Documento de Trabalho do Sínodo da Amazônia | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Documento de Trabalho do Sínodo da Amazônia

Brendan Coleman Mc Donald
Brendan Coleman Mc Donald

O mundo amazônico pede à Igreja que seja sua aliada: esta é a alma do Documento  de Trabalho (Instrumentum Laboris) publicado no dia 17 de junho, próximo passado, pela Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos e apresentado à imprensa. O Documento é fruto de um processo de escuta que teve início com a visita do Papa Francisco a Puerto Maldonado no Peru em janeiro de 2018, prosseguiu com a consulta ao Povo de Deus em toda a região Amazônica por todo o ano e se concluiu com a II Reunião do Conselho Pré- Sinodal, em maio passado. O Sínodo Especial da Amazônia será realizado em Roma de 6 a 27 de outubro de 2019.

A primeira parte do documento, “A voz da Amazônia”, apresenta a realidade desse vasto território e de seus povos.  “Começa pela vida e sua relação com a água e os grandes rios, que fluem como veias da flora e fauna do território, como manancial de seus povos, de suas culturas e de suas expressões espirituais, alimentando a natureza, a vida e as culturas das comunidades indígenas, camponesas, afrodescendentes, ribeirinhas e urbanas”. Segundo as comunidades participantes desta escuta sinodal, a ameaça à vida deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade atual de maneira especial de empresas extrativistas.

Na segunda parte, o Documento “examina e oferece sugestões às questões relativas à ecologia integral. Hoje a Amazônia constitui uma formosura ferida e deformada, um lugar de dor e violência, como  indicam de maneira eloquente os relatórios das Igrejas locais recebidos pela Secretaria Geral do Sínodo. Reinam a violência, o caos e a corrupção”. “O território se transformou em um espaço de desencontros e de extermínio de povos, culturas e gerações”.

Na terceira parte do “ Instrumentum Laboris”, reflete-se sobre os desafios e esperanças da região e incentiva a Igreja a ter um papel “profético na Amazônia”, apresentando “ a problemática eclesiológica e pastoral” da região. É interessante ouvir as opiniões de alguns bispos que integram o Conselho Permanente no Brasil. Dom Scherer de São Paulo: “O documento não é documento conclusivo, o que só é publicado como documento oficial após a Assembleia e ser transformado numa Exortação Apostólica do Papa Francisco”. Dom Mário Antônio, Vice-Presidente da CNBB e Bispo de Roraima destacou “a beleza do processo de escutas sinodais realizada em toda a região Amazônica que integra um conjunto de nove países”. Dom Caniso Klaus, presidente do regional Oeste 2 disse: “Eu mesmo me sentei com eles, os indígenas, as comunidades, eu participei. O Documento são palavras deles, não nossas”, frisou. Para ele, é preciso, a partir de agora, compromisso com o que veio das escutas. O  Papa nos pediu para escutar e sermos fiéis à essas escutas”, destacou. O Cardeal Claudio Hummes, Arcebispo emérito de São Paulo reconhece que há resistência ao Sínodo da Amazônia “dentro e fora da Igreja”, e disse: “A Igreja não quer promover na Amazônia uma nova nação”.

O Documento quer ver uma Igreja profética na Amazônia enfrentando os desafios e esperanças. Ele fala da falta de sacerdotes e as dificuldades que as comunidades têm de celebrar com frequência a Eucaristia. Por isso, pede-se que, em vez de deixar as comunidades sem a Eucaristia, se alterem os critérios para selecionar os ministros autorizados para celebrá-la. Afirmando que “o celibato é uma dádiva para a Igreja”, pede-se que, para as áreas mais remotas da região, se estude a possibilidade da ordenação sacerdotal de pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade, mesmo que já tenham uma família constituída e estável, com a finalidade de assegurar os Sacramentos que acompanhem e sustentem a vida cristã.  

É pedido que se identificasse o tipo de ministério oficial que pode ser conferido à mulher, tendo em consideração o papel central que hoje ela desempenha na Igreja amazônica. Propõe-se também que às mulheres seja garantida sua liderança na área de formação: teologia, catequese, liturgia e escolas de fé e de política. Finalmente propõe-se promover uma vida consagrada alternativa e profética, Intercongregacional e interinstitucional.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald
Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festa dos Arcanjos receberá 12 mil pessoas no Ginásio Paulo Sarasate

DNJ 2019 retoma temática da Campanha da Fraternidade sobre Políticas Públicas

Festa de São Francisco na Comunidade do Planalto Itaperi

Em reunião com o Papa, presidência do Celam fala sobre novas perspectivas da entidade

Amor irrestrito e solidário


QR Code Business Card