Atualidades

Meditação do Evangelho – 3º Domingo da Páscoa (24, 13-35)

Queridos irmãos!

Juntamente com os discípulos que caminham desiludidos, neste domingo nos encontramos com Jesus sempre presente nos caminhos de nossa vida, então somos convidados a abrir o nosso entendimento, por meio da Palavra de Deus proclamada e meditada; como também o nosso coração por meio das iniciativas de partilha dos dons e dos bens como sinal do ressuscitado: Ele está no meio de nós e caminha conosco!

O anúncio da pessoa de Jesus: da forma pela qual Ele foi aprovado por Deus em Palavras, obras e prodígios, nos é oferecido por Pedro a uma multidão. Esta pregação apostólica quer renovar o dom da ressurreição do Senhor mesmo após tendo ele passado pelo drama da paixão: Deus pai ressuscita o seu Filho, pois o mesmo não poderia ser abandonado na região dos mortos e sua carne conhecer a corrupção (cf At 2,31).

Em Jesus e juntamente com o salmista elevamos uma prece confiante a Deus, que é o nosso refúgio para que Ele nos guarde de todo o mal e nos seja sempre favorável, pois junto d’Ele desfrutamos de uma felicidade sem limites.

A alegria da ressurreição e o corajoso anúncio desta maravilha de Deus para a humanidade não brota de uma atitude tola nem fugaz, porém da certeza que a obediência e o amor levados até as últimas conseqüências, juntamente com a confiança do auxílio divino valerão sempre a pena, uma vez que a celebração do mistério pascal de Cristo em nossas vidas também acontece em cada uma das situações existenciais pelas quais passamos.

Um outro dado importante, a partir do fato da ressurreição é que somos peregrinos neste mundo e uma vez resgatados, pelo sacrifício redentor de Cristo Jesus, somos convidados a viver uma vida nova.

Entretanto, mesmo tendo consciência de tudo isso, podemos estar ainda envolvidos pelos desencantos que são produzidos em nossa caminhada e o nosso olhar, como também o nosso coração não serem capazes de reconhecer o Senhor que caminha conosco, que se importa com o que acontece com cada um de nós e nos acompanha, tomando sempre a iniciativa do diálogo, nos apontando qual é a vontade de Deus, segundo o que nos foi deixado na sua Palavra.

E ainda mais, nos explica que essa divina vontade passa por momentos em que, aparentemente, as forças do mal são mais fortes e mais barulhentas do que as iniciativas que expressam a bondade de Deus, nos pequenos gestos de fraternidade em nossas relações e de solidariedade com os que sofrem.

É, portanto, a presença do Senhor disposto a caminhar com a comunidade de fé que nos capacita a reconhecê-lo na partilha da Palavra e no significativo gesto do partir o pão. O nosso coração ardendo de amor por aquele que nos amou até o fim enche-se de coragem para anunciar a sua ação no mundo por meio de cada um de nós! Fica conosco Senhor!

Em Jesus, o bom Pastor e Maria, nossa mãe.

Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Santa Inês

Região Episcopal promove Encontro sobre Pastoral do Dízimo

Igreja jovem, pluricultural e alegre receberá o papa Francisco e cerca de 200 mil jovens de 155 países na JMJ 2019 no Panamá

Posses canônicas dos novos párocos da Arquidiocese de Fortaleza

Celebração do Dia do Romeiro em Canindé


QR Code Business Card