[Editorial - agosto 2015] “Agosto – mês das vocações no Ano Jubilar Centenário da Arquidiocese de Fortaleza” | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

[Editorial – agosto 2015] “Agosto – mês das vocações no Ano Jubilar Centenário da Arquidiocese de Fortaleza”

domjose200“Agosto – mês das vocações
no Ano Jubilar Centenário da Arquidiocese de Fortaleza”

Não sei se você, acompanhando a vida da Igreja, já teve a curiosidade de perguntar: porque o mês de agosto é chamado o mês das vocações?

É interessante como estas coisas vão acontecendo!

Já há muitos anos celebra-se no dia 4 de agosto o Dia do Padre, pois o Calendário Litúrgico da Igreja comemora neste dia São João Maria Vianney, o Pároco da cidadezinha francesa de Ars, santo sacerdote e padroeiro dos sacerdotes que são responsáveis por paróquias. Este primeiro fato atraiu para o mês de agosto a celebração de Semanas Vocacionais para convidar os fiéis católicos a rezar e contribuir para a formação dos novos sacerdotes.

Aos poucos se foram acrescentando outras celebrações relacionadas com festas do mês: Dia dos pais, no segundo domingo; Dia dos catequistas, no último Domingo do mês; Dia dos religiosos, na festa da Assunção de Maria ao Céu no dia 15; Dia dos diáconos, na festa do Diácono São Lourenço, no dia 10. E neste mês se desenvolve a Semana da Família – vocação do amor que toca a todos. E o mês todo é hoje visto como especialmente dedicado às vocações.

Por que se fala em “vocações”?

Na visão da fé cristã, toda a nossa vida humana é uma vocação (palavra que tem o sentido de “chamado”); primeiramente chamado que recebemos de Deus à nossa própria existência. Se existimos é porque Deus-Criador nos chamou à vida, nos deu nome, nos dá consistência. Não somos nós que nos fazemos existir.  Deus, sim, nos chama a sermos quem somos. Ele nos chama do nada com a força do seu querer, de sua palavra.

Depois, dentro da vida, recebemos um novo chamado (vocação) através da proposta cristã da fé. Deus nos fez conhecer Seu Filho Jesus Cristo e nele nos chamou a segui-lo. Esta é a vocação cristã. Jesus, o Filho de Deus, veio a este mundo e concretamente, literalmente chamou discípulos a segui-lo em sua proposta de vida no Reino de Deus. Este chamado constitui as pessoas em filhos de Deus Pai juntamente com Jesus, e as reúne em Família-Comunidade-Igreja.

Estamos comemorando neste ano o Jubileu Centenário da Arquidiocese de Fortaleza. Na Igreja, Comunidade dos discípulos de Cristo, una e única em todo o mundo, a parcela que se chama Arquidiocese de Fortaleza vive um ano de alegria e ação de graças por realizar este chamado, esta “vocação”, ser “Família de Deus” em missão de levar a toda criatura o chamado a viver a vida divina – “para que todos tenham a vida e a tenham em plenitude” (Jo 10,10).

E nesta Comunidade dos que seguem Jesus Cristo, por força do Seu Espírito Santo, cada um recebe dons para serem oferecidos em benefício de todos. São as vocações de estado de vida dentro da vida cristã: Sacerdócio, Consagração Religiosa e Missionária, Matrimônio. São formas de vida especiais dentro da vida cristã.

Tudo isso é vocação: chamado de Deus que se concretiza na vida das pessoas. Tudo é chamado a viver a realidade fundamental que faz a pessoal humana “imagem e semelhança de Deus”, pois sempre dom para os outros, amor que se dedica para o bem dos outros e de todos. As formas concretas são diversas, de acordo com o dom especial que Deus dá no jeito de ser de cada pessoa, mas a realidade fundamental será sempre a mesma: vocação é um chamado criador de Deus para o Amor!

Já compreendeu sua vida assim? Você considera sua vida um chamado do próprio Deus que o ama imensamente? E o chama para também ser amor em todo o seu ser? Você procura em sua vida dar uma resposta à proposta que Deus – na vida, na fé, nos seus dons pessoais e comunitários – lhe faz? E a conseqüência da vocação vivida é a pessoa humana plenamente realizada, feliz!

Tudo isto, todo um mês dedicado às vocações, será para nós motivo de renovação do sentido que move nossa própria vida com a esperança cristã da realização do Reino de Deus. Somos todos chamados. A cada um Deus dá sua parte na missão. Todos somos construtores, sob a ação do Espírito Santo, do amoroso projeto de Deus para a humanidade. Vocacionados ao Amor. Trabalhadores na grande messe do Senhor.

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

 

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Live de lançamento do projeto Catequese em Família da Arquidiocese de Fortaleza

36º Semana do Migrante reflete sobre migração e diálogo

FM Dom Bosco lança clipe em comemoração aos 20 anos da emissora

Falece Padre Nelson da Silva, pároco de Mangabeira

O Papa: a oração de Jesus é o modelo da nossa oração