Caminhada Penitencial

Tudo sobre a 13ª Caminhada Penitencial

Dom Helder nasceu há 115 anos

Foto: Arquidiocese de Olinda e Recife

Recordar, sim, que Dom Hélder Pessoa Câmara nasceu há 115 anos, aos 07/02/1909, em Fortaleza (CE), e iniciou sua vida no ministério sacerdotal com 22 anos de idade, em profunda sintonia e comunhão com Jesus de Nazaré, pão da Vida, pão descido do céu. Eis um sinal vivo da presença de Deus, com a concretude do Dom da Paz, já no santinho de sua ordenação sacerdotal, na mesma cidade de Fortaleza (15/08/1931), assim se manifestou: “Angelorum esca nutrivisti populum tuum”, que quer dizer: “Teu povo se alimenta do pão do céu”.

Vem à mente o que afirmou Pe. José Comblin, teólogo de saudosa memória, com sua luminosidade fulgurante, sendo seu distintivo peculiar, ao se manifestar no sentido de persuadir, no alargamento da mente e do coração das pessoas de boa vontade, imprimindo o caráter de perene imortalidade de Dom Hélder: “Eu sou daqueles que têm a convicção de que os escritos de Dom Hélder ainda serão fonte de inspiração na América Latina, daqui a mil anos, ao lançar sementes destinadas a produzir uma messe abundante nesta nova época do cristianismo”.

Conhecido como cidadão planetário, o mundo foi para Dom Hélder Câmara campo de ação apostólica, vivendo-a a partir dos seus 27 anos na Cidade Maravilhosa (RJ) (1936-1964). Cognominado “Artesão da Paz”, viveu a ternura e a solidariedade ao lado dos irmãos empobrecidos e, em 1948, na condição de padre jovem no Rio de Janeiro, acreditou ser possível seu sonho por um mundo melhor, ao externar: “Se eu pudesse, sairia povoando de sono e de sonhos as noites mal dormidas dos desesperados”.

Ele, pequeno na estatura, mas grande nos sonhos, nos ideais, era de uma beleza inusitada e incomparável, com aquele corpo franzino, mas que, pela pregação do Evangelho, se via transmutado e agigantado, na esperança utópica por um mundo justo, solidário e de paz. Que o dom maravilhoso do legado de Dom Hélder seja percebido como uma mina de ouro a ser explorada, mas naquele seu sólido e incontestável compromisso: o do mundo solidário, reconciliado e pacificado em Deus!

Dom Hélder era místico, sim, na exuberância magnífica de sua ação pastoral, identificado com seu povo, e, ao tomar posse, em 1964, como Arcebispo de Olinda e de Recife, no exemplo do Bom Pastor, assim se expressou: “Quem estiver sofrendo, no corpo e na alma; quem, pobre ou rico, estiver desesperado, terá lugar especial no coração do bispo”.

Padre Geovane Saraiva, pároco da Paróquia Santo Afonso de Ligório, Parquelândia e integrante da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

Faça a sua pesquisa

Os cookies nos ajudam a entregar nossos serviços. Ao usar nossos serviços, você aceita nosso uso de cookies. Descubra mais