Atualidades

Papa Francisco adverte sobre o pecado “que nos paralisa” e nos tira a coragem

Durante a homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta na manhã de hoje, o Papa Francisco animou os cristãos a ser corajosos e a confiar em Deus, porque “Deus nos liberta da covardia, esse pecado que nos paralisa, que nos tira a esperança, a coragem, a paciência”.

Esse pecado, advertiu, “nos faz ter medo de tudo” e “nos tira a memória do passo de Deus em nossas vidas”.

O Santo Padre também recordou as palavras da Carta de São Paulo aos Hebreus: “irmãos, lembrai-vos dos primeiros dias”.

“A memória dos dias do entusiasmo, de ir avante na fé. Não se entende a vida cristã sem memória. Não somente não se entende: não se pode viver de modo cristão sem memória. A memória da salvação de Deus na minha vida, a memória dos problemas na minha vida”, assinalou o Pontífice.

“Perguntamo-nos: Como o Senhor me salvou desses problemas? A memória é uma graça: uma graça a ser pedida”, explicou.

O Papa exortou a pedir: “Senhor, que não esqueça o teu passo na minha vida, que não esqueça os bons momentos, inclusive os maus; as alegrias e as cruzes”. “O cristão é um homem de memória”.

Francisco destacou outro aspecto importante presente na Carta aos Hebreus: a esperança.

“A esperança, olhar para o futuro. Assim como não se pode viver uma vida cristã sem a memória dos passos feitos, não se pode viver uma vida cristã sem olhar para o futuro com esperança para o encontro com o Senhor”.

O Santo Padre assinalou: “A vida é um sopro, né? Passa. Quando se é jovem, se pensa que temos tanto tempo pela frente, mas depois a vida nos ensina aquela frase que todos dizemos: ‘Mas como passa o tempo! Eu o conheci quando era criança, e agora está casando! Como passa o tempo!’”.

A Carta aos Hebreus, disse, convida a viver o presente “com coragem e paciência”, embora seja “muitas vezes doloroso e triste”.

Em seguida, o Pontífice explicou que “todos somos pecadores, mas prossigamos com coragem e com paciência. Não fiquemos ali, parados, porque isso não nos fará crescer”.

O Papa advertiu contra o risco de ser muito prudentes: “Não arrisque, por favor, não… prudência. Sim, é verdade, mas isso também paralisa, faz esquecer as muitas graças recebidas, tira a memória, tira a esperança porque não deixa ir”.

Também comparou um cristão com a alma pequena com alguém que está na rua e começa a chover de repente e o vestido não é bom e o tecido encurta: Isso é ter a alma pequena, esta é a covardia, este é o pecado contra a memória, a coragem, a paciência e a esperança”.

“Que o Senhor nos faça crescer na memória, nos faça crescer na esperança, nos dê todos os dias coragem e paciência e nos liberte daquilo que é a covardia, ter medo de tudo… Almas pequenas para se preservar. E Jesus diz: ‘Quem quer preservar a própria vida, a perde’”, concluiu.

Fonte: ACIDIGITAL

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card