Valor perene da vida | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Valor perene da vida

Padre Geovane Saraiva*

Deus quer a riqueza de sua ação misericordiosa e cheia de graça no mundo, sendo os sacerdotes seus instrumentos, no exercício do ministério – dom e graça -, que, segundo sua vontade, seja o mais fecundo e mais pleno das graças do nosso bom Deus. Que sua consciência seja sempre maior, a partir do ministério da Igreja, em primeiro lugar para si, mas também para a comunidade dos batizados, na clareza do absoluto de Deus, no sacrifício eucarístico, como renovação do sacrifício da santa e sagrada cruz, além de alimento, indicador da vida na sua mais elevada plenitude: a vida eterna, a gloriosa ressurreição.

O sacerdote, além das práticas do amor fraterno, que tenha uma caridade sem precedentes, exercida em alto e bom tom na comunidade dos batizados, como na afirmação de Jesus de Nazaré, sumo e eterno sacerdote: “Não vim para ser servido, mas para servir e dar a vida como resgate por muitos”. Como servidor, ele deve se sentir no dever de se adiantar por tais práticas de virtudes, com a mente e o coração voltados para o povo de Deus, na sua coerente intimidade com Deus, Nosso Senhor. Evidentemente, deve ser obediente à voz da Igreja, na correta e piedosa administração dos sacramentos, também na prática da justiça e mesmo no exercício dos seus próprios sacrifícios, quando se perceber vezes e mais vezes sendo sacerdote, nem sempre o primeiro a se sacrificar, como no binômio: renúncia e doação.

Embora sendo muitas nossas limitações no exercício dos 31 anos de ministério sacerdotal a serviço da Igreja aqui na Arquidiocese de Fortaleza (14/8/2019), sempre procuramos, de bom grado, visitar os enfermos e os idosos, levando-lhes, com nossa humilde presença, o sacramento da unção dos enfermos. Pensemos, pois, no valor indizível de tal sacramento, aos olhos da fé, e nas expressões sábias do arcebispo que nos ordenou sacerdote, o Cardeal Aloísio Lorscheider:

“É um dos sacramentos que o sacerdote, por vezes incontáveis, administra durante sua vida sacerdotal. É, por assim dizer, esse sacramento a última manifestação do amor de Deus para com seu filho bem-amado. O sacerdote pode bem compreender em tal instante quão grande é sua responsabilidade e quão grande é a misericórdia de Deus, que não quer a morte do pecador, mas sim que ele se converta e viva. Esse sacramento, se Deus assim o dispuser, dá ao enfermo a saúde do corpo, dá sempre, se o enfermo estiver devidamente disposto, a saúde da alma. Parece que Deus tem ânsia em ver os homens junto de si no céu. Administrando esse sacramento, lembrar-se-á o sacerdote da importância do último momento da vida. Tudo passa. A eternidade se aproxima. Só a vida dedicada a Deus possui valor perene. Só tal vida dá tranquilidade e paz para essa hora única na vida. Só a vida, que se viveu para Deus, é que então traz consolo. Só a vida santa é que conforta. Por conseguinte, será a administração desse sacramento uma admoestação de que o sacerdote, o predileto do Divino Mestre mais do que qualquer outro, deve ter sempre diante dos olhos o conselho: ‘Vigiai e orai. (…) Na hora em que menos o esperardes, virá o Filho do Homem’” (Mt 25,13). Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Blogueiro, Escritor e integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Em carta aberta ao Congresso Nacional, CNBB pede fim dos vetos do presidente da República ao PL nº 1142

Não ao terraplanismo

Hoje, dia 10 de julho, Padre Francisco Ivan completa 37 anos de sacerdócio

Recordações do Papa João Paulo II em visita ao Ceará

Padres estão em retiro