Atualidades

Seminário discute agenda pelo desencarceramento com coordenador da Pastoral Carcerária Nacional

Padre Valdir durante visita a presídio: sistema brasileiro é extensão dos campos de concentração

Hoje, sexta-feira, 23, às 18h, o mandato “É tempo de resistência”, do deputado estadual Renato Roseno (PSOL-CE); e o Comitê Cearense de Prevenção e Combate à Tortura promovem o seminário “O sistema prisional e produção de violências: discutindo a agenda nacional pelo desencarceramento”. O encontro será realizado no complexo das comissões da Assembleia Legislativa e vai contar com a presença de representantes da Pastoral Carcerária, entre eles, o Padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da entidade.

Atuando há quase duas décadas nos trabalhos da pastoral, padre Valdir tem sua trajetória ligada à defesa das pessoas encarceradas e à evangelização dos pobres em paróquias das periferias. Crítico da política de encarceramento, o religioso tem percorrido o Brasil visitando presídios, produzindo estudos e participando de debates sobre o sistema prisional brasileiro. “O antigo coordenador nacional da Pastoral Carcerária, o saudoso padre Chico, que morreu em 1999, costumava chamar as penitenciárias brasileiras e os distritos policiais de ‘corações do inferno’. É o que são”, defende padre Valdir, que compara nossas cadeias aos campos de concentração de Auschwitz.

“Nós todos, agentes da Pastoral Carcerária, que em alguns casos vamos diariamente aos presídios e cadeias do Brasil, lembramos usualmente da frase do Padre Chico. Ele se perguntava e nos questionava: ‘É possível morrer-se em Auschwitz, depois de Auschwitz?’ A resposta é sempre a mesma: sim!”, afirmou recentemente em entrevista ao jornalista Mauro Lopes, do blog “caminho pra casa”. “Os nossos presídios são extensões do que aconteceu nos campos de concentração. As torturas e os maus-tratos são as práticas corriqueiras das casas de punição e castigos, que chamamos de presídios. Enquanto houver presídios e cadeias feitos campos de torturas e de maus-tratos, Auschwitz continuará sendo uma triste realidade – no Brasil inteiro”.

Em suas palestras e entrevistas, o religioso tem destacado a atuação do papa Francisco, que condenou os massacres registrados nos últimos anos em penitenciárias brasileiras e pediu condições dignas de vida para presos e presas. Também tem ressaltado a posição de entidades como a CNBB, que tem sido contundente em sua crítica à privatização dos presídios e em sua defesa do desencarceramento. Sobre a opinião pública, Valdir relata sua experiência junto às famílias dos encarcerados.

“Se a população soubesse o inferno que é a vida num presídio… O que a gente vive no dia a dia da Pastoral Carcerária é encontrar com parentes e amigos de pessoas que, por um motivo ou outro, foram presas e que tinham o discurso do ‘prende-arrebenta-mata’. Não há uma sequer que mantenha esse discurso. Todo mundo fica chocado e muda de posição, imediatamente”, afirma. “Eu lhe garanto: se colocassem cães e gatos nos presídios brasileiros, tratados como as pessoas são tratadas atualmente, teríamos milhões nas ruas e mobilização mundial contra o Brasil. Mas é preciso por outro lado encarar um fato: quem apoia o massacre é herdeiro ou continuador daqueles que apoiaram no passado o extermínio dos indígenas e a escravidão dos negros”.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card