Líderes de 195 países aprovam acordo global do clima na COP 21 - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Líderes de 195 países aprovam acordo global do clima na COP 21

A decisão é considerada um marco histórico e prevê a redução do aquecimento de temperatura

A 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21) aprovou o maior acordo climático do mundo. O evento realizado de 30 de novembro a 11 de dezembro, em Paris, na França, reuniu representantes de 195 países.

O acordo global substituirá o Protocolo de Kyoto, em vigor desde fevereiro de 2005. O documento prevê redução do aquecimento da temperatura e repasse de US$ 100 bilhões, por ano, dos países ricos para nações em desenvolvimento.

A Santa Sé participou da Conferência sobre o Clima como observadora. O Vaticano enviou uma delegação com membros de diversos países, entre eles, o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Steiner.

De acordo com o bispo, no decorrer da COP 21, houve contato com os demais delegados presentes no evento, para apresentação de propostas e preocupações da Igreja sobre o clima. “Buscamos alertar as lideranças em relação a diversas questões do meio ambiente, principalmente aquelas apontas pela Encíclica Laudato Si´, que foram muito apreciadas durante a Conferência”, recordou dom Leonardo.

Apelo do papa

Após a oração do Angelus, no domingo, 14, o papa Francisco encorajou a comunidade internacional a implementar as decisões do “histórico acordo”. Recordou a necessidade de se dar maior atenção às famílias e populações vulneráveis. “A Conferência sobre o Clima concluiu-se em Paris com a adoção de um acordo, definido por muitos como histórico. A sua implementação requer um compromisso de todos e uma generosa dedicação por parte de cada um. Desejando que seja garantida uma particular atenção às populações mais vulneráveis, exorto toda a comunidade internacional a prosseguir com solicitude o caminho tomado, no sinal de uma solidariedade que se torne sempre mais concreta”, disse o papa Francisco.

Sobre o pedido de atenção com relação às populações “vulneráveis”, feito pelo papa, dom Leonardo recorda o sofrimento dos pobres com as questões ambientais. “Os vulneráveis são os pobres. Não podemos esquecer dos pequenos países, da população que vive nas ilhas e em outras regiões. Se não contermos o aquecimento global, no futuro, essas ilhas desaparecerão. Durante a COP 21, ouvimos esse clamor em defesa desses povos vulneráveis, principalmente aqueles que vivem em regiões sem água ou saneamento básico”, explica o bispo.

Texto aprovado

O acordo determina aos países para que trabalhem para que aquecimento fique muito abaixo de 2ºC, buscando limitá-lo a 1,5ºC, e que países ricos garantam financiamento de US$ 100 bilhões por ano. Não há, no texto, menção à porcentagem de corte de emissão de gases-estufa. O acordo deve ser revisto a cada cinco anos.

“Esse acordo representa um passo muito importante para o debate sobre as questões climáticas.  Sabemos que existem outras urgências que a Terra necessita, a nossa casa comum. Porém, a unanimidade em torno de determinados pontos sobre o meio ambiente é um grande avanço”, comenta dom Leonardo.

O pacto firmado entre os países atinge um consenso global, reconhecendo que as emissões de gases do efeito estufa precisam diminuir radicalmente. Os países desenvolvidos, como os Estados Unidos e os da União Europeia, devem repassar recursos financeiros para ajudar países em desenvolvimento a ter ações de mitigação e adaptação, e “outras partes são convidadas a prover ou a continuar a prover tal suporte voluntariamente”.

Dom Leonardo fala da medida de ajuda como um avanço entre as nações. “Trata-se de um elemento primordial, a ajuda e cooperação entre os países no enfrentamento dos problemas climáticos. Ouvir as necessidades dos pequenos países, que são ilhas; ouvir o clamor dos povos é muito importante. Agora, temos o desejo que, no futuro, esse debate continue e que não fique apenas nas dimensões sugeridas pelo acordo”, pontua o bispo.

CNBB com informações da Rádio Vaticano.

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Semana de Formação do Clero de Fortaleza aprofunda temática da conversão pastoral paroquial

Aniversário do segundo ano do Pacto das Catacumbas pela Casa Comum

Bispos do Ceará se reúnem para aprofundar e encaminhar as atividades pastorais do Regional

Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão

Conferência de Dom José Antonio na abertura da XIX Semana Teológica na FCF