A Arquidiocese de Fortaleza e a pandemia do Coronavírus | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

A Arquidiocese de Fortaleza e a pandemia do Coronavírus

6 Comentários »

6 Comentários »

  • ANA MARIA MARTINS, P. R. diz:

    O cuidado da Igreja se estende para além da vida, a vida eterna..salvar almas. A igreja se submeteu ao século, não está vivendo segundo a fé, não está cumprindo o seu papel..No passado qdo uma praga atingia uma cidade- foram grandes pragas- cólera, peste negra,.. haviam procissões, vigília e muitas orações.. E quantas vezes a Vitória sobre a doença nos foi dada .. Há o relato de São Miguel então bando uma espada..Muitas pragas já assolaram a nossa igreja e a igreja nunca se curvou, sempre viveu pela fé e em busca de salvar almas…Como ficam os pacientes em leito de hospitais, os agonizantes, o mundo- sem os sacramentos .?! E agora, que foram liberados pelo governador.. Tudo está voltando a caminhar levando em conta os cuidados que se deve ter…Anti-aglomeração, uso de máscaras, álcool.. As clínicas, os hospitais, cabelereiros estão funcionando.. Os médicos estão na linha de frente e não se recusaram a cuidar de vidas mesmo pondo em risco as suas, lidando diretamente com pacientes contaminados.. função deles e de mais ninguém Olhem como estão funcionando as instituições- cabeleireiros, mercantis, oficinas,..- só não retornou quem foi impedido.. ..
    A igreja não está fazendo o que Cristo faria… Os doentes, agonizantes do Convid19 tiveram direitos a receber os sacramentos..? Não puderam ser enterrados dignamente.. Pq só médicos na linha de frente e correndo risco? Foi desta ado algum sacerdote para cuidar da alma destes doentes? Ou só esta vida é importante? … É este o recado que está sendo dado aos católicos.. E pq não havendo celebração , não há confissão, batismo.. .? O que impede..? Pq não se organizam.. As clínicas, cabeleireiros, .. outras instituições marcam as consultas e demarcam o lugar onde cada um deve se sentar. O uso do termômetro de testa para determinar se está febril foi incorporado aos consultórios e algumas instituições.. Há tapetes na entrada para limpar os pés impregnados de hipoclorito de sódio, usam mascaras e se delimita o número de pessoas dentro… para evitar aglomeração..demarcados em vermelho.. Vendo como se permite o acesso de pessoas sob orientação..e, limitando o número em cada celebração..E já que há um limite as pessoas seriam limitadas na frequência, inicialmente deixando livre a outros..As soluções caminham com a implementação das regras.. Se vai melhorando..

  • José Queiroz diz:

    Obedeço, mas não apoio a manutenção do fechamento dos Templos. Acredito que os serviços podem ser reiniciados de forma cautelosa sem prejuízos.

  • Adriana Rodrigues Façanha Barreto Queiroz diz:

    Gostaria de deixar meu comentário respeitoso. Sou igreja e sinto muita saudade da Eucaristia. Estamos com shoppings abertos, viagens intermunicipais permitidas em boa parte do Estado do Ceará, comércio de rua também aberto. Quero clamar pela reabertura dos templos, pelo menos para que adoramos Jesus Sacramentado, ou sejamos ouvidos em confissão, obedecendo todos os critérios e cuidados para evitar a disseminação de doenças. Senhor Bispo, reabra os templos. Que Deus nos abençoe.

  • JAN CABRAL diz:

    Ao invés de aumentar o número de missas pra diminuir o número de fiéis, são suspensas as missas. Com a desculpa de proteção à saúde dos fiéis/padres, milhares de pessoas são privadas dos sacramentos. Infelizmente não condiz com a Igreja de dois mil anos, corajosa e destemida. Andar de avião confinado em um ambiente fechado de máscara pode! Agora, ir à missa não? O que está acontecendo? Essa é só a primeira das epidemias, e já fomos vencidos.. nos preparemos para as próximas e pelo visto nossa mãe Igreja terá medo de nos receber novamente. Que Nossa Senhora e Nosso Senhor Jesus nos mantenham unidos pela oração do Santo Terço em nossas casas.. Igual Ela fez no Japão por 200 anos. “ Não tenhais medo! “ “ Eu sou o caminho a verdade e a VIDA “. Vou pegar o avião para poder comungar em outro estado.

  • Ana Má Martins diz:

    Deveríamos voltar, sim. Claro que com todas as medidas preventivas. Escolher sacerdotes novos para não expor os mais idosos… Fazer como as Clínicas, Cabelereiros,… Uso de máscaras, álcool gel, tapetes, lugares determinados para sentar.. Termômetro de testa…
    Deveriam ver como.. Qdo liberar a igreja, ela ir moldando o funcionamento, resolvendo os diversos problemas..

  • Gabriela Farias diz:

    A Igreja é sinal de amor nesses tempos, ao contrário de tantas pessoas públicas. Age com inteligência e prudência, como pede o Senhor. Assim, evita que tantos fiéis, especialmente os idosos, tão presentes nas nossas missas, sejam afetados pela doença. Isso não é falta de fé, é usar o conhecimento ao nosso favor. Na época de Jesus, havia a lepra, sabia-se que ela poderia ser curada pela fé, mas não se deixava as pessoas com lepra conviverem com os outros. Não se sabe quem tem o coronavirus. Não devemos submeter o outro ao sofrimento e à morte para nosso bem. Também sinto falta da missa, da eucaristia, mas agradeço imensamente o Amor de Deus manifesto no fechamento dos templos. Obrigada, querido Arcebispo, obrigada Igreja Católica.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Padre Geovane: 32 anos de vida sacerdotal

“Maria, Comunicadora da Vida” é o tema da Festa da Padroeira 2020 da Paróquia da Glória

Carta Circular 007/2020: Solenidade da Assunção de Nossa Senhora – Caminhada com Maria 2020

A Pastoral da Criança completará 35 anos no Ceará com programação especial remota

O Papa convida a rezar pelo Líbano neste momento trágico e doloroso