Homilia da Ascensão do Senhor (05.06.11) - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Homilia da Ascensão do Senhor (05.06.11)

“Cremos na Ascensão de Jesus!”

E subiu ao Céu
Nossa fé ensina que Jesus subiu aos Céus: “Creio em Deus Pai… e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria; padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado. Desceu à mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus; está sentado à direita de Deus Pai todo poderoso, donde há de viver julgar os vivos e os mortos”. Acreditamos na Ascensão com a mesma intensidade de fé que temos em todos os mistérios de Cristo. A Ascensão é importante para a nossa fé e nos indica como vivê-la. Ela não é um momento de Sua Vida, mas uma presença permanente em nossa vida pessoal e na Igreja. Quando diz que Ele voltará, tem-se a impressão de tempo vazio, sem atividade e relacionamento conosco. Contudo diz: “Estarei convosco todos os dias até a consumação dos tempos” (Mt 28,20). Junto do Pai, Ele continua sua missão de Sacerdote no louvor eterno, na ação de graças e na intercessão. Estamos unidos a Ele nesta missão. Nossa humanidade está unida à divindade em sua glorificação. “Ele está acima de tudo, como cabeça da Igreja, que é seu Corpo, a Plenitude daquele que plenifica tudo em todos (Ef 1,23). Ele exerce uma contínua força de atração, pois “tendo-nos precedido na glória como nossa Cabeça, para aí nos chama como membros do seu Corpo”(oração). Jesus é glorificado coberto pela nuvem da Divina Presença. A humilhação da encarnação O ocultara sob a forma de servo sofredor (Fl 2,6-11). A missão que é confiada à Igreja e a cada um é ser suas testemunhas, fazendo discípulos seus todos os povos pela instrução e pelo batismo (Mt 28,19-20).

Olhando para o alto
A atitude dos discípulos de olhar para o alto, para onde foi Jesus, não é um olhar perdido. Significa que a vida continua aqui como missão, como dizem os Anjos. Ensina que o mistério de Cristo é um todo que envolve Sua glorificação, União com o Pai e seu Domínio sobre todas as coisas. Jesus continua o mesmo, mas em outra dimensão. Cristo mas Ressuscitado envia o Espírito. Ele dissera: “Se Eu não for, não virá a vós o Consolador” (Jo,16,7). Meditando os textos litúrgicos, que iluminam o mistério celebrado, vemos que a Ascensão acende em nos a esperança. Ele nos atrai a Si, como Cabeça do Corpo e nos faz viver em seu Reino. Unidos a Ele, participamos de sua Glória. O Espírito que Cristo nos concede, ilumina-nos para conhecermos nossa realidade cristã e torná-la fe e atuante no mundo. Jesus, em sua Ascensão, põe em ação sua missão guiada pelo Espírito.

A Esperança do discípulo
Esta festa nos faz descobrir a esperança que seu chamado nos dá, a riqueza da herança, a grandeza de seu poder por nós (Ef 1,18-19). Ele não se afastou de nossa humildade, mas dá-nos a certeza de que nos conduzirá à glória da imortalidade. A celebração da Ascensão é um convite a reconduzir este mistério à grandeza de seu lugar como coroamento de toda obra da Redenção. Do contrário não podemos dar por realizada a missão de Cristo. Na liturgia estamos unidos a Cristo Sumo Sacerdote, pois ela é o exercício da função sacerdotal de Cristo para santificação dos homens; nela, o Corpo Místico de Jesus Cristo, presta a Deus o culto público integral. Na celebração eucarística vivemos esta vida do Alto, sem tirar os pés do chão. Ele se faz presente na celebração.

Leituras: Atos 1,1-11; Salmo 46; Efésios 1,17-23; Mateus 28,16-20

1. Cremos na Ascensão como cremos nos outros mistérios de Jesus. Ela é vida para a Igreja. Junto do Pai continua sua missão de Sumo Sacerdote. Estamos unidos a Ele nesta missão. Ele nos atrai a Si, chamando-nos como membros de seu Corpo. A Igreja é testemunha fazendo seus discípulos todos os povos pela instrução e pelo batismo.

2. Olhar para o alto não é um olhar perdido. Significa que a missão continua aqui. Somos envolvidos pelo Mistério de Cristo que envolve tudo como um todo. Meditando os textos da liturgia acende em nós a esperança. O Espírito ilumina-nos para que conheçamos nossa realidade cristã e a tornemos fecunda e atuante no mundo.

3. A festa nos chama a descobrir a esperança de nosso chamado, a riqueza da herança e a grandeza de seu poder por nós. O Mistério de Cristo é uma riqueza a ser acolhida e vivida. Na Eucaristia vivemos a vida do alto, sem tirar os pés do chão.

Mudando para o andar de cima
Jesus, terminando sua missão, dá as últimas instruções aos discípulos ensinando sobre o Reino de Deus. Diz que receberão o Espírito Santo para serem testemunhas até os confins do mundo. E assim, subiu ao céu.

O Senhor, ao se encarnar, assumiu nossa humanidade. Ao ressuscitar, deu a ressurreição a nossa carne. Ao entrar na glória do Céu, levou-nos consigo. A humanidade foi glorificada com Ele na casa do Pai. Estamos seguros no Céu com Jesus. Resta agora fazermos nossa parte, deixando que sua Divindade se estabeleça sempre mais em nós.

A missa da Ascensão é o momento de contemplarmos a permanente presença de Cristo como Senhor. Somos chamados a perceber sempre mais o que significa estar já no céu e ainda na terra.

Temos uma riqueza imensa que não percebemos. Paulo ensina: “Que Ele abra vosso coração a sua luz para que saibais que esperança que Deus nos dá, a riqueza que temos junto dos santos e o poder que Deus tem para conosco. Não é pouco. A inteligência espiritual nos ensine a compreender todas estas belezas. Já estamos no andar de cima. Mais bonito: no Céu com Jesus.

Embora estejamos em nossa vida terrena, é possível viver plenamente a realidade celeste com Jesus e por Jesus, aprendendo na inteligência do Espírito Santo Paráclito.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Nádia disse:

    obrigado pelas belas palavras. Como ministro da palavra saio bastante esclarecida; me ajuda muito essas reflexões que sempre busco ,obrigado. Nádia , de Campinas,sp.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Se aproxima a 14ª Festa da Vida, momento de celebração e defesa da criação

Paróquia Santa Luzia, no Meireles festeja trezena em honra a Santa Luzia

Presidente da CNBB convida católicos a participarem da “Campanha para a Evangelização 2022”

Primeira Pregação do Advento 2022 com Fr. Raniero Cantalamessa

Fortaleza faz campanha para o Santuário de São Francisco das Chagas de Canindé