Meditação do XX Domingo do Tempo do Comum - (Mt 15,21-28) | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Meditação do XX Domingo do Tempo do Comum – (Mt 15,21-28)

Queridos irmãos em Cristo!

Neste 20º Domingo do Tempo Comum fazemos a experiência de Deus que não excluindo ninguém volta o seu olhar para nós e contemplando como nós mesmos somos tomamos a consciência de que esta presença divina – mesmo que seja por um só dia na casa do Senhor – vale mais do que mil outros fora dela (antífona de entrada).

A forma como nós enfrentamos a nossa própria existência e tudo o mais que nela comporta é o foco da nossa meditação a partir dos textos apresentados nesta liturgia. Na verdade a partir da nossa fé e do constante auxílio da graça de Deus o nosso olhar deve ser outro, onde o essencial que normalmente é invisível aos olhos dos outros, no nosso caso o nosso olhar que é do coração e com amor tem uma outra qualidade, ou seja, um outro jeito!

Escutando a Palavra de Deus, buscando praticar a sua justiça (= vontade), acolhendo a sua manifestação plena por meio de Jesus seremos todos recebidos com alegria pelo próprio Deus que se alegrará com as nossas ações e teremos todos a oportunidade de usufruir desta aliança eterna! (1ª Leitura).

É claro que nem todos assim o fazem, porém Deus, que nunca desiste de nós continua incansavelmente vir ao nosso encontro, como veio no decorrer da História por meio de Jesus, o Filho amado. Coube então aos estrangeiros (pagão) o acolhimento entusiasmado e verdadeiro na fé deste anúncio de salvação, ao contrário dos judeus, que mesmo tendo a oportunidade de revelar ao mundo todo a partir de Jesus não o fizeram o que causou grande tristeza no coração do apóstolo Paulo.

Bem sabemos que a fé não conhece fronteiras e foi nesta esperança que aquela mulher Cananéia apegou-se e foi implorando/gritando atrás de Jesus pela cura de sua filha. A insistência perseverante da mulher e o seu diálogo com Jesus impressionam. De fato, mesmo com as migalhas a sua fé seria capaz de tornar o impossível acontecer! Jesus reconhece a grandeza daquela mãe e o milagre acontece.

Desde o domingo passado aprendemos que Deus se manifesta nas ocasiões humilde e simples (1 Rs 19,9.11-13) com uma força incomensurável apesar da suavidade e mansidão que Ele vem até nós. Neste final de semana Ele que transformar o nosso olhar através da força do seu amor a fim de que possamos assumir o acolhimento como uma atitude necessária e fundamental a partir da Palavra, nos irmãos que sofrem incluindo os que chegam na comunidade de fé, desta maneira nos assemelhamos ao Senhor aqui na terra e participaremos de sua glória no céu (Oração Depois da comunhão).

Em Jesus o bom pastor e Maria nossa mãe.

Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Primeira Semana Catequética na Região Episcopal Bom Jesus dos Aflitos

Amanhã, sábado, 15 de agosto, Igreja no país se une em “Dia de Oração pela Vida e pelo Brasil”

Workshop para a Pastoral do dízimo on-line

Ciclo de formação e estudo a partir da Campanha da Fraternidade 2020

Organização divulga programação oficial da Caminhada com Maria 2020. Coroação da imagem será feita neste ano pelo próprio arcebispo