Francisco: no dia 3 de julho, celebrarei a missa com a comunidade congolesa em Roma - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Francisco: no dia 3 de julho, celebrarei a missa com a comunidade congolesa em Roma

Encontrando, no Vaticano, os Missionários da África reunidos para o Capítulo Geral, o Papa renovou seu pesar pelo adiamento da viagem à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Aos Missionários da África ele disse: “O apóstolo de Jesus Cristo não faz proselitismo, não é um gerente, não é um conferencista erudito, não é um “mago” da informática, o apóstolo é uma testemunha.”

Mariangela Jaguraba – Vatican News

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta segunda-feira (13/06), na Sala Clementina, no Vaticano, os participantes do Capítulo Geral da Sociedade dos Missionários da África.

O Pontífice iniciou o seu discurso, dizendo que, “com grande pesar”, teve que “adiar a viagem à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul”.

Na verdade, com a minha idade não é tão fácil ir em missão! Mas, suas orações e seu exemplo me dão coragem, e estou confiante em poder visitar esses povos, que carrego no coraçãoNo próximo domingo, tentarei celebrar a missa com a comunidade congolesa em Roma. Não o próximo, mas em 3 de julho, dia em que eu deveria celebrar em Kinshasa. Traremos Kinshasa a São Pedro, e ali celebraremos com todos os congoleses romanos, que são muitos!

A seguir, o Papa recordou os 150 anos de fundação dos Missionários da África, celebrados de 8 de dezembro de 2018 a 8 de dezembro de 2019, vividos com as Missionárias da África. “Por favor, levem também a elas minha saudação”, sublinhou o Santo Padre.

Trabalhan na missão como testemunha profética

“Para este Capítulo Geral vocês escolheram trabalhar na missão como testemunha profética”, disse o Papa, ressaltando que gostou muito de ouvir que os Missionários da África viveram esses dias “com gratidão” e “com esperança”. “Isso é muito bonito. Olhar para o passado com gratidão é um sinal de boa saúde espiritual. É o comportamento “deuteronômico” que Deus ensinou ao seu povo. Cultivar a memória agradecida do caminho que o Senhor nos fez percorrer. Essa gratidão alimenta a chama da esperança”, disse Francisco, acrescentando:

Quem não sabe agradecer a Deus pelos dons que Ele semeou ao longo do caminho, mesmo que cansativo e às vezes doloroso, não tem uma alma esperançosa, aberta às surpresas de Deus e confiante em sua providência. Essa atitude espiritual é decisiva para que amadureçam as sementes da vocação que o Senhor desperta com seu Espírito e sua Palavra. Uma comunidade que sabe dizer “obrigado” a Deus e aos irmãos, e que se ajuda a esperar no Senhor Ressuscitado é uma comunidade que atrai e apoia aqueles que são chamados. Então, continuem assim: gratidão e esperança.

A propósito do “tema da missão como testemunha profética”, o Papa sublinhou que ali está em jogo a fidelidade às raízes, “ao carisma que o Espírito confiou ao Cardeal Lavigerie”, fundador dos Missionários da África. “O mundo muda, a África também muda e aquele dom conserva sua carga de significado e força na medida em que é reconduzido a Cristo e ao Evangelho”, disse ainda o Pontífice.

Oração e fraternidade

“Sejam apóstolos, nada além de apóstolos!”, disse Francisco, recordando as palavras do fundador dos Missionários da África, sublinhando que “o apóstolo de Jesus Cristo não faz proselitismo, não é um gerente, não é um conferencista erudito, não é um “mago” da informática, o apóstolo é uma testemunha. Isso vale sempre e em toda parte na Igreja, mas vale especialmente para quem, como vocês, são muitas vezes chamados a viver a missão em contextos de primeira evangelização ou de religião islâmica predominante. Testemunho significa essencialmente duas coisas: oração e fraternidade. Um coração aberto a Deus e aos irmãos e irmãs”.

O Papa recordou o testemunho de Charles de Foucauld: “É outro carisma, certamente, mas tem muito a dizer também a vocês, como a todos os cristãos do nosso tempo”, sublinhou.

A partir de sua intensa experiência de Deus, ele realizou um caminho de transformação até se sentir irmão de todos. Oração e fraternidade: a Igreja deve retornar a esse núcleo essencial, a essa simplicidade radiante, naturalmente não de maneira uniforme, mas na variedade de seus carismas, de seus ministérios e instituições. Porém, tudo deve transparecer esse núcleo original, que remonta ao Pentecostes e à primeira comunidade, descrita nos Atos dos Apóstolos.

A comunidade dá testemunho profético

Segundo Francisco, “muitas vezes somos levados a pensar na profecia como uma realidade individual, no modelo dos profetas de Israel, mas a profecia é acima de tudo comunitária: é a comunidade que dá testemunho profético, um desafio que só pode ser aceito, contando com a ajuda do Espírito Santo”.

De acordo com o Papa, a comunidade dos Missionários da África “que vive de oração e fraternidade, é chamada ao diálogo com o ambiente em que vive, com as pessoas, com a cultura local”. “Nesses contextos, onde muitas vezes, além da pobreza, se vivem a insegurança e a precariedade, vocês são enviados a viver a doce alegria de evangelizar“, disse Francisco, usando as palavras de São Paulo VI na Exortação apostólica Evangelii nuntiandi. “Que Nossa Senhora, Nossa Senhora da África os acompanhe e os proteja”, concluiu.

Fonte: Vatican News

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Se aproxima a 14ª Festa da Vida, momento de celebração e defesa da criação

Paróquia Santa Luzia, no Meireles festeja trezena em honra a Santa Luzia

Presidente da CNBB convida católicos a participarem da “Campanha para a Evangelização 2022”

Primeira Pregação do Advento 2022 com Fr. Raniero Cantalamessa

Fortaleza faz campanha para o Santuário de São Francisco das Chagas de Canindé