Em coletiva no Vaticano, Dom Jaime Spengler destaca problema das drogas no Brasil | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Em coletiva no Vaticano, Dom Jaime Spengler destaca problema das drogas no Brasil

Na coletiva de imprensa, ao final dos trabalhos sobre a segunda parte do Instrumentum Laboris da XV Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, pronunciaram-se, entre outros, o arcebispo de Porto Alegre, Dom Jaime Spengler, que destacou o trabalho extraordinário da Igreja ao tentar ajudar os jovens a saírem do túnel das drogas.

Amedeo Lomonaco – Cidade do Vaticano

Coletiva com jornalista nas Sala de Imprensa da Santa Sé

“Como Igreja estamos acostumados a uma linguagem tradicional”, mas hoje “é preciso encontrar uma outra linguagem que seja compreensível para os jovens”. Foi o que defendeu o cardeal Louis Raphael I Sako, patriarca de Babilônia dos Caldeus e líder do Sínodo da Igreja Caldeia, ao falar na coletiva de imprensa na Sala de Imprensa da Santa Sé.

O Sínodo é uma escola

O Sínodo – observou o cardeal Sako – é uma escola onde aprendemos muito e os Círculos Menores são, em particular, uma extraordinária experiência de diálogo que “ajudará a mudar a pastoral.”

“O Sínodo – explicou ainda – não é um parlamento político”. “É importante o que trazemos aos nossos jovens”, ouvindo suas esperanças e medos. “A Igreja – declarou ele – saiu do palácio, está muito mais próxima e solidária com o mundo”.

Ajude os cristãos a permanecer no Oriente Médio

Referindo-se à guerra na Síria, o patriarca de Babilônia dos Caldeus enfatizou que “é preciso encorajar os cristãos a permanecer no lugar, ajudá-los a ter um emprego e a reparar suas casas”. O governo americano, acrescentou, até agora fez promessas, anúncios.

Como exemplo de progresso no diálogo entre cristãos e muçulmanos, o cardeal Sako também recordou que nos últimos anos “nas mesquitas, na sexta-feira, havia um discurso contra os cristãos e judeus”. “Agora é uma coisa rara”.

O Sínodo é um manual para a vida

O cardeal Peter Turkson, prefeito da Congregação para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, ressaltou que cada criança tem necessidade de “um manual para a vida”, para que possa encontrar o seu próprio lugar na sociedade. “O Sínodo – disse o purpurado ganês – faz parte de um trabalho que pode ajudar os jovens a colocar juntos o seu manual para a vida”. “Nós – acrescentou ele – pedimos aos jovens que escutem”.

O flagelo das drogas

Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, recordou que há uma chaga que aflige muitos jovens na América do Sul: é o drama das drogas. No Brasil – disse ele – “existem setores e forças políticas que querem a liberalização de certos tipos de drogas. E a sociedade não se compromete em acompanhar essas pessoas. São resíduos, os crucificados de hoje que a sociedade tem dificuldade em olhar”.

A Igreja na América do Sul está comprometida, nesta área, em um trabalho extraordinário e está tentando ajudar os jovens a saírem do túnel de drogas. Mas “há tantas famílias vivendo essa realidade difícil”.

Protagonistas, não espectadores

Irmã María Luisa Berzosa González, diretora de “Fe y Alegria”, na Espanha, disse que esta é a sua primeira experiência no Sínodo: “Eu me senti envolvida, porque eu quero defender a Igreja de dentro e não ser uma espectadora.”  “Que a Igreja – acrescentou ela – esteja mais presente como o povo de Deus, não somente como uma hierarquia.”

Irmã María Luisa Berzosa González também espera que nas próximas assembleias sinodais possa participar um número maior de mulheres. “Estou feliz – disse ao concluir – que os abusos apareçam, temos que nos purificar. Mas isso também me faz sofrer: mesmo em minha Congregação tem havido momentos difíceis”.

Elaboração do documento final

Paolo Ruffini, prefeito do Dicastério para a Comunicação, recordou os temas que marcaram o dia de hoje. Foi dado um grande espaço ao fenômeno das migrações e entre as propostas surgidas estava a de “criar uma rede de paróquias em todo o mundo”. “As paróquias não são mais suficientes para os jovens, que estão acostumados à conectividade sem fronteiras”.

Paolo Ruffini também recordou que “está se reunindo a Comissão para a redação do documento final”. Haverá uma redação provisória do documento  – antecipou –  que será então discutida na Sala, onde “mudanças poderão ser propostas, sugestões”. O documento final “será lido integralmente no último dia do Sínodo e depois votado ponto por ponto”.

Ouça e compartilhe!

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

A gratidão é a memória do coração

Plano de retorno da Cúria Metropolitana e protocolo para as paróquias

Formação da Pastoral do Menor: Espiritualidade que nasce do Exílio

Pedro e Paulo: alegria da Igreja!

“Pedro e Paulo são um exemplo, uma norma de vida para todos nós”, afirma dom Orani