Semana de oração pela Unidade dos Cristãos 2021 | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Semana de oração pela Unidade dos Cristãos 2021

“Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos”
 (Jo 15, 1-17)

         Amados irmãos e irmãs.

         Nesta semana, que compreende os dias 16 a 23 de maio de 2021, celebramos como Igreja a “Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos”. Este ano o tema que marca esta semana é: “Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos” (Jo 15,4).

         Recordamos o que nos diz o documento de Aparecida: “A prática da Igreja de comunhão nos conduz ao diálogo ecumênico. A relação com os irmãos e irmãs batizados (as) de outras comunidades eclesiais é um caminho irrenunciável para os discípulos-missionários, pois a falta de unidade representa um escândalo, um pecado e um atraso no cumprimento do desejo de Jesus Cristo: ‘para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti. E para que também eles estejam em nós, a fim de que o mundo acredite que tu me enviaste’ (Jo 17,21)” (DAp 227).

         O texto bíblico que o Conselho Pontifício para promover a Unidade dos Cristãos nos apresenta este ano é o de João 15,1-17: “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai o vinhateiro/agricultor”. Gostaria de recordar que no dia 5 de junho de 1960 o Papa João XXIII criou um secretariado pontifício para a promoção do diálogo ecumênico. A ideia do Papa era o de criar um “órgão” preparatório do Concílio Vaticano II. Este secretariado foi posteriormente confirmado pelo Papa Paulo VI e recebeu uma nova estrutura pela Constituição Apostólica Regimini Ecclesiae Universale, de 15 de agosto de 1967. Em seguida, o Papa João Paulo II, por meio da Constituição Apostólica Pastor Bonus datada de 28 de junho de 1988, deu-lhe a estrutura atual, trocando o nome Secretariado pelo de Conselho Pontifício.

         O Conselho Pontifício está encarregado, em primeiro lugar, de promover, no interior da Igreja Católica, um espírito ecumênico autêntico, de acordo com o Decreto conciliar Unitatis Redintegratio. Ele assume esta tarefa em união com outros dicastérios da Cúria Romana, especialmente os que cuidam do diálogo com os diversos setores da sociedade.

         O tema escolhido para este ano expressa a sublime vocação cristã para a oração. Onde existe a oração existe também a reconciliação. Desde seus mais distantes inícios, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos está no coração da Igreja. Esta semana é composta de três pilares: Oração, Vida comunitária e Hospitalidade. Estes pilares resumem a essência do nosso batismo. Lembremos o que nos disse o Irmão Roger de Taisé: “Não há amizade sem sofrimento purificador, não há amor ao nosso próximo sem a cruz. Somente a Cruz nos permite conhecer a incompreensível profundidade do amor” (Les écrits fondateurs, Dieu nous veux beureux).

         Buscar a unidade para nós cristãos é um empenho para a vida toda. A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos recorda a essência do nosso ser cristão. O Papa é o primeiro a dar exemplo de unidade entre os irmãos. Jesus nos mandou buscar a unidade visível, testemunhar a vida de oração, converter o coração e superar todo sentimento de ódio e divisão.

         “Uma espiritualidade de comunhão implica a capacidade de pensar em nossos irmãos e irmãs na fé no interior da profunda unidade do Corpo Místico. Isso nos torna capazes de partilhar as alegrias e sofrimentos, sentir os desejos uns dos outros, entender as necessidades mútuas, oferecer amizade, perceber o que há de positivo nos outros, de receber e prezar a graça de Deus. Significa aprender e saber abrir espaço, ajudar a carregar os fardos uns dos outros, resistir às tentações egoístas do carreirismo, da desconfiança e do ciúme”. (Papa João Paulo II, Novo Millennio Ineunte, 2001,43s).

         Somente uma espiritualidade de comunhão é capaz da colegialidade em todos os níveis da vida da Igreja. A unidade é a mais perfeita sintonia do coração humano com o Espírito Santo. Toda verdadeira oração é essencialmente ecumênica porque a oração é fruto do Espírito Santo. Espírito do único e partilhado Senhor Jesus Cristo, único caminho para o Pai de todos.

         Esta semana está organizada da seguinte forma:
1º dia: “Vós não me escolhestes, eu vos escolhi” (Jo 15,16);
2º dia: “Permanecei em mim, como permaneço em vós” (Jo 15,4);
3º dia: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei” (Jo 15,12);
4º dia: “Já não vos chamo servos, chamo-vos amigos” (Jo 15,15);
5º dia: “Vós já estais purificados pela Palavra” (Jo 15,3);
6º dia: “Ide produzir frutos, frutos que permaneçam” (Jo 15,16);
7º dia: “Eu sou a vinha, vós os sarmentos” (Jo 15,5);
8º dia: “Para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja perfeita” (Jo 15,11).

         Vamos estimular em nossas comunidades eclesiais, o nosso povo, comunidades de discípulos-missionários, pastorais, serviços, movimentos a orar com o espírito e um coração ecumênico. Recordando a experiência feita por Saulo na cidade de Damasco: “Eu sou Jesus, a quem estás perseguindo” (At 9,5). Abrir os nossos olhos, retirar as escamas que nos impedem enxergar o caminho da unidade, ainda que isso signifique quebrar o ritmo de nossa pedagogia religiosa.

         “Todos nós fomos batizados num só Espírito para ser um só corpo, judeus e gregos, escravos e livres, e todos bebemos de um só Espírito” (1Cor 10,17). Lembremos que a procura da unidade não se restringe às questões intraeclesiais. O que nos divide não são somente questões teológicas, doutrinais, mas também estruturas políticas e culturais.

         Para realizarmos uma boa Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos precisamos desarmar o nosso coração. Nunca podemos esquecer que a unidade que pretendemos somente será concretizada de maneira visível se animada pela caridade e alicerçada em Cristo. Vamos orar e lutar pela unidade entre nós, pela justiça entre os homens, de todas as raças, crenças, cores e culturas. Que esta semana seja testemunho comum entre nós cristãos, da unidade em oração, entre as diversas confissões, tendo como principal objetivo o restabelecimento da unidade no mistério da Igreja e de sua identidade.

Dom Júlio César Souza de Jesus
Bispo Auxiliar de Fortaleza.
Fortaleza, 14 de maio de 2021
.

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Papa: o caminho libertador de Jesus é a resposta aos “guardiães” da verdade

Paróquia festeja novenário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Nota de falecimento da Sra. Mirian Façanha Holanda

Live de lançamento do projeto Catequese em Família da Arquidiocese de Fortaleza

36º Semana do Migrante reflete sobre migração e diálogo