Meditação do Evangelho - 2º Domingo do Advento – Ano B (Mc 1,18) | Arquidiocese de Fortaleza
Atualidades

Meditação do Evangelho – 2º Domingo do Advento – Ano B (Mc 1,18)

“PREPARAR O CAMINHO DA SALVAÇÃO EM NOSSA VIDA PARA ACOLHER O SENHOR QUE VEM!”

Queridos irmãos em Cristo!

Perseverando vigilantes no Senhor pedimos a Deus que nenhuma atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do Filho amado, o qual esperamos com toda ternura do coração, a fim de que participemos da plenitude de sua vida! Seguindo o espírito da oração coleta entramos no mistério deste 2º Domingo do Advento.

Consolar e preparar o caminho de Deus no deserto e na solidão.
Escutamos a profecia de Isaías a nos dizer e nos enviando em missão: “Consolai o meu povo, consolai-o”! (cf. Is 40,1) De fato somos convidados a sermos portadores de uma boa notícia para toda a humanidade. Entretanto essa novidade para ser bem acolhida deverá encontrar um caminho preparado, muitas vezes marcado por situações onde a nossa fé está continuamente colocada à prova pelas preocupações, tribulações, problemas e perseguições nas mais variadas formas – a imagem do deserto é bem marcante, pois nos remete a um tempo de caminhada onde Deus vai realizado a sua obra e manifestando a sua presença. Neste lugar somos tentados a desanimar, a abandonar a missão e até mesmo a termos uma visão distorcida da realidade. Também a imagem da solidão como atitude de recolhimento deverá ser observada como um meio privilegiado no qual o Senhor nos fala diretamente ao coração. Saber silenciar nossos sentidos, pacificar nossas inclinações, buscar o silêncio como uma graça, nestes tempos de tantos ruídos, é uma urgência nossas como também uma ascese pessoal e comunitária.

Ouvir Deus que nos fala e nos concede a salvação.
O tempo do Advento como período de preparação para a chegada do Senhor Jesus é também um momento onde devemos buscar uma maior intimidade com o Deus por meio de sua Palavra. Da mesma forma como o salmista (Sl 84/85) expressamos o nosso desejo pessoal de querer ouvir o que o Senhor irá falar e acolher o seu anúncio de paz! Na liturgia dominical, na mesa da Palavra (ambão) por meio das leituras temos uma diversidade e riqueza de anúncio e conteúdo oportunos para o nosso crescimento humano e espiritual. Escutando atentamente e meditando a Palavra os valores do reino serão encontrados em nós: a verdade que aponta para a justiça e o amor que traz a paz ao nosso coração!

A paciência de Deus e o esforço de cada um de nós.
A segunda carta de São Pedro nos apresenta algo que não podemos deixar de levar em consideração: Deus tem um tempo muito diferente da nossa maneira de compreender o tempo. Na vida cotidiana nós até usamos expressões que demonstram essa compreensão, tais como: “Cada pessoa tem o seu tempo!” Ainda assim há uma grande responsabilidade envolvida, ou seja; a de não desperdiçarmos o tempo sagrado de nossas vidas, mas reconhecendo a grande paciência divina que nos dá a oportunidade de conversão construirmos uma nova realidade; “novos céus e nova terra”. O esforço pessoal de mudança será a certeza de um bom encontro com o Senhor por meio de “uma vida pura, sem mancha e em paz”!

Apresentar Cristo ao mundo inteiro.
O Evangelho de Marcos inicia com a missão de João Batista de apresentar Jesus. Ele é o mensageiro, a voz que grita no deserto. Entretanto, neste domingo o silêncio e o grito são dois momentos, que embora distintos, se complementam necessariamente. O silêncio do povo exilado e o grito de esperança na reconstrução da história se atualiza na encarnação silenciosa do verbo no seio de Maria e no grito que chega aos céus por meio dos anjos, dos pastores e de todos nós – enquanto isso esperamos…

João tem uma maneira muito peculiar de ser profeta: resgatando a autoridade vista em Elias, no seu jeito de vestir e desprendendo-se de quaisquer dependências e convenções sociais: morando no deserto e comendo gafanhotos e mel anuncia um batismo de conversão e não toma para si mesmo o mérito, mas, pelo contrário aponta para Aquele que vem do qual não se sente digno de desamarrar suas sandálias!

Desejando que Deus seja todo em todos, em Jesus o bom pastor e Maria nossa mãe.

Por: Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa.

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • marilene cossa diz:

    Muito grata Pe. Fernando, pois sua reflexao me ajudara na celebração da Palavra neste segundo mingo do advento.Deus o abençoe pelo seu ministerio e esta belissíma mensagem de esaperança. Em Cristo que abraços marilene


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festa dos Arcanjos receberá 12 mil pessoas no Ginásio Paulo Sarasate

DNJ 2019 retoma temática da Campanha da Fraternidade sobre Políticas Públicas

Festa de São Francisco na Comunidade do Planalto Itaperi

Em reunião com o Papa, presidência do Celam fala sobre novas perspectivas da entidade

Amor irrestrito e solidário


QR Code Business Card