Sobrado e casa grande | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Sobrado e casa grande

O convite que Deus quer da nossa parte, em época de Coronavírus, é o de colocar todo o talento potencial, sabedoria dos seres humanos, a serviço da vida. As coisas não podem parar; nada de blecaute e apagão planetário, num não à indigência, à miséria e à fome. Que todos estejamos comprometidos, num espírito franciscano, com a renovação e a restauração das estruturas, já antevendo uma sociedade mais justa e igualitária. Que também estejamos longe da especulação financeira e de tudo que busca desfigurar a imagem de Deus.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

Convém pensar no momento doloroso e crucial, pelo qual passa a humanidade; que seja providencial a solução para esta situação de calamidade. Que possamos compreender o sentido mais radical, humanitário e solidário, na busca do amanhã, levando em conta a criatividade, no amor de uns para com os outros, plantando a boa semente da esperança. Que Deus nos ajude a superar todos os empecilhos, na reconciliação de tudo n’Ele. Não estaremos sozinhos e nem será o fim.

Que seja em breve nosso sonho maior, sem existir outro, da proximidade de todas as raças, culturas e diferenças, dentro do possível, todos sentados à mesma mesa. Aprendamos, pois, a partir das janelas italianas, numa manifestação musical esperançosa, ao revelar impressões de expectativa, no indicador de que na dor é possível à humanidade, mesmo em confinamento, reclusão e isolamento, pensar, refletir e meditar. Guardemos os apelos divinos, no que assegura o apóstolo Paulo, pelo surgimento de contrariedades, tribulações, esmagamentos, impasses e mesmo, abandonados e prostrados por terra, mas jamais aniquilados (cf. 2Cor 4, 8).

Vemos moradores das casas grandes e sobrados enormemente assustados. Muitas pessoas estão abaladas pelo que vem fortemente causando o Covid-19, mas, como no exemplo acima, jamais devemos perder a esperança. Peçamos ao bom Deus para que esse mal não chegue aos mocambos, às palafitas, às senzalas e às favelas. Atentos e vigilantes, sim! Deus é grande e infinitamente maior! O bom Deus quer nos ajudar em cada instante da vida, e, de nossa parte, requer sensibilidade, a partir daquela esperança e confiança que não enganam, oriundas lá do alto. Não vamos nos esquecer do futuro, do belo e do fecundo, e também da beleza da vida, que é dom e graça.

Habitamos na Casa Comum, que é obra das mãos de Deus. Devemos protegê-la. Que, igualmente, nossa atenta flexibilidade, mesmo diante da penosa e angustiante dor de nossos semelhantes, seja munida de astúcia, sabedoria compassiva e afável misericórdia. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Blogueiro, Escritor e integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Conselho Missionário de Seminaristas realiza Semana de Oração por vítimas do coronavírus

O sol que não se põe

Que história é essa? Dom Pedro, a Independência do Brasil e a Igreja

Irmã Clemência é relembrada em novena durante semana de sua morte; saiba mais sobre a Serva de Deus

Ação Solidária dos Capuchinhos