Atualidades

Pacaraima: bispo de Roraima pede respeito do governo brasileiro com ambas às nações

Diante do episódio em que alguns moradores de Pacaraima, na fronteira entre Brasil e Venezuela, no estado de Roraima, destruíram acampamentos e queimaram pertences de imigrantes venezuelanos um dia após um comerciante brasileiro ter sido assaltado, o bispo de Roraima, dom Mário Antônio da Silva classificou o ocorrido como “lamentável” e “muito triste”. Dom Mário falou sobre o assunto durante a abertura do III Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal que acontece entre os dias  20 e 23 de agosto, em Manaus (AM).

“A gente fica indignado que tais situações cheguem a esse termo para que o Governo Federal possa se aproximar de governos estaduais e municipais; e é lamentável que isso aconteça para que os governos olhem um pouco mais com respeito e consideração ao povo de ambas as nações, tanto do Brasil quanto da Venezuela. Liguei agora a pouco lá para Pacaraima e a cidade está digamos que, aparentemente, calma com tudo aquilo que aconteceu no sábado de manhã”, afirmou dom Mário.

Clima foi de tensão durante conflito em Pacaraima. Crédito: AFP

Segundo a Força-Tarefa Humanitária, composta pelas Forças Armadas e integrada por  organizações civis os ataques provocaram a fuga de 1,2 mil imigrantes de volta para a Venezuela. O conflito ocorrido no sábado, 18, chegou a provocar uma manifestação do governo venezuelano, que pediu que as autoridades brasileiras protegessem seus cidadãos. De acordo com a chancelaria venezuelana, foram solicitadas ao Ministério de Relações Exteriores do Brasil “garantias correspondentes aos nacionais venezuelanos e medidas de resguardo e segurança de seus familiares”.

O fato é que com a grave crise política e econômica que atinge a Venezuela, centenas de pessoas tem deixado o país, a maior parte com destino à Boa Vista e Pacaraima. Entre 2017 e 2018, mais de 120 mil venezuelanos entraram em Roraima. Mais da metade deles já deixou o Brasil. Em julho, o governo brasileiro informou que quatro mil venezuelanos permaneciam em abrigos em Roraima. Poucos dias antes do conflito em Pacaraima, o portal da Cáritas Brasileira havia realizado uma entrevista com o arcebispo de Maracaibo e presidente da Conferência Episcopal da Vanezuela e da Cáritas América Latina e Caribe, dom José Luiz Azuaje Ayala.

Ele havia solicitado para os brasileiros serem “solidários” e para não colocarem “qualquer obstáculo à caridade”. “Devemos lembrar que este mundo é feito para todos, que as fronteiras são linhas imaginárias para ordenar, mas não para o impedimento da realização dos seres humanos. Um migrante é um ser humano que tem dignidade em si mesmo, independentemente de raça, cor, credo ou ideologia. Todos nós possuímos a primeira dignidade que nos aproxima, irmãos, co-participantes de uma história comum no mundo”, disse o bispo.

Na entrevista, o bispo também garantiu que os venezuelanos não tem vocação para migrar, pelo contrário, sempre se distinguiram em acolher pessoas de outras países. “Se você sair do país é porque as condições de segurança econômica, social, pessoal e legal não permitem que você viva. É algo de vida ou morte para milhões de pessoas”, afirmou dom José Luiz.

Confira a entrevista na íntegra.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card