder, do medo do outro e da diferença vista como um obstáculo”. Recordando o que disse no Japão, Francisco enfatiza que “a paz e a estabilidade internacionais são incompatíveis com qualquer tentativa de construir sobre o medo da recíproca destruição ou sobre uma ameaça de aniquilação total”, mas surgem apenas de “uma ética global de solidariedade e cooperação”.

Desconfiança e medo

“A desconfiança e o medo aumentam a fragilidade das relações e o risco de violência, num círculo vicioso que nunca poderá conduzir a uma relação de paz. Neste sentido, também a dissuasão nuclear não pode criar uma segurança ilusória”. Que caminho seguir então, quebrando a dinâmica da desconfiança? O Papa afirma na sua Mensagem: “Devemos buscar uma verdadeira fraternidade, controlada pela comum origem de Deus e exercida no diálogo e na confiança mútua. O desejo de paz está profundamente inscrito no coração do homem e não devemos resignar-nos a nada menos que isso”.

Francisco usa a imagem de um edifício a ser construído para definir a paz, um caminho a ser percorrido juntos para buscar o bem comum, mantendo a palavra dada e respeitando a lei. “O mundo – explica o Papa – não precisa de palavras vazias, mas de testemunhas convictas, de pacificadores abertos ao diálogo sem exclusões nem manipulações”. O caminho a seguir é o confronto, o compromisso de buscar a verdade para além das diferentes ideologias, o aumento da estima pelo outro, “até reconhecer no inimigo o rosto de um irmão”. Um trabalho paciente que abre a esperança, “mais forte que a vingança” e que pode “despertar nas pessoas a capacidade de compaixão e solidariedade criativa”. A Igreja, portanto, em memória de Cristo, participa na busca de uma ordem justa, servindo o bem comum.

Artesãos de paz

O caminho para a reconciliação – sublinha Francisco no último capítulo da Mensagem – requer paciência e confiança. A paz não se alcança se não se espera. É necessário acreditar, inspirado no amor de Deus por cada um de nós, “amor libertador, ilimitado, gratuito, incansável”. O convite do Papa é ir além dos medos, fonte de conflitos, fazendo crescer a cultura do encontro, “possibilidade e dom do amor generoso de Deus”, para viver a fraternidade universal. Um caminho sustentado, nos fiéis, pelo sacramento da Reconciliação, caminho de cura contra a violência dos pensamentos, palavras e obras para com o próximo e a criação. No perdão recebido, nos colocamos a caminho para oferecê-lo aos outros, dia após dia, tornando-nos cada vez mais “artesãos de justiça e paz”.

2 Comentários »

2 Comentários »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Assembleia Regional da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude CNBB NE1

Confira os novos cursos da Faculdade Católica de Fortaleza

Comissão do Pilar do Pão oferece formação sobre o canto no tempo litúrgico

Domingo da Palavra: uma semente que deve ser levada ao mundo

Irmã Margarida Maria Sales: 2 anos de saudade