Atualidades

Mundo dos desfigurados

Padre Geovane Saraiva*

Jesus de Nazaré, quando na Montanha Sagrada manifestou aos seus amigos todo o seu esplendor, quer dizer que não falte uma coisa a nós: a alegria, mística de quem sabe ter um coração grande e solidário perante a dor e a angústia dos desfigurados, dos empobrecidos e dos maltratados pela sociedade. Ele revela a divindade, antecipando com esse gesto a sua glória, indicando-nos nossa glória futura. Vemos Pedro, Tiago e João deslumbrados, querendo perpetuar essa alegria pela permanência do Bom Senhor sempre com eles naquele lugar sagrado. Daí a proposta: “Vamos construir três tendas, porque aqui é bom demais e a nossa vida será ininterruptamente fascinante e maravilhosa” (cf. Lc 9, 33).

Tenhamos a certeza de que a esperança nos é oferecida pelo Filho de Deus ao se transfigurar na Montanha Sagrada, como nos diz o Papa Francisco, nos convidando a encontrá-lo: “Seremos um sinal concreto do amor vivificante de Deus por todos os nossos irmãos, especialmente por quem sofre, por aqueles que se encontram na solidão e no abandono, pelos enfermos e pela multidão de homens e mulheres em diversas partes do mundo, humilhados pela injustiça, pela prepotência e pela violência”.

Quanta clareza na mensagem de Jesus, dizendo-nos que somos chamados ao maravilhoso exercício! Mas qual exercício? O de uma experiência religiosa e cristã que, de verdade, insira-nos no seio da comunidade, desinstalando-nos e nos deixando livres, longe do isolamento, tendo presentes os necessitados e os desfigurados de toda sorte. Que o tema da Transfiguração do Senhor nos faça compreender, sempre e cada vez mais, o sentido da Páscoa eterna, na certeza de que, a partir do inefável mistério mencionado, experimentemos pela fé a certeza da eterna transfiguração.

A voz do céu que ressoa dizendo: “Eis o meu Filho amado” é para que O ouçamos com fidelidade e O encontremos em sua palavra, no seu corpo e sangue, sem nunca nos afastar da realidade dura dos desfigurados. É pela força vivificadora de sua palavra e de seu corpo e sangue que vamos andar na “sonhada esperança” de sermos semelhantes a Ele, quando se manifestar em sua glória. Amém!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Silva diz:

    Vivemos momentos de grandes transfigurações,o superficialismo,o individualismo e o ritualismo,que nos leva ao pé da letra,o cumprimento das leis,e não cumprimento da lei do amor,esquecendo lá fora as mazelas,deixadas pelos poderes,exercidos pelos poderosos,cada qual na sua estrutura,como sociedade,igreja,estado.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pastoral dos Surdos da Arquidiocese de Fortaleza realiza planejamento anual

Dom Scicluna e a proteção dos menores: fortalecer uma resposta comum

Papa Francisco nomeia bispo para a vacante diocese de Viana, no Maranhão

Sacramento não é serviço de compra e venda, diz pároco de Porto Alegre

Festa de São José – Cimpelco – Barra do Ceará


QR Code Business Card