“Devoção Mariana em tempo de Nova Evangelização” | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

“Devoção Mariana em tempo de Nova Evangelização”

O mês de maio, na vivência cristã católica, é marcado, de modo intenso e muito evidente, pela devoção mariana, principalmente em nosso meio. São festas, santuários e romarias, rezas e novenas, diversas manifestações tradicionais dirigidas a Maria, Mãe de Jesus e da Igreja. Finalmente as apoteóticas coroações de Nossa Senhora, presentes nas grandes igrejas ou pequenas capelas, tradição popular firmemente estabelecida.

E nos perguntamos se, nestes tempos em que a Igreja volta a repropor a urgência de Nova Evangelização em um mundo cada vez mais secularizado e distante dos valores do evangelho na trama da vida diária mesmo de muitos que se dizem fervorosamente católicos, será oportuno voltar a práticas devocionais antigas?

Esta pergunta tem seu sentido e oportunidade.

O que está faltando na vida cristã ? O que exige de nós a mudança de época em que vivemos ? O simples retorno ao devocional, às práticas de fórmulas e gestos religiosos, será suficiente para responder aos desafios que hoje se impõem à Fé?

Ao falar em Evangelização o Papa Paulo VI em Evangelii Nuntiandi chamava a atenção para a Evangelização como formação de mente e coração, critérios, opções e atitudes a partir da pessoa e dos ensinamentos de Jesus Cristo. Assim a Evangelização não será mero verniz a se colocar superficialmente na vida de uma pessoa que não é transformada pelo conteúdo do próprio Evangelho.

A necessidade da Evangelização é hoje ainda mais evidente, quando percebemos a grande lacuna na formação dos cristãos. A identidade e pertença a Cristo não são testemunhadas na vida, nas atitudes e nas estruturas da sociedade humana, que quer ser cada vez mais autônoma, livre de qualquer vínculo com Deus e com sua vontade expressa na própria criação.

Haverá lugar para a Devoção Mariana em tempo de Nova Evangelização?

Será que a pessoa de Maria, Mãe de Jesus dada por ele aos homens, é significativa para esta transformação cristã tão necessária e esperada?

A Igreja no Brasil, em suas novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, seguindo as mesmas orientações do Magistério Eclesial hoje, percebe exigências que não podem ser esquecidas. A Igreja é o lugar da iniciação à vida cristã. A Igreja surge do acolhimento fundamental da Palavra de Deus em sua vida e ação. A Igreja, comunidade dos cristãos, é comunhão de muitos e diversos fiéis e grupos humanos. A Igreja é toda ela permanentemente participadora da mesma missão de Jesus, que veio para que todos tenham vida e a tenham em plenitude.

Evangelizar é partir do encontro pessoal com Cristo. E este encontro se desenvolve em seguimento, discipulado para formar em si o modo de viver de Cristo. Este discipulado funda-se na vontade de Deus expressa em Sua Palavra que se fez carne e habitou no meio de nós. Por Ele, com Ele e nEle, no Seu Dom –Espírito Santo de Amor – realiza a comunhão universal. Torna-se missão de um Amor difusivo, que deverá chegar como plena vida a todos na sinalização e construção do Reino de Deus.

Teremos que dar uma resposta à questão inicial: Haverá lugar para a Devoção Mariana em tempo de Nova Evangelização?

Teremos que levar em consideração a pessoa, a vida, o testemunho e a obra realizada por Deus em Maria, Mãe de Jesus e Nossa Senhora em sua realidade mais profunda, além de devoções apenas doces e sentimentais.

Ela é a mulher do projeto de Deus. Ela é a filha prediletamente preparada para a maternidade do Filho de Deus nela feito Homem. Ela é a discípula da vontade divina. É a seguidora de Jesus a partir do encontro fundamental da graça de Deus nela e do seu SIM. Ela é caridosa advogada da humanidade. Ela, Mãe do Verbo de Deus humanado, é Mãe de toda a humanidade nEle recriada pela graça da redenção. Ela é modelo para o cristão e para a Igreja e toda a humanidade. Presente na realização da salvação humana de modo ímpar, não por menos é chamada “Estrela da Evangelização”.

Muito significativa a expressão “Estrela”, pois sinaliza no céu da vida a Direção, o Caminho, a Verdade, a Vida – Cristo Jesus.

As devoções necessitam ser refundadas cada vez mais na vida concreta de Maria, modelo para todos os cristãos, para não terminarem sendo o que já São Paulo lembrava aos nossos irmãos, cristãos de Corinto: “13, 1 Se eu falasse as línguas dos homens e as dos anjos, mas não tivesse amor, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine. 2 Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de remover montanhas, mas não tivesse amor, eu nada seria. 3 Se eu gastasse todos os meus bens no sustento dos pobres e até me entregasse como escravo, para me gloriar, mas não tivesse amor, de nada me aproveitaria.”

 

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Dom José Antonio inaugura Centro de Pastoral na Paróquia Jesus, Maria, José no Antônio Bezerra

Clero de Fortaleza realiza Semana de Formação online

Jubileu de 75 anos da Paróquia Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra, Fortaleza

Catedral Metropolitana de Fortaleza celebra 42 anos de inauguração

Programação das Missas de Natal e Ano Novo em algumas paróquias da Arquidiocese de Fortaleza

Paróquia São José realiza a Live Natal da Esperança

Santuário de Canindé divulga programação natalina

Pe. Ermanno Allegri: pastor missionário, celebra 50 anos de Ordenação Presbiteral

12ª Festa da Vida: cuidar e celebrar a vida: desafio e compromisso

Dom Rosalvo toma posse na Diocese de Itapipoca

Há 150 anos, Santa Luzia ilumina Baturité

Paroquianos de São Gonçalo celebram novenário ao Padroeiro

Membros da Pascom são apresentados solenemente na Matriz do Pirambu

Nota de repúdio da Pastoral Carcerária contra agressões sofridas durante manifestação do Dia da Consciência Negra

Na Solenidade de Cristo Rei: novos presbíteros para a Igreja do Senhor

Testemunhas da Eucaristia: tema da 82ª Semana Eucarística

Cordel celebrativo: 105 anos da Arquidiocese de Fortaleza

Horários de missas no Dia de Finados

Legado de Irmã Clemência é retratado em Seminário Internacional

padre_geovane

O mistério de Deus e do homem

Paróquia de São José – Canindé divulga programação do Maio Mês de Maria

Casa de acolhimento a migrantes e refugiados é implantada na Arquidiocese de Fortaleza

Os 30 Santuários que participam das orações de maio pelo fim da pandemia

Como funcionam as estruturas que apoiam o ministério do Papa. A Congregação para os Bispos na entrevista com o Prefeito, Cardeal Marc Ouellet