Abre tua mão para o teu irmão | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Abre tua mão para o teu irmão

Padre Geovane Saraiva*

A Igreja sempre nutriu – e continua a nutrir – o mais elevado amor e respeito pela Carta de Deus, recordando, evidentemente, sua indizível importância na vida das pessoas e na vida da comunidade dos seguidores de Jesus de Nazaré. Podemos dizer, sem medo de errar, que a Palavra de Deus foi – e sempre será – a alma, ou a vida, da Igreja, escrita em épocas diferentes e distantes da nossa, na busca, sempre e cada vez mais, da autêntica transmissão da mensagem de Deus, numa fiel linguagem, sem se afastar da vontade divina.

No mês da Bíblia de 2020, ao se aprofundar o livro do Deuteronômio – com o tema da anistia, ou da remissão, e o lema “Abre tua mão para o teu irmão” (cf. Dt 15, 11) –, alimenta-se o desejo de que a comunidade de fé seja, de verdade, animada pela proposta da Palavra de Deus, no sonho da ideal vida fraterna, ou solidária. O povo jamais pode prescindir do Livro Sagrado, na clareza de que “toda a escritura é inspirada por Deus e útil, a fim de ensinar, corrigir e educar na justiça” (cf. 2 Tm 3, 16). À luz da Palavra de Deus, que nossa fé seja a resposta generosa de um Deus que quer se manifestar e se revelar, oferecendo-nos a condição de perceber os sinais de dores, angústias e sofrimentos, pelas quais passa a humanidade, neste tempo de Covid-19, tendo a consciência de que a hora é de Deus.

Deus não cessa de ensinar e acompanhar o destino do povo que Ele escolheu como sua herança. Na sua promessa salvífica, Ele nos quer na nossa missão, recebendo dom e graça de suas mãos, como seus colaboradores, numa empreitada, em que seu desejo consista no surgimento de estreitos laços de fraternidade. Da nossa parte, cabe uma generosa resposta, ou acolhimento, colocando-nos à disposição da sua misteriosa vontade, no constante esforço de eliminar antagonismos, desavenças e intrigas na comunidade dos batizados, num ambiente em que se favoreça um convívio recíproco, leal e afetuoso, com lugar para todos se sentarem na mesma mesa.

Como é maravilhoso o Livro Sagrado! A ele não podemos renunciar, nem abster-nos dele, pois nele é revelado um Deus clemente e indulgente. Além do nosso louvor, bendigamos a Ele, por seus incontáveis prodígios, revelados e manifestados ao mundo, muito acima de nossos méritos. Na dinâmica de sempre melhor aprofundar o Livro Sagrado, revelado e inspirado, que Deus nos cumule com o espírito de São Jerônimo (342-420), doutor e especialista no assunto, mas de um modo imbatível e inigualável. A Igreja Católica o reconheceu, sem questionar, como homem eleito por Deus para explicar e fazer compreender, do melhor modo, a Palavra de Deus. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, blogueiro, escritor e integrante da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Os desafios da Igreja em tempos de crise – Com Rosa Maria (Arquidiocese de Fortaleza)

Combate ao suicídio

Editorial – setembro 2020: “Reabertura das igrejas, tão esperada!”

Agenda do Arcebispo – setembro de 2020

Nomeações e provisões – Agosto 2020