Meditação do Evangelho - 5º Domingo da Quaresma (Jo 11,1-45) - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Meditação do Evangelho – 5º Domingo da Quaresma (Jo 11,1-45)

Chegamos a 5ª semana desta nossa caminhada quaresmal e a liturgia nos apresenta o Senhor Jesus, que é a ressurreição e a vida, reconduzindo novamente a existência o seu amigo Lázaro, irmão de Marta e Maria que moravam em Betânia, próximo a Jerusalém.

Observando um pouco, dentro da obra do 4º Evangelho, o “tema da vida” está muito presente na prática de Jesus e em seus ensinamentos: (1) na conversa com Nicodemos, onde somente terá posse do “Reino de Deus (da vida eterna ou simplesmente da vida – em termos joaninos) quem nascer de novo, da água e do Espírito” (Jo 3,3.5). (2) Também com o encontro com a samaritana no poço de Jacó, onde a água viva que brota de quem faz a experiência com a verdadeira fonte que é Jesus sacia toda a nossa necessidade de fé, de amar e ser amado (Jo 4, 13s). (3) No emblemático discurso do pão da vida (Jo 6,33), pão de Deus que desce do céu também sacia a fome do coração humano e (4) no anúncio de sua identidade como “luz do mundo” que nos guia pelo caminho oposto às trevas – luz da vida – (Jo 8,12) dada para que todos a tenham em abundância (Jo 10,10).

No episódio deste final de semana, Jesus atende o chamado das irmãs, pois a enfermidade já alcançara Lázaro – “Senhor aquele que o amas está doente” (Jo 11,3).

As atitudes de Jesus são de notável delicadeza, sensibilidade e amizade profunda com os seus amigos, pois Ele se dispõe a retornar à Judéia mais uma vez, mesmo correndo risco de vida (Jo 11,7s), inclusive chegando a chorar pelo amigo querido (Jo 11,35).

Também é encantador o diálogo entre Jesus e Marta, em especial naquilo que o Senhor diz a respeito de si mesmo e da vida eterna: “Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim não morrerá jamais! Crês isto?” (Jo 11,25s)

O texto também apresenta o pedido de Marta como um exemplo de oração confiante e de abandono nas mãos do Senhor que sabe melhor que nós o que nos convém. Não é um pedido para que seu irmão voltasse à vida, mas a certeza que o pedido feito com fé, segundo a vontade divina, em nome de Jesus será sempre nos concedido o melhor!

“Eu sou a ressurreição e a vida …” (Jo 11, 25). Estamos diante de uma das definições breves que o Senhor deu de Si mesmo! É a ressurreição porque com a Sua Vitória sobre a morte é causa da ressurreição de todos os homens. Por isso para quem tem fé a morte não é o fim, mas a passagem para a vida eterna, uma transformação, uma nova morada como rezamos num dos Prefácios da Liturgia dos defuntos: “Senhor, para os que crêem em vós, a vida não é tirada, mas transformada. E, desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado nos céus, um corpo imperecível.”

Jesus ainda nos ensina que a glória do Pai é presente na vida daqueles que crêem (Jo 11,40). Este ensinamento introduz a oração de ação de graças dirigida ao Pai, seguida pela ordem: “Lázaro, vem para fora!” (Jo 11,41s).

Neste tempo da quaresma, onde Deus deseja a nossa conversão e conseqüentemente o nosso retorno a vida, assim também somos convidados pelo próprio Senhor a sair das trevas do pecado que nos prendem ainda e mesmo atados pelos laços da morte buscarmos a nossa libertação no sacramento da reconciliação, para então seguirmos o caminho de uma vida nova e plena em Deus – que escuta a nossa voz das profundezas onde nos encontramos (Sl 129/130), segundo o Espírito e não mais seguindo “a carne” (Rm 8,8-11).

O atual processo de produção industrial em larga escala, impede recuperação da vida do planeta nas áreas continuamente desmatadas, queimadas e devastadas. Os interesses comerciais, sempre visando o lucro, estão perpetuando a miséria e a morte dos pequenos. Isto tudo agrava ainda mais a nossa condição de vida, uma vez que ainda estamos com as mãos atadas e os pés amarrados pela nossa falta de indignação e desarticulação na procura e cumprimento dos nossos direitos a vida plena que o Senhor veio nos dar!

Em Jesus, o bom pastor e Maria nossa Mãe.
Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Ivonete parente disse:

    Odorei este blog… idéia genial. Aqui podemos antecipar a reflexão para aquilo que Deus certamente nos dirá no final de semana.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Aniversário do segundo ano do Pacto das Catacumbas pela Casa Comum

Bispos do Ceará se reúnem para aprofundar e encaminhar as atividades pastorais do Regional

Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão

Conferência de Dom José Antonio na abertura da XIX Semana Teológica na FCF

A Arquidiocese de Fortaleza lança nota de esclarecimento sobre a nova fase de prevenção contra a Covid-19