Homilia do 2º Domingo do Advento (04.12.11) | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Homilia do 2º Domingo do Advento (04.12.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Preparai o caminho do Senhor!”

Consolai, meu povo!
O tempo do Advento celebra as duas vindas de Cristo: Aquele que virá sobre as nuvens e o que veio sobre a palha. É a mesma dimensão de encontro com “Aquele que vem”. A liturgia do Advento nos coloca na mesma expectativa dos profetas, principalmente do profeta Isaías, pois rezamos na oração da missa: “Nós vos pedimos, ó Deus, que nenhuma atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do vosso Filho” (Oração). Isto é o mesmo que dizer: “Nivelem-se os vales, rebaixem os montes; endireite-se o que é torto e alisem-se as asperezas” (Is. 40,4). O Advento nos remete ao sentimento de que um dia esse mundo será melhor, a partir do momento em que as pessoas aceitam Jesus na condição humana. Ele vem para implantar a paz, a justiça e o amor, como rezamos no salmo: “A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão” (Sl 84). Todas as promessas têm sua realização no que João anuncia. João é a síntese de todos os profetas: Anunciou a presença do Messias e O acolheu como o enviado do Pai. O profeta Isaias anuncia, ao povo que estava no exílio da Babilônia, uma libertação grandiosa como o Deus que vem a seu encontro. Deus mesmo liberta seu povo. Por isso o profeta inicia com palavras de conforto: “Consolai, consolai, meu povo… a servidão acabou e a expiação de suas culpas foi cumprida” (Is 40,1.2). É o novo Êxodo e, dessa vez, glorioso. No mundo atual, em meio a tantas escravidões, podemos ouvir a voz do profeta e de João que preconizam tempos novos de libertação. Cada Natal é a realização da libertação que vem de Deus através de seu Filho, o pastor que carrega os cordeiros ao colo (11). Infelizmente os caminhos estão bem estragados. Na Angola o povo cantava que estava difícil voltar para casa, pois o mato crescera no caminho. Sua vinda é consolação para todos sofredores.

Correr ao encontro de Jesus
Ir ao encontro de Cristo tem um endereço certo: a pessoa do irmão. Irmão não é só o irmão de fé, mas todo homem e toda mulher, pois todos são filhos e filhas de Deus. Ele vem ao nosso encontro e nós O encontramos no irmão: “Agora e em todos os tempos Ele vem ao nosso encontro, presente em cada pessoa humana para que O acolhamos na fé e O testemunhemos na caridade, enquanto esperamos a feliz realização do seu Reino” (Prefácio). João Batista é o exemplo e o pregador desta verdade, pois ele próprio era desapegado de tudo e aberto para receber a Boa Notícia que é Jesus e comunicá-la. Deus age na história na libertação do exílio, na vinda de Jesus e no Reino presente no meio de nós. Para realizar essa missão e acolher e anunciar, como fez João, temos que ter uma vida penitente e despojada. Só o deserto pode nos formar.

Julgar os valores terrenos
Quais são os caminhos que devemos aplainar? O fiel necessita neste tempo a capacidade de discernir o que é de Deus e onde firmar sua esperança. Já temos por experiência que os bens terrenos são bons para conquistar o Reino dos Céus pela caridade. Mas não são bons quando nos conquistam. Jesus ensinou: “Fazei amigos com o dinheiro da iniqüidade, a fim de que, no dia em que falar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos” (Lc 16,9). Esta paz vem “os que voltam ao Senhor seu coração! (Id). A Eucaristia será sempre a mestra que ensina a julgar com sabedoria os valores terrenos e a colocar nossas esperanças nos bens eternos” (Pós-comunhão). Nossa vida prepara a vinda do Senhor a outros que vem.

Leituras: Isaías 40, 1-5.9-11; Salmo 84; 2 Pedro 3,8-14; Marcos 1,1-8

Homilia do 2º Domingo do Advento (04.12.11)

1. Celebramos a dupla vinda de Cristo: nas nuvens e nas palhas. Nós vamos ao encontro. Como João e os profetas, estamos na expectativa. Que as atividades nãos nos impeçam. Isso significa abrir os caminhos e nivelá-los. Há um futuro melhor. Isaias consola o povo no exílio e promete um novo Êxodo.

2. Ir ao encontro tem como endereço o irmão. João era desapegado e aberto à Boa Nova. João se criou no deserto. Somente no deserto de uma vida penitente e despojada podemos acolher e anunciar.

3. É tempo de discernir o que é de Deus e onde firmar sua esperança. Os bens terrenos não são bons quando nos conquistam e são bons para conquistar o Reino dos Céus pela caridade. A Eucaristia ensina a julgar os valores.

Sujeito diferente
O Advento é tempo da preparação para acolher a vinda de Cristo no fim do mundo, mas é tempo também da memória da vinda de Jesus em nossa humanidade. Para este momento Deus preparou o mundo desde a criação do universo, do homem e da mulher e, depois, através de um povo que Ele formou para seu Filho ser cidadão.

Quando chegou o momento de Deus ser humano como nós, Ele nos apresentou primeiro um homem muito diferente, não estranho. João Batista é aquele que vem preparar o caminho do Senhor. Era como os profetas antigos, mas era diferente, pois não só anunciou um futuro próximo, mas o mostrou presente.

Como os antigos profetas eram cheio de símbolos. Anunciava a conversão. Ele mesmo estava preparado e preparando a vinda do Messias prometido. Era totalmente de Deus e despojado de tudo que era vaidade humana. Era diferente por ser muito bom.

João sabia seu lugar. Era importante, mas sabia que preparava o caminho para outro realizar sua missão. Como é bom a pessoa saber seu lugar!

Por:

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festa dos Arcanjos receberá 12 mil pessoas no Ginásio Paulo Sarasate

DNJ 2019 retoma temática da Campanha da Fraternidade sobre Políticas Públicas

Festa de São Francisco na Comunidade do Planalto Itaperi

Em reunião com o Papa, presidência do Celam fala sobre novas perspectivas da entidade

Amor irrestrito e solidário


QR Code Business Card