Pentecostes: o sopro de vida | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Pentecostes: o sopro de vida

O dom da supremacia de Cristo, que, tendo morrido e ressuscitado pela redenção dos homens, encontra sua prova indizível e inexprimível, do ponto de vista da fé, na sua descida sobre os apóstolos, na tarde do domingo da Ressurreição. A subida do filho de Deus aos céus, com a promessa de estar contíguo ao Pai, tem um olhar imorredouro para a humanidade, enquanto esta se dispõe a caminhar, na esperança, rumo à eternidade, mas sem hesitar nem se atenuar em complacências. Eis, pois, o grande desafio, o da presença de Deus, numa íntima mística sem medida, ou excessiva, a ponto de confundi-la com a própria intimidade divina, afastando qualquer dúvida: “Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria” (Jo 16, 20).

Padre_Geovane
x

Essa intimidade é o alento, ou sopro, oriundo do Espírito Santo de Deus, considerando seu impulso vital e fecundo, enquanto temível e misterioso, ao expressar o braço de Deus, como nos assegura o Livro Sagrado (cf. Is 40, 15). Fenômeno inusitado e deslumbrante, sim, seja no envolvimento da criatura humana, seja no envolvimento do mundo e da natureza, nas manifestações ao longo dos tempos, com especial poder, atribuído ao sopro do Espírito Santo, que quer nos ensinar que fomos criados para Deus e que nossa vocação ou destino é o céu, na meritória frase de Santo Agostinho: “Criaste-nos para vós e o nosso coração está inquieto até que repouse em vós”.

O mistério pascal tem seu cume, convenhamos, na ressurreição e na ascensão do Senhor, mas também em pentecostes, como ato convincente e irrefutavelmente conclusivo ao inefável mistério de amor. Quem é aquele que sobe? É o mesmo que desceu e desce. Ele desce, cumprindo a vontade divina, para curar o homem, na sua clemente complacência e inteira indulgência; subiu, para exaltar sublimemente e dignificar a criatura humana. Se ele tivesse sido elevado por si próprio, teria caído em ruínas, mas, como foi o próprio Deus que o elevou no seu mistério incontroverso e inatacável, permanece seguro, imutável e inalterável. Na sua ressurreição, de modo consistente, temos a nossa esperança; já na sua ascensão, estando Jesus à direita do Pai, temos nossa segurança definitiva e duradoura, refúgio da humanidade em todos os tempos (cf. S. Agostinho).

Depois da morte de Jesus de Nazaré, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade de Jerusalém, visível em línguas de fogo; todos ficaram cheios daquele mesmo Espírito, que veio do alto e que pelo Pai foi derramado como dom sobrenatural, que, em circunstâncias esplêndidas, quer intervir para realizar milagres no mundo das pessoas. É o Espírito de Deus, com seu sopro de vida, que tudo realiza e deixa sua marca, com rastros de bondade, sendo tudo voltado para o bem, porque o Espírito de Deus é bom. Não devemos esquecer de que as pessoas são chamadas por Deus de uma maneira diferente, numa ação livre, com resposta amorosa e afavelmente terna; do contrário, a vida perde seu verdadeiro sentido. Assim seja!

Pe. Geovane Saraiva – Pároco de Santo Afonso, blogueiro, escritor e integrante da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Papa: o caminho libertador de Jesus é a resposta aos “guardiães” da verdade

Paróquia festeja novenário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Nota de falecimento da Sra. Mirian Façanha Holanda

Live de lançamento do projeto Catequese em Família da Arquidiocese de Fortaleza

36º Semana do Migrante reflete sobre migração e diálogo