Atualidades

Uma reflexão sobre a Pastoral do Dízimo a partir do número 24 da Evangelii Gaudium

O documento 106 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) “O dízimo na comunidade de fé: orientações e propostas”, quando responde O que é o dízimo?, no número 6, diz: “O dízimo é uma contribuição sistemática e periódica dos fiéis, por meio da qual cada comunidade assume corresponsavelmente sua sustentação e a da Igreja. Ele pressupõe pessoas evangelizadas e comprometidas com a evangelização”. Essa forma de definir o dízimo vem das Diretrizes Gerais da Ação Pastoral (1975-1978) da CNBB.

Importante notar que apesar de aparentemente ser fácil entender essa definição, na prática nem sempre somos “sistemáticos e periódicos” com nossa contribuição. Às vezes, atrasamos e, às vezes, encontramos dizimistas que querem “liquidar logo” o carnê de sua contribuição.

Uma das causas dessa prática acontecer pode ter relação com o que diz a segunda frase do número 6 do doc. 106 “Ele (dízimo) pressupõe pessoas evangelizadas e comprometidas com a evangelização”.

No capítulo I “A transformação Missionária da Igreja”, da Evangelii Gaudium (EG) (A Alegria do Evangelho), o papa no número 24 nos oferece pistas de um processo que podemos desenvolver em  um trabalho missionário junto aos católicos que ainda não são dizimistas: “primeirear”, envolver-se, acompanhar, frutificar e festejar.

“A Igreja “em saída” é uma comunidade de discípulos missionários que “primeireiam”, que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam.” (EG 24)

O primeiro passo: tomar a iniciativa. Foi Deus que nos amou primeiro, Ele tomou e toma a iniciativa em nos oferecer a misericórdia.

Quantas vezes nós tomamos a iniciativa de procurar as pessoas que ainda não entenderam o valor que é ser dizimista? Quantos ainda não o são pelo fato de não terem sido despertados? Um simples levantamento dentre os membros de nossas pastorais, movimentos serviços e novas comunidades fará vermos o quanto ainda precisamos tomar iniciativa. Como o papa nos sugere, “ousemos um pouco mais em tomar a iniciativa”.

O segundo passo: envolver-se. É uma consequência do ir. É um envolver-se como serviço. “Jesus lavou os pés dos seus discípulos”, cita o Papa. É com esse propósito que devemos nos envolver. Não como quem vai cobrar, exigir ou se achar superior. Envolver-se como serviço faz os agentes da Pastoral do Dízimo “escutarem sua voz”.

Terceiro passo: acompanhar. O caminho de formação do dizimista supõe acompanhamento. Acompanhamento do processo, por mais duro e demorado que seja. Muitas vezes é fácil e simples preencher uma ficha, fazer o cadastro de dizimista, mas  são muitos os que com o passar do tempo deixam de ser. Olhemos nossos bancos de dados da Pastoral do Dízimo. Quantos estão cadastrados e quantos não  estão mais contribuindo? Teria sido a falta de acompanhamento uma das causas?

Quarto passo: frutificar. Temos que estar “atentos aos frutos”. O papa, recordando a parábola do joio e do trigo, adverte: “O semeador, quando vê surgir o joio no meio do trigo, não tem reações lastimosas ou alarmistas”. Qual tem sido o resultado do trabalho da Pastoral do Dízimo? Estamos colhendo bons frutos? Os agentes da Pastoral do Dízimo estão oferecendo o testemunho de dizimistas?

Quinto passo: festejar. “A comunidade (…) celebra e festeja cada pequena vitória, cada passo em frente à evangelização”. Com certeza temos muitos frutos bons em nossas comunidades em relação ao dízimo. Precisamos “festejar” o que já conquistamos. Valorizar o testemunho destas pessoas que contribuem com amor e conscientes da importância que isso tem para sua vida e para o trabalho de evangelização.

João Augusto Stascxak
jastascxak@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

D. Fisichella nos 25 anos da Veritatis Splendor: quem critica o Papa não é fiel à tradição católica

Bairro Ellery festeja São Francisco de Assis

Encontro de preparação para 3ª Semana Catequética Paroquial

Paróquia de Nossa Senhora Aparecida no Montese realiza Carreata dia 30 

10ª edição da Marcha pela Vida em Fortaleza

Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso


QR Code Business Card