[EDITORIAL] “Testemunhas da Esperança” | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

[EDITORIAL] “Testemunhas da Esperança”

domjosé200Estamos em pleno ANO DA ESPERANÇA, celebrando o Tempo Pascal após os intensos dias do Tríduo Pascal da Paixão, Morte, Sepultura e Ressurreição do Senhor. Assim estaremos em plena festa pascal por cinquenta dias como se fosse um só dia, até a Solenidade de Pentecostes.

O clima do Ano da ESPERANÇA nos faz colher com muita intensidade o significado da Esperança Cristã.

Para que Deus nos chama? Por que nos criou? Por que nos enviou o Cristo?

Para a “… vida e vida em plenitude.” (Jo 10,10)

Este é o resumo e manifestação completa das promessas de Deus.

A toda pessoa humana que vem a este mundo, Deus promete felicidade. Isto é que está inscrito no mais íntimo de cada ser humano. A realização humana é prometida no anseio mais profundo de cada pessoa a ser feliz, realmente feliz, plenamente realizada.

Com será isto possível? É apenas um sonho, uma ilusão? Será este um paraíso perdido?

Ao povo escolhido nos inícios de Sua História de Salvação, Deus prometeu a um homem já no fim de seus dias e sem filhos, ser pai de uma grande nação e possuir uma Terra que o Senhor lhe dará. A este Deus faz dom a Fé. E suas promessas vão abrindo caminho na dimensão da fé, de realização em realização para algo mais: “Em ti serão abençoadas todas as nações da Terra.”(Gn 28,14) Depois, nas vicissitudes de sua história, a um povo escravo Deus promete a libertação, anima sua esperança de povo e terra e o encaminha entre prodígios para este destino humano e terreno, mas vai abrindo em seu interior novos caminhos com Sua Palavra, Sua Instrução – a Lei: “Vós sereis o meu povo e eu serei o vosso Deus.”(Êx 6, 7).

Mas, apenas chegada a plenitude dos tempos, realização de todas as promessas divinas, Deus envia seu Filho que “Se fez carne e habitou entre nós.”(Jo 1,14) para a realização mais plena da esperança. Nele a humanidade é redimida de toda a escravidão do pecado e da morte. As promessas se alargam ao infinito. Das pequenas esperanças que motivam para perto se passa à Grande Esperança que motiva para o mais pleno, para o definitivo. Jesus, o Filho de Deus, dá a vida para que todos tenham a vida e a tenham em sua plenitude – libertação plena e ressurreição.

E “A esperança não decepciona, pelo Amor que foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5) Jesus, amando até o fim, tudo consuma com a sua própria doação total de vida, com o Amor (Espírito Divino) que é infundido nos corações humanos.

Os horizontes da esperança foram se alargando do imediatismo material que mais nos atrai para a plenitude que vai encontrando espaço dentro de nós em um Novo Espírito – o Amor de Deus.

Celebramos anualmente esta realização estupenda, impensável, definitiva: a Felicidade sonhada existe – ela é Vida em Deus. A celebração é necessária para nós, seres no tempo, como motivação e abertura de nossos desejos para que possamos ser preenchidos pelo Dom de Deus. Celebração que depois se torna semanal, no Dia do Senhor em cada ciclo de semana: no primeiro dia da semana tudo chegou à plenitude na carne humana com a ressurreição de Cristo Jesus. É celebração vivência em cada dia e momento, pois a Esperança em Cristo é o que motiva e dá sentido a todos os atos, escolhas, realizações humanas no Amor. “Tudo passa, só o Amor permanece”(cf 1Cor 13). Este Amor é o que une em comunhão plena a humanidade e Deus. Este Amor é o vínculo que comunga todas as pessoas humanas em sua diversidade e complementariedade. Ninguém pode ser feliz só! A felicidade é a própria participação na Vida Divina – comunhão no Amor. Neste futuro já presente caminhamos na esperança de sua plena realização.

“Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai. Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é. Todo aquele que espera nele purifica-se a si mesmo, como também ele é puro.” (1Jo 3, 1-3.)

Disto somos testemunhas – testemunhas da Esperança.

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

 

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

Paróquia de São José – Canindé divulga programação do Maio Mês de Maria

Casa de acolhimento a migrantes e refugiados é implantada na Arquidiocese de Fortaleza

Os 30 Santuários que participam das orações de maio pelo fim da pandemia

Como funcionam as estruturas que apoiam o ministério do Papa. A Congregação para os Bispos na entrevista com o Prefeito, Cardeal Marc Ouellet

FALECEU DOM ANDRÉ DE WITTE, PRESIDENTE DA COMISSÃO PASTORAL DA TERRA