O mistério da vida | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

O mistério da vida

Na segura convicção de que o Senhor é bom, além de refúgio na dor e na angústia, confiamos em sua proteção. Somos munidos pelos estigmas da confiança e da esperança por Deus, que quer, através de nós, suas criaturas, dizer algo ao mundo, como nas palavras de Dom Helder: “Que sementes desejo espalhar pela Terra? Sementes de paz, de amor, de compreensão e de esperança. Há tanto desespero, desengano, decepção, frustração e desesperança! Sementes de esperança chegariam em boa hora”.

Dentro do espírito da mais elevada esperança cristã, quero aqui homenagear meus primos Norberto Duarte Saraiva e Juscelene de Oliveira da Silveira, pessoas de fé, simples e humildes, e falecidas nesta primeira quinzena de outubro de 2019. Que o bom Deus os acolha na sua paz! Diante da morte, temos o ensinamento de Jesus de Nazaré, o Bom Pastor: mesmo com a morte a nos causar grande dor e tristeza, no céu temos a certeza da eterna felicidade, da vida sem ocaso e declínio. O Livro Sagrado nos assegura que em Deus nada nos pode faltar.

A confiança em Deus deve ser a palavra de ordem de nós seres humanos, confiança essa que nos dá segurança, esperança e força para enfrentar qualquer desafio que esteja na nossa frente. A certeza de sua bondade e fidelidade está nele, no aprendizado de nunca desesperar, porque Deus não abandona aqueles que nele confiam. Deus nos oferece a garantia de que cada pessoa carrega consigo, ou oferece ao mundo, o segredo de sua vida como mistério, revelando as razões de sua existência.

No mistério da vida, Dom Helder diz: “Ah se eu pudesse, afugentaria da terra a desconfiança que embaça os olhares mais claros e torna turvos os horizontes mais límpidos!”. Viver na turbulência das ondas, na instabilidade do barco da vida, parecendo, muitas vezes, que vai naufragar, é um grande milagre, é dom e graça de Deus, obra da ação do Espírito Santo em nós.

Que a confiança e a esperança do “Poverello d’Assisi”, lá na igreja de São Damião, ao recitar o cântico das criaturas, anunciando ao mundo o amor infinito de um Deus que não era e não é amado, nos ajudem a gostar de viver e amar a vida, sem esquecermos seus últimos anos de vida, debilitado pela frágil saúde e já não podendo mais enxergar, numa descomunal humildade e heroísmo penitencial. Assim seja!

Pe. Francisco Geovane Saraiva Costa

Pároco de Santo Afonso, Blogueiro, Escritor e integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Hoje, dia 10 de julho, Padre Francisco Ivan completa 37 anos de sacerdócio

Recordações do Papa João Paulo II em visita ao Ceará

Padres estão em retiro

Papa: inimaginável o inferno vivido pelos migrantes nos campos de detenção

Nomeado novo bispo auxiliar para a arquidiocese de São Paulo