Atualidades

[NOTÍCIAS/CNBB] Simpósio incentiva debate missiológico a partir do Decreto Ad Gentes

Simpsio_Missiologia_foto3 350x166Com o tema “50 anos do Decreto Ad Gentes: por uma nova presença da Igreja no meio dos povos na reciprocidade da missão”, o 4º Simpósio de Missiologia, que teve início na segunda-feira, 23, busca incentivar o debate missiológico em torno da missão ad gentes e alimentar a rede formada por especialistas, pós-graduandos, mestres e doutores que contribuem com a pesquisa e a reflexão. O evento é promovido pela Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e pelo Centro Cultural Missionário (CCM), em parceria com a Rede Ecumênica Latino-Americana de Missiólogos e Missiólogas (Relami). A programação abrange sessões de exposições e debates, além de grupo de estudo, experiências missionárias e sínteses.

 Na terça-feira, dia 24,  o tema “A missão aos povos a partir do Vaticano II”, com contextualização, gênese, configuração do Decreto Ad Gentes e a caminhada pós conciliar latino-americana, foi abordado pelo diretor do CCM, padre Estêvão Raschietti, e pelo assessor da Comissão Episcopal para a Missão Continental da CNBB, padre Sidney Marco Dornelas, que tratou da recepção da proposta do decreto conciliar na América Latina, a partir das Conferências de Puebla, Santo Domingo e, por último, a de Aparecida.

Na quarta-feira, 25, foram abordadas as “Ressonâncias e recepções contextuais do Vaticano II na reciprocidade da missão”, pelo bispo da diocese de Pemba, em Moçambique, o brasileiro dom Luiz Fernando Lisboa (foto ao lado), missionário passionista. Em sua diocese há 22 paróquias e mais de 800 comunidades. Cerca de 115 missionários, entre padres, religiosas, religiosos, leigos e leigas com formação, atuam no local.

Dom Luiz Fernando Lisboa apresentou a caminhada pós-conciliar no continente africano. Foram destacados os desafios da evangelização e da vida nos países da África. “África não é só pobreza. É neste continente que se encontram os vestígios da humanidade. O povo é forte e culturalmente rico e com uma história apreciável. A terra é riquíssima em recursos naturais e a Igreja tem grandes santos e doutores, além de milhares de mártires”, disse.

O bispo ainda comentou sobre o aspecto do Decreto Ad Gentes em valorizar as Igrejas locais nas diversas culturas. “É necessário que em cada grande espaço sociocultural, se estimule uma reflexão teológica… As tradições particulares e qualidades próprias de cada nação, esclarecidas pela luz do Evangelho, serão assumidas na unidade católica (AG 22)”, recordou.

Na mesma sessão esteve presente o doutor em Ciência da Religião, padre Joachim Andrade.

Para esta quinta-feira, acontece a reflexão sobre as “Novas configurações e perspectivas para a missão aos povos hoje”, com o assessor teológico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), padre Paulo Suess, e o secretário nacional da Pontifícia União Missionária, padre Jaime Patias.

Na sexta-feira haverá a articulação e organização da Rede de missiologos e missiólogas.

O evento reúne 55 pessoas entre docentes, teólogos, pesquisadores, representantes de instituições missionárias, agentes de pastoral do Brasil e convidados de Moçambique e do México. Entre os participantes estão missionárias e missionários estrangeiros atuando no Brasil.

Fonte: CNBB – Com informações e fotografia das Pontifícias Obras Missionárias

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Missa em Homenagem as pessoas com Síndrome de Down

Igreja e Política

Monjas Concepcionistas

Religiosa Concepcionista emite votos na solenidade de São José

ciclo de estudo

Segundo dia do Ciclo de estudos da Campanha da Fraternidade 2019

padre anízio

Missa de Posse do novo reitor e pároco do santuário no próximo dia 10/04


QR Code Business Card