Ceará sem fome é o gesto concreto da Campanha da Fraternidade 2023 - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Ceará sem fome é o gesto concreto da Campanha da Fraternidade 2023

“Entre eles ninguém passava necessidade porque dividiam tudo em comum” Atos dos Apóstolos 4, 32-35.

Em 1962, na arquidiocese de Natal, nasceu a semente da Campanha da Fraternidade, no nordeste brasileiro. Em 1964 o movimento tornou-se nacional e desde então, a Igreja do Brasil promove durante a quaresma a Campanha da Fraternidade. Assim, podemos dizer que a Campanha da Fraternidade é o modo brasileiro de celebrar a Quaresma. Ou melhor, é nosso programa de evangelização quaresmal.

Para nós cristãos/as, a quaresma é um tempo marcado pelo chamado à conversão: mudança de vida, transformação (mentalidade, sentimento, atitude), volta ao Senhor, adesão ao seu Evangelho. Essa transformação é tanto pessoal, quanto coletiva, de toda a sociedade.

Para ajudar na vivência do espírito quaresmal, a Igreja nos convida a intensificar a prática da oração, do jejum e da caridade. Trataremos da Caridade, sobretudo a CARIDADE POLÍTICA, como nos alerta o Papa Francisco em sua encíclica Fratelli Tutti: “A política é a forma mais alta, maior, da caridade porque busca o Bem Comum. É a arte do encontro. O amor é político, isto é, social, para todos”.

Por vezes, numa leitura reducionista, podemos compreender a caridade como uma ação meramente assistencialista, emergencial, mas, não é! A Igreja do Brasil, retomando a doutrina social da Igreja, promove, anualmente, a Campanha da Fraternidade que trata de algum problema grave da sociedade, que exige profundas mudanças (emergenciais e estruturais) e que compromete todas as pessoas e instituições. Por isso, a campanha da Fraternidade é um gesto de caridade política, de amor ao próximo, que pode (e deve) ser assumida por todos/as nós: agentes de pastoral, sociedade civil, Igrejas, poderes públicos (executivo, legislativo, judiciário), iniciativa privada, enfim, todos e todas.

A Campanha da Fraternidade tem como objetivo permanente despertar a solidariedade no povo brasileiro em relação a um problema concreto que envolve toda a sociedade, buscando caminhos de solução. Pela terceira vez a Campanha da Fraternidade trata do problema da fome, chamando atenção para um dos pecados mais graves de nossa sociedade e convidando o conjunto da sociedade a se empenharem na superação dessa injustiça e desse crime que é um verdadeiro pecado que clama ao Céu: “Repartir o pão” (1975); “Pão para quem tem fome” (1985); “Dai-lhes vós mesmos de comer” (2023).

Neste ano, diante do retorno do Brasil ao Mapa da Fome e do quadro gravíssimo de fome que vivem nossos mais de 33 milhões de irmãos e irmãs brasileiros e brasileiras, sendo destes, 2,4 milhões de cearenses (Rede PENSSAN), a CF propõe SENSIBILIZAR a sociedade e a Igreja para enfrentarmos o flagelo da fome, por meio de compromissos que transformem essa realidade. “Eles não precisam ir embora, dai-lhes vós mesmo de comer” (Mt 14,16). Jesus nos convida a fazermos algo imediatamente, de forma coletiva, com a inclusão e corresponsabilidade de todos/as. A SOLUÇÃO É COLETIVA.

A fome não é um dado natural. Não é fruto do acaso ou do destino, ou castigo de Deus como consequência de preguiça ou comodismo pessoal. A FOME foi inventada pelos homens, como denunciava Josué de Castro e vivenciada por Carolina de Jesus, mulher, negra, catadora de material reciclável que sentiu no corpo e na alma, assim como outras milhões de mulheres, as mais atingidas, junto com as crianças. A fome é resultado das injustiças, desigualdades, da pobreza que caracterizam nossa sociedade. Daí a importância de nos voltarmos para erradicarmos as causas da fome.

Em face da realidade cearense, a Igreja Católica colabora no enfrentamento à fome desde sua instituição, sobretudo, através do trabalho das Pastorais Sociais e Organismos junto com os/as excluídos/as. Somos mais de 13 mil cearenses, agentes de pastorais que ao ouvirmos o clamor do nosso povo, nos fazemos presentes nos 184 municípios. Destacamos algumas ações de enfrentamento à fome, realizadas por nós durante o período mais grave da Pandemia (2020-2022):

1. Desenvolvemos a Ação Emergencial “É Tempo de Cuidar”, onde conseguimos arrecadar e distribuir mais de 500 toneladas de alimentos, cerca de 60 mil alimentos prontos (refeições), 46 mil peças de roupas, calçados e mais de 43 mil kits de higiene e limpeza beneficiando diretamente mais de 21 mil comunidades carentes em nosso estado;

2. Apoiamos e implantamos cozinhas comunitárias e solidárias em todo o estado, através das paróquias, grupos e associações comunitárias. Preliminarmente, identificamos nas 09 dioceses, mais de 150 experiências de produção, doação de alimentos e/ou refeições de forma sistemática. Ressaltamos que esse número não abrange o trabalho desenvolvido pelas congregações religiosas.

3. Formações cidadãs e qualificação profissional: centenas de iniciativas de formação e qualificação profissional com o público empobrecido, nas mais diversas áreas e temáticas;

4. Incidência Política para aprovação e regulamentação de leis e programas governamentais: Lei das sementes crioulas, Lei da Economia Solidária, Programa Auxílio Catador;

5. Implementação de tecnologias sociais de acesso e reuso de águas, casas de sementes crioulas, dentre outras;

Tais ações repercutiram positivamente na vida de mais de 550 mil cearenses: crianças, adolescentes, jovens mulheres; agricultores/as familiares; catadores/as de materiais recicláveis; migrantes e refugiados; população em situação de rua; povos e comunidades tradicionais (indígenas, quilombolas, pescadores/as); pessoas das periferias urbanas; encarcerados/as e familiares de pessoas em privação de liberdade.

Destacamos também, a importância do trabalho social e político dos movimentos sociais e populares, para o enfrentamento da fome. Contamos com a parceria do Movimento Sem Terra- MST; Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – MTST; Movimento Indígena; Quilombola; de Mulheres e tantos outros que aos olhos do Papa Francisco são chamados de “poetas sociais”, por espalharem esperança e criatividade.

 Ao assumirmos a ordem de Jesus “Dai-lhes vós mesmos de comer”, façamos ecoar entre nós, sentimentos, gestos e atitudes solidárias, de forma individual, familiar, comunitária e, sobretudo, coletiva através do PACTO CEARÁ SEM FOME.

Por isso, reafirmamos nossas ações com o desejo de ampliá-las, através do Pacto e conclamamos a todos/as irmãos/ãs cearenses, gestores públicos, sociedade civil organizada a integrarem. Propomos QUATRO COMPROMISSOS para este grande Pacto:

1. “Olhem o mundo com os olhos do pobre”, como nos pede o Papa Francisco. Para isso, coloquem o POBRE NO ORÇAMENTO PÚBLICO E PRIORIZEM A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA! De forma integral, contínua, nas mais diversas áreas, não somente como “beneficiários da política de assistência social”. Essa deve ser a porta de entrada. A opção preferencial pelos pobres, assumida pela Igreja Latino-americana deve se fazer presente em vossos gestos, atitudes e políticas;

2. Inspirados nos princípios de solidariedade, fraternidade e autonomia, priorizemos a ECONOMIA SOLIDÁRIA, DO CUIDADO, pois o atual sistema mata e exclui. O caminho à nova economia passa essencialmente pelos pequenos. Ela deve estar a serviço da vida (CF 2010). É necessário garantir apoio, fomento, crédito e fortalecer a articulação entre os inúmeros empreendimentos econômicos solidários e redes de produção solidária espalhadas no Ceará.

3. INCENTIVAR A PERMANÊNCIA NO CAMPO E FORTALECER A AGRICULTURA FAMILIAR: com apoio, fomento e assessoramento técnico para os/as agricultores/as familiares; aquisição simplificada dos produtos da agricultura familiar através das compras governamentais; retomada da implementação das tecnologias sociais de acesso à água e reuso.

4. INVESTIR NAS PERIFERIAS DAS CIDADES. (Re)conhecer suas lutas, resistências e criatividade. Que cheguem TODAS as forças políticas e as políticas públicas nas periferias. Não somente a de segurança pública, mas em especial de infraestrutura, habitação, educação, saúde, trabalho e renda, esporte e lazer.

Certamente, nenhuma pessoa ou comunidade pode resolver o problema da fome de forma isolada, mas através deste PACTO acreditamos ser possível, como nos deseja Papa Francisco em sua mensagem enviada sobre a Campanha da Fraternidade 2023: “desejo igualmente que esta conscientização pessoal ressoe em nossas estruturas paroquiais e diocesanas, mas também encontre eco nos órgãos do governo a nível federal, estadual e municipal, bem como nas demais entidades da sociedade civil, a fim de que, trabalhando todos em conjunto, possam definitivamente extirpar das terras brasileiras o flagelo da fome”.

Por fim, convidamos a todos/as a participarem da Coleta Nacional da Solidariedade, realizada dia 02 de abril, Domingo de Ramos. Todo o recurso financeiro arrecadado será destinado a ações de combate à fome em todo o Brasil.

Nossos agradecimentos a todos que aceitaram e aos que aceitarão o convite de Jesus Cristo. E, pedimos bênçãos a São José, padroeiro do Ceará para esta missão.

Patrícia Amorim
Coordenadora da Equipe de Campanha do Regional NE1

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Padre Josileudo Queiroz lança obras sobre Itinerário Catequético

Cerca de 2 mil pessoas participaram do Simpósio Nacional das Famílias, em Aparecida (SP)

Francisco a crianças da África: com o mundo em perigo, sejam embaixadores da paz

Amigo até aos extremos 

Museus Vaticanos com duas novas salas: especiarias e cerâmica antiga