A sorte favorece os corajosos - Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

A sorte favorece os corajosos

Por Padre Geovane Saraiva*

Um adágio popular afirma: “há uma grande diferença entre um fim sem esperança e uma esperança sem fim”. Promessa é uma realidade dinâmica, que abre novas chances na vida, evidentemente olhando para frente, mas enraizada numa relação com Deus, a falar aqui e agora, dizendo-me que tenho que fazer algo de concreto em minha vida, consciente de que o futuro encontra-se na minha relação com Deus, vivida no presente. As bem-aventuranças anunciam a futura realização da esperança, na certeza de que devemos aguardá-la, com confiança e paciência, o que não se vê, uma vez que transcende a realidade visível aqui da terra.

Sem arriscar não se vive a esperança. A humanidade viveu arriscando, mas na expectativa de um futuro, no que lhe foi anunciada, na realização da esperança, que teve um papel imprescindível, tanto na vida religiosa, como na vida de cada ser humano, pelo fato de que a religião no Antigo Testamento exerceu uma função, no cumprimento da aliança e de suas promessas (cf. Mt 5, 1-11).

Já no Novo Testamento, com evento Jesus Cristo, a esperança tornou-se uma expectativa de confiança, de proteção e de benção de Deus, apontando o caminho do céu, mas não só, porque ao mesmo tempo, o homem deve se tornar mais humano e a terra, que é dádiva de Deus, mais habitável e generosa, no seu papel de cumprir as promessas da aliança, em que fé e esperança caminham intimamente unidas e não dissociadas.

Nos dias de hoje, com a nossa realidade exigente, é preciso ter sempre mais coragem de lançar a semente, pensado na esperança de um futuro esplendoroso, insistindo, é claro, na importância do momento presente, por mais insignificante de que se possa parecer (cf. Mc 4, 26-27). Que o nosso sonho, seja de realizar, aqui e agora, nesse dado momento histórico em que vivemos, a missão redentora da Igreja, que é a continuação e o prolongamento de Jesus Cristo, Salvador e Esperança dos homens e mulheres de boa vontade, que aguardam sua manifestação gloriosa, no final dos tempos (cf. Gl 4, 7-8).

A vida humana, segundo Santo Agostinho, na sua preciosa obra, a Cidade de Deus, se desenvolve entre duas grandes forças, dois dramáticos e contrastantes amores, a saber: “Dois amores edificaram duas cidades: O amor próprio, levado pelo desprezo a Deus, a cidade terrena; o amor a Deus, levado ao desprezo de si próprio, a cidade celestial”. Vemos, pois, que o primeiro gira em torno de si próprio e o segundo é evidente que gira em torno de Deus.

Nascemos para a esperança, para sonhar, que é, sobretudo, no dizer de Dom Helder: “crer na aventura do amor, jogar nos homens e pular no escuro, confiando em Deus”, na expectativa dos bons frutos aqui e na vida futura, na ressurreição definitiva junto de Deus, naquele presente muito eterno e feliz! “Tenho para mim que as aflições deste tempo presente não se podem comparar com a glória que em nós há de ser revelada, porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus” (Rm 8, 18-19).

Os Latinos diziam: Fortuna audaces juvat, isto é, a sorte favorece os corajosos. O mundo conturbado em que vivemos necessita de uma âncora para não sucumbir ao naufrágio. Essa âncora é a esperança e ela tem nome: a salvação.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, Escritor, Membro da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE), e da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza. Pároco de Santo Afonso – [email protected]

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Ordenação Presbiteral

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

RCC realiza Congresso Arquidiocesano em agosto

Papa aos evangelizadores digitais: que a sua missão seja plena de humanidade

Escolhida a letra do hino da Campanha da Fraternidade 2023, de autoria de dois seminaristas catarinenses

Dom Geraldo Freire Soares toma posse como o 5° bispo da Diocese de Iguatu

Dom Walmor, presidente da CNBB, agradece a Deus pelas muitas vocações na vida e na missão da Igreja