Atualidades

[Editorial] Fevereiro de 2016: O NOME DE DEUS É MISERICÓRDIA

 

 

Estamos no Ano Jubilar da Misericórdia e somos convidados a fazer uma experiência pessoal e profunda do Amor de Deus que se manifesta em no encontro com Jesus, o rosto da Misericórdia do Pai.

Do coração do Papa Francisco nos veio este Ano Jubilar Extraordinário – Ano da Misericórdia. Ele mesmo sempre de novo nos tem chamado para esta graça especial.

Dom José Antonio. Foto:arquivo.

Dom José Antonio. Foto:arquivo.

Em uma sua entrevista ao jornalista Andrea Tornielli, que se tornou um livro: O nome de Deus é misericórdia, mais uma vez o Papa dá suas respostas simples e diretas. A mim me chamou a atenção o final do livro, as últimas perguntas da entrevista em que resume sua compreensão do fundamental da vivência deste Ano Especial. Creio que será ouvi-lo diretamente.

Pergunta o jornalista: Quais as experiências mais importantes que uma pessoa de fé deveria viver no Ano Santo da Misericórdia?

E o Papa Francisco responde: “Abrir-se à misericórdia de Deus, abrir-se a si mesmo e ao seu coração, permitir que Jesus venha ao seu encontro, aproximando-se com confiança do confessionário. E procurar ser misericordioso com os outros.”

E feita a experiência de receber o Amor Misericordioso de Deus em si mesmo, transbordar como consequência, em gestos concretos, a misericórdia para com todas as pessoas, especialmente as que mais necessitam. E quem não necessita?!

Pergunta ainda o jornalista: As famosas “obras de misericórdia” da tradição cristã são ainda válidas para este terceiro milênio ou terão de ser repensadas?

Ainda o Papa Francisco responde: “São atuais, são válidas. Talvez em alguns casos se possa “traduzir” melhor, mas continuam a ser a base do nosso exame de consciência. Elas nos ajudam a nos abrir à misericórdia de Deus, a pedir a graça de entender que sem misericórdia a pessoa não pode fazer nada, e que “o mundo não existiria”, como dizia a senhora idosa que encontrei em 1992.

            Observemos acima de tudo as sete obras de misericórdia corporal: dar de comer aos famintos; dar de beber aos sedentos; vestir quem está nu; acolher os peregrinos; visitar os doentes; visitar os prisioneiros; enterrar os mortos. Parece-me que não há muito o que explicar. E se olharmos para a nossa situação, para as nossas sociedades, parece que não faltam circunstâncias e oportunidades à nossa volta. Perante o sem-teto que dorme debaixo da nossa janela, o pobre que não tem o que comer, a família dos nossos vizinhos que não tem o suficiente para chegar ao fim do mês devido à crise, por o marido perdeu o emprego, que devemos fazer? Perante os imigrantes que sobrevivem à travessia e desembarcam nas nossas costas, como devemos nos comportar? Perante os idosos solitários, abandonados, que não tem mais ninguém, que devemos fazer?

            Gratuitamente recebemos, gratuitamente damos. Somos chamados a servir Jesus crucificado em cada pessoa marginalizada. A tocar a carne de Cristo em quem é excluído, tem fome, tem sede, está nu, preso, doente, desempregado, perseguido ou refugiado. Ali encontramos o nosso Deus, ali tocamos o Senhor. Foi o próprio Jesus quem o disse, explicando qual será o critério pelo qual todos seremos julgados: todas as vezes que fizermos isso ao menor dos nossos irmãos, teremos feito a Ele (Evangelho de Mateus, 25, 31-46).

            Às obras de misericórdia corporal seguem as de misericórdia espiritual: aconselhar os indecisos; ensinar os que não sabem; advertir pecadores; consolar os aflitos; perdoar as ofensas; suportar pacientemente as pessoas difíceis; rezar pelos vivos e pelos mortos. Pensemos nas primeiras quatro obras de misericórdia espiritual: no fundo não tem a ver com aquilo que definimos como “o apostolado do ouvido”? Aproximar-se, saber escutar, aconselhar, ensinar acima de tudo com o nosso testemunho.

            Da acolhida ao marginalizado que está ferido no corpo e da acolhida ao pecador que está ferido na alma, depende a nossa credibilidade como cristãos. Recordemos sempre as palavras de São João da Cruz: “No anoitecer da vida, seremos julgados sobre o amor”.

            E Amor é o que Deus é (cf. 1 Jo 4,8). Deus é Amor – e este Amor é Misericórdia para conosco e com todos.

 

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Papa nomeia novo bispo para a diocese vacante de Palmeira dos Índios (AL)

Papa na Audiência Geral: Natal, revanche da humildade sobre a arrogância

CNBB produz Documentário especial de fim de ano sobre ‘Igreja em Saída’

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro


QR Code Business Card