Atualidades

Papa pede perdão aos indígenas, despojados de suas terras e excluídos da sociedade

Francisco celebra para populações tradicionais do sul mexicano e ressalta cuidado da criação

No quarto dia de sua viagem apostólica ao México, o papa Francisco foi a San Cristóbal de las Casas, no estado do Chiapas. O pontífice presidiu uma missa, nesta segunda-feira, 15, com as comunidades indígenas. A liturgia foi celebrada em espanhol e nas línguas indígenas tseltal, ch’ol e tsotsil e contou com a presença de fiéis da Guatemala.

“Entre os pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida e devastada, que geme e sofre as dores do parto”, disse Francisco aos fiéis.

De acordo com a Rádio Vaticana, o papa Francisco levou uma palavra de fé e de esperança, enaltecendo a riqueza e os valores dos povos indígenas, diante da realidade do estado mexicano que, permanece ainda hoje, apesar de seus grandes recursos naturais, um dos menos desenvolvidos, com uma grande pobreza e analfabetismo. Sua homilia foi centrada no tema do cuidado da criação.

“A violência, que está no coração humano ferido pelo pecado, vislumbra-se nos sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos”, disse o Francisco.

“O desafio ambiental que vivemos e as suas raízes humanas têm a ver com todos nós e interpelam-nos. Não podemos permanecer indiferentes perante uma das maiores crises ambientais da história. Nisto, vós tendes muito a ensinar-nos. Os vossos povos, como reconheceram os bispos da América Latina, sabem relacionar-se harmoniosamente com a natureza, que respeitam como ‘fonte de alimento, casa comum e altar do compartilhar humano’”, afirmou.

O papa também considerou que “muitas vezes, de forma sistemática e estrutural” os povos indígenas do Chiapas foram incompreendidos e excluídos da sociedade. “Alguns consideram inferiores os vossos valores, a vossa cultura e as vossas tradições. Outros, fascinados pelo poder, o dinheiro e as leis do mercado, despojaram-vos das vossas terras ou realizaram empreendimentos que as contaminaram. Que tristeza! Como nos seria útil a todos fazer um exame de consciência e aprender a pedir perdão!”, sinalizou.

Francisco iniciou a sua reflexão partindo do Salmo 18, “A lei do Senhor é perfeita, reconforta a alma”, lei que segundo explicou, “o povo de Israel recebera das mãos de Moisés, um povo que experimentara a escravidão e a tirania do Faraó, que experimentara a amargura e os maus-tratos, até que Deus disse basta e ouviu o clamor do seu povo”.

“Manifesta-se aí o rosto do nosso Deus, o rosto do Pai que sofre com a dor, os maus-tratos, a injustiça na vida dos seus filhos; e a sua Palavra, a sua lei torna-se símbolo de liberdade, símbolo de alegria, sabedoria e luz”, afirmou o papa.

“No coração do homem e na memória de muitos dos nossos povos, está inscrito o anseio por uma terra, por um tempo em que o desprezo seja superado pela fraternidade, a injustiça seja vencida pela solidariedade e a violência seja cancelada pela paz”, acrescentou.

“Deus não só partilha por este anseio, mas Ele mesmo o suscitou e suscita dando-nos o seu filho Jesus Cristo. N’Ele encontramos a solidariedade do Pai, que caminha ao nosso lado. N’Ele vemos como aquela lei perfeita assume uma carne, assume um rosto, assume a história, para acompanhar e sustentar o seu povo; faz-se Caminho, faz-se Verdade, faz-se Vida, para que as trevas não tenham a última palavra e a aurora não cesse de vir sobre a vida dos seus filhos”, disse.

Francisco ainda continuou falando sobre o clamor da criação contra o mal provocado por conta do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. “Crescemos a pensar que éramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la (…). Por isso, entre os pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida e devastada, que geme e sofre as dores do parto”, refletiu.

Ressaltando a importância dos povos tradicionais, Francisco falou aos jovens que “o mundo de hoje, espoliado pela cultura do descarte, necessita de vós”, exortando-os a conservarem a sabedoria dos anciãos.

“Os jovens de hoje, expostos a uma cultura que tenta suprimir todas as riquezas e características culturais tendo em vista um mundo homogêneo, precisam que não se perca a sabedoria dos vossos anciãos. O mundo de hoje, prisioneiro do pragmatismo, tem necessidade de voltar a aprender o valor da gratuidade.”

Agradecimentos

No estado do Chiapas, cerca de 36% dos habitantes fala exclusivamente a sua própria língua indígena. Por isso, o papa entregou um documento que autoriza o uso das línguas locais nas celebrações eucarísticas, tseltal, ch’ol e tsotsil. Na saudação dirigida ao pontífice, durante a celebração, um homem e uma mulher representando as comunidades indígenas do Chiapas, do México e da Guatemala, agradeceram ao papa por ter aprovado o uso de suas línguas nativas na liturgia.

Também foram dirigidos outros agradecimentos.

“Mesmo se muitas pessoas nos desprezam, quiseste visitar-nos e levar-nos em consideração, como fez a Virgem de Guadalupe com San Juan Dieguito”, disse um.

“Mesmo se vives em Roma, te sentimos muito próximo de nós. Continuas a transmitir-nos a alegria do Evangelho e a ajudar-nos a cuidar da nossa irmã e mãe terra, que Deus nos doou. E recorda-te de nós nas tuas orações, a fim de que possamos realizar as obras de misericórdia”, pediram os representantes indígenas.

Assista à homilia do papa.

Com informações e fotografia da Rádio Vaticano

 

fonte CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card