Batismo do Senhor | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Batismo do Senhor

padre brendan
padre brendan

“Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo” (Lc 3, 16).

No domingo, dia 12 de janeiro de 2020, depois da Solenidade da Epifania, celebramos a Festa do Batismo de Jesus, que conclui o tempo litúrgico do Natal. O batismo de Jesus por João Batista no Rio Jordão é tão importante teologicamente que é tratado por cada um dos Sinóticos. Neste evento Jesus mostra-se solidária a toda humanidade que peregrina necessitada do amor misericordioso de Deus. Antes da chegada de Jesus, João já o anunciava: “Depois de mim, vai chegar um mais forte do que eu. E eu não sou digno sequer de me abaixar para desamarrar as suas sandálias”. Era uma atitude própria dos servos que São João não se julga digno de prestar a Jesus. Podemos então imaginar a surpresa de João ao ver seu primo Jesus, um homem de aproximadamente 30 anos naquele tempo, descer das águas para receber o batismo. O Batista batizava com água, mas o Messias batizará com o Espírito Santo.

Continuando, o evangelho nos narra outra epifania, outra manifestação de Deus Trindade. O batismo do Senhor é realmente uma teofania, uma manifestação clara de Deus Trindade. “Logo que Jesus saiu da água, viu o céu se rasgando, e o Espírito, como pomba, desceu sobre Ele. E do céu veio uma voz: “Tu és meu Filho amado, em ti encontro meu agrado”. Com esta confirmação amorosa do pai, Jesus inicia uma nova etapa de sua vida: a missionária. O batismo de Jesus no rio Jordão nos revela a identidade de Jesus, filho de Maria: Ele é o Filho de Deus, o Messias, esperado para “anunciar a Boa Notícia aos pobres, enviado para proclamar a libertação dos presos, e dos cegos a recuperação da vista, para libertar os oprimidos e para proclamar um ano de graça do Senhor” (Lc 4, 18-19).

Nesta festa, somos convidados a celebrar e renovar nosso batismo, no qual cada um de nós recebeu a identidade de filhos/as adotivos/as de Deus e por isso também uma obrigação de serem missionários/as. Sim, o batismo nos gera como filhos/as e nos consagra na mesma missão de nosso irmão maior Jesus Cristo. Também nós somos ungidos pelo Espírito Santo para que todos nós tenhamos vida, e vida em abundância, como afirma a Conferência de Aparecida. Mas para isso precisamos como Jesus “descer o rio Jordão” e tomar contato com as necessidades de nosso povo, solidarizando com seu sofrimento e escutando seus clamores para libertação.

O batismo de Jesus, na humildade do rio Jordão e na solenidade da teofania que se segue, torna-se o prelúdio de todo batismo cristão. Incorporando-nos a Cristo e tornando-nos realmente filhos de Deus, o batismo acarreta-nos compromissos sérios no que se refere à educação da fé ou catequese. O batismo é muito mais que um rito de iniciação. É uma experiência que nos faz semelhante a Jesus e que nos revela o sentido da vida, a vocação à qual fomos chamados. Desta maneira quando quebramos nosso individualismo, e estivermos no meio do povo, sensíveis à realidade dos outros, dirijamos nosso olhar a Jesus, e peçamos seu Espírito para abrirmos novos caminhos de paz, justiça e fraternidade, então escutaremos a voz de Deus, como no batismo de Jesus dizendo: “Tu es meu filho muito amado, em quem encontro meu agrado”.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald,
Redentorista

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Editorial – dezembro 2020: Advento – vinda do Senhor

Decretos e Provisões – novembro 2020

A canonização de Charles de Foucauld