O Papa em Assis. A fraternidade no caminho da Igreja em saída - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

O Papa em Assis. A fraternidade no caminho da Igreja em saída

A expectativa da terceira Encíclica do Papa Francisco à luz da experiência de um bispo formado com a espiritualidade franciscana e um jesuíta estudioso de teologia islâmica, na véspera da visita do Papa a Assis.

Basília de São Francisco de Assis – ANSA

Antonella Palermo – Vatican News

Pela primeira vez, um Pontífice deixará o Vaticano para assinar uma Encíclica. No sábado, 3 de outubro, Francisco irá até a cidade de Assis, o coração da espiritualidade do Santo, cujo nome escolheu quando se tornou Papa. Conversamos sobre as expectativas para este documento com o bispo auxiliar de Milão Dom Paolo Martinelli ofm, ex-reitor do Instituto Franciscano de Espiritualidade da Pontifícia Universidade Antonianum, e com o padre jesuíta Luigi Territo, estudioso de Teologia Fundamental e Teologia Islâmica na Faculdade de Teologia “Italia Meridionale”

A assinatura em Assis, sinal de uma Igreja em movimento

Para destacar o significado deste gesto o bispo Martinelli sublinha que foi o lugar onde Francisco deu origem a uma experiência de vida espiritual, cujo coração fundamental foi justamente o reconhecimento do ser irmãos uns dos outros. O Padre Territo acrescenta o valor de uma Igreja que é ativamente “em saída”, como o Papa gosta de repetir: “Ele parece dizer ao mundo que há uma prioridade mística e espiritual da experiência de fé sobre todas as formas institucionais de nossas crenças”. Assis representa tudo isso, e não apenas para os cristãos, onde existe a memória histórica de um Santo que viveu como os pequenos do Evangelho, totalmente confiada ao Pai e por isso reconhecido como um irmão de todos”.

Um Magistério impregnado de fraternidade

Recordando as encíclicas do Papa Francisco, pode-se facilmente rastrear as sementes que de alguma forma prepararam o terreno para o tema da “Fratelli tutti “. Refiro-me ao texto da Evangelii gaudium – lembra Martinelli – onde em algumas passagens fala de uma mística de convivência, de união, de encontro, de tomar um ao outro pela mão, de se apoiar um ao outro e de levar uma relação de fraternidade a todas as pessoas. Vejo uma profunda ligação, pelo menos considerando o título, com esse texto fundamental e programático de seu pontificado”. O prelado sublinha a ideia de estarmos unidos uns aos outros para o reconhecimento misterioso da presença de Deus em cada um de nós. Uma mística que sabe perceber Deus dentro das relações fraternas. Mas também em Christus Vivit, a exortação dirigida aos jovens após o Sínodo, há a valorização do estilo de abertura a todos, da atenção ao ser humano concreto de cada pessoa, da sinceridade, da coragem, da confiança mútua: os fundamentos de um poderoso sentimento de fraternidade”. E aqui a citação de Francisco de Assis é apropriada: “Quando ele escreveu seu testamento, ele escreve: ‘O Senhor me deu irmãos…”.

Uma encíclica para todos irmãos e irmãs

Padre Territo compartilha a referência ao texto da Evangelium Gaudium onde o Papa fala de uma Igreja que sabe dar o primeiro passo, que sabe tomar a iniciativa sem medo, vai em busca dos afastados, na encruzilhada dos caminhos… “Não é tanto a questão da fraternidade da reciprocidade – especifica o jesuíta – mas o conceito de uma Igreja que não espera, que se lança em direção a seus irmãos, que marca um caminho. Neste sentido, a Igreja para o Papa é precisamente o fermento da fraternidade. Vejo isso também na Amoris Laetitia, e na Laudato si’: há a ideia do acompanhamento de toda a humanidade, do amor conjugal, dos casais feridos, o acompanhamento dos excluídos, a preocupação com as feridas da Terra. Em resumo, a ideia da Igreja que cuida de toda a humanidade”.

O que é a fraternidade?

Um sentimento, um valor, uma disposição mental, um mandamento, um estilo de vida, um presente? “Do ponto de vista cristão é acima de tudo uma responsabilidade – explica Territo – no sentido forte do termo. Uma resposta decisiva e consciente a um modo de vida que Jesus nos mostrou. Um rosto de Deus que Jesus mostrou, fraterno, acolhedor, aberto, não moralista, e também, se quisermos, uma resposta ao chamado original na Gênesis: “O que você fez com seu irmão? Não é coincidência que o Documento de Abu Dhabi também comece com ‘Em nome de Deus…’. Não em nome da coexistência social, da paz, da solidariedade. Mas em nome de Deus. No sentido cristão, então, é uma resposta a um chamado de fraternidade”.

Dom Martinelli recorda uma das intuições fundamentais da Laudato si’ na qual se repete que tudo está em relação: “Do ponto de vista vital da estrutura do existente, tudo nos chama a acolhermo-nos uns aos outros. É emblemática a experiência de São Francisco de Assis, que vive uma profunda familiaridade com tudo e todos. Mesmo com a morte da irmã. No sentido cristão, há o reconhecimento de que o que Cristo vem revelar é o mistério do Pai que nos quer um a um, originais, únicos e irrepetíveis. Isto nos permite recomeçar sempre, em todos os relacionamentos”.

Fraternidade e pseudo-comunitarismo

O caminho da fraternidade universal não é isento de dificuldades e riscos, pois o inimigo está sempre à espreita. Martinelli adverte que qualquer afirmação ideal que nos impele a uma tensão do bem não pode nos garantir a priori das dificuldades e também dos confrontos que possam acontecer. “O interessante é cultivar este estilo e este reconhecimento do bem que o outro é como algo a mais de mim”. Jamais poderia dizer, contigo tudo acabou e tenho que matá-lo. Disso nasce o perdão e a misericórdia”. “Há também formas de fraternidade que excluem”, adverte Territo. “Um exemplo são os fundamentalismos. Em vez disso, o sentimento íntimo de fraternidade é o de se tornar próximo. Há formas de incompreensão da fraternidade que são formas erradas de pensar o comunitarismo, formas de pseudo-fraternidade que selecionam e distinguem a humanidade em diferentes classes, que rejeitam, que excluem em nome de uma fraternidade nacional, étnica, religiosa”.

E o bispo Martinelli insiste que se a fraternidade exclui, significa que já existe o germe da doença. É necessário, portanto, educar-se para reconhecer o bem do outro como uma riqueza inesgotável. Esta foi a experiência de São Francisco, que no início foi muito excludente – e cita a história do leproso, do qual ele fugia – até sentir-se realmente um irmão universal de todos”.

Os líderes religiosos e a expectativa da Encíclica

Às vezes as religiões são utilizadas de forma manipuladora. Esta Encíclica poderá marcar a vocação de construir uma coexistência pacífica, vocação própria de toda religião? “Creio que o Papa esteja seguindo um caminho, há um contínuo processo de diálogo e construção de pontes, como ele gosta de dizer”, responde o Padre Territo, referindo-se ao documento de Abu Dhabi que afirma que “não há alternativa no mundo em que vivemos”. “Acredito que ‘Fratelli tutti’ continuará neste processo que – enfatiza – é feito, sim, de um magistério de escritos, mas também é feito de um magistério de gestos de fraternidade. Creio que os líderes religiosos estejam esperando por esta Encíclica com curiosidade, interesse e esperança, sabendo que o Papa propõe um caminho comum”.

“Somos filhos de uma época em que a relação entre sociedade civil e religião tem sido problemática”, conclui Martinelli. “Não é que para nos darmos bem com todos, temos que colocar nossa experiência religiosa entre parênteses. Isto não é possível, pois é justamente no reconhecimento da experiência religiosa e da estima mútua que podemos ser enriquecidos”.

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

editorial_dez_2021

[Editorial] O Senhor nos dará tudo o que é bom, e a nossa terra nos dará suas colheitas

nomeações e provisões de novembro 2021

Decretos e Provisões – novembro 2021

agenda_dezembro_2021

Agendo Arcebispo – dezembro 2021

13ª festa da vida

O Sonho do Povo é o mesmo de Jesus!

Com Deus tem jeito

Projeto “Com Deus, tem jeito” na Paróquia São Francisco de Assis, no Jacarecanga