Atualidades

Quaresma 2019

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

O tempo da Quaresma começou na Quarta-Feira de Cinzas, dia 6 de março, e vai até o dia 18 de abril na celebração da última ceia de Jesus Cristo com os doze apóstolos na Quinta Feira Santa. Quaresma, palavra que vem do latim quadragésima, é o período de quarenta dias que antecede a maior festa do cristianismo: a ressurreição de Jesus Cristo, comemorada no Domingo da Páscoa.  O período é reservado para a reflexão e a conversão espiritual. Católicos são convidados a fazerem uma comparação entre suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Ao longo deste tempo, sobretudo na liturgia dos domingos, somos convidados a fazer um esforço para recuperar nosso estilo de vida para viver realmente como filhos de Deus.

A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência.  A Igreja Católica nos convida a viver a Quaresma como um caminho a Jesus Cristo, lendo a Palavra de Deus, orando e praticando boas obras. Convida-nos a viver uma série de atitudes cristãs que nos ajudam a parecer mais com Jesus Cristo, já que por ação do pecado, nos afastamos mais de Deus. Em termos práticos, a Quaresma é o tempo de perdão e de reconciliação fraterna. É tempo de retirar de nossos corações todo ódio, rancor, inveja e tudo o que se opõe ao nosso amor a Deus e aos irmãos.A duração da Quaresma é baseada no símbolo do número quarenta na Bíblia. É um número de expectativa, de preparação e de prova. Na Bíblia caracteriza as intervenções sucessivas de Deus: Davi, como Saul, reina 40 anos; o dilúvio durou 40 dias; Moisés serviu Deus durante 40 anos; os judeus permaneceram junto ao Sinai 40 dias; Jesus passou 40 dias no deserto e apareceu ressuscitado durante 40 dias. Na Bíblia o número quarenta simboliza o universo material. Cerca de duzentos anos após a morte de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d.C, a Igreja Católica aumentou o tempo de preparação para quarenta dias. Assim surgiu a Quaresma.

A Igreja Católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na Quarta-feira de Cinzas, três grandes linhas de ação para os católicos seguir: a oração, a penitência e a caridade. É importante também lembrar que o jejum é obrigatório para os católicos entre 18 e 60 anos na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa. Ao longo do período da Quaresma há também o costume de dar esmolas aos mais necessitados. Finalmente, a Quaresma é o tempo privilegiado para intensificar o caminho da própria conversão. A liturgia da Quaresma insiste: o pecado não é irreparável. Para os que crêem, existe volta, conversão, perdão e salvação. Jesus não veio para condenar, mas para salvar. “Eu vim para que os homens tenham a vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).

A CNBB promove a Campanha da Fraternidade, desde o ano de 1964, como itinerário evangelizador para viver intensamente o tempo da quaresma. A Igreja propõe como tema da Campanha da Fraternidade deste ano de 2019: “Fraternidade e Políticas Públicas” e como lema: “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1, 27). A Campanha tem como Objetivo Geral: “Estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja, para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade” (cf. Texto Base da CF de 2019, p.8). O referido texto também explica em que consiste Políticas Públicas “são as ações discutidas, aprovadas e programadas para que todos os cidadãos possam ter vida digna. São soluções específicas para necessidades e problemas da sociedade. É a ação do Estado que busca garantir a segurança, a ordem, o bem-estar, a dignidade, por meio de ações baseadas no direito e na justiça” (cf. doc. cit. P.8). A Constituição de 1988  lembrando que “todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos, possibilitou a participação direta da sociedade na elaboração e implementação de Políticas Públicas através dos conselhos deliberativos, que foram propostos por leis complementares em quatro áreas: Criança e Adolescente; Saúde; Assistência Social; e Educação.

É oportuno recordar o forte apelo ou “chamado à ação” que o papa São Paulo VI fez na Carta Apostólica “Octogésima Adveniens” no dia 4 de maio, 1971: “É a todos os cristãos que nós dirigimos de novo ainda e de uma maneira insistente, um apelo à ação. (…) Pertence aos leigos, pelas suas livres iniciativas e sem esperar passivamente ordens e diretrizes, imbuir de espírito cristão a mentalidade e os costumes, as leis e as estruturas da sua comunidade de vida. Seria bom que cada um procurasse examinar-se, para ver o que é que já fez até agora e aquilo que deveria fazer. Não basta recordar os princípios, afirmar as intenções, fazer notar as injustiças gritantes e proferir denúncias proféticas; estas palavras ficarão sem efeito real, se elas não forem  acompanhadas, para cada um em particular, de uma tomada de consciência mais viva da sua própria responsabilidade e de uma ação efetiva”. (cf. op.cit. No. 48).

Brendan Coleman Mc Donald,
Assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

O significado de cada dia da Semana Santa

Avaliação da Campanha da Fraternidade 2019

Fortaleza terá mega espetáculo gratuito da Paixão de Cristo

pastoral dos presbíteros

Carta da Comissão de Sustentação dos Presbíteros: “Compartilhar, é preciso”

Fortaleza Desposada do Sol


Arquidiocese de Fortaleza
QR Code Business Card