Atualidades

Dialogar é Preciso

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald – Redentorista

Dentro das atitudes éticas cristãs encontra-se a realização do diálogo interpessoal. Parece-me que hoje, mais do que nunca, precisamos em nossa sociedade de muito mais diálogo interpessoal. Há vários tipos de diálogo como o conhecido “Diálogo Socrático” ou o contemporâneo “Diálogo Dialético”, e há obviamente conceitos bem diferentes sobre os diversos tipos de diálogo. Há pessoas que confundem até monólogo com diálogo! L. Boros em seu livro “Encontrar a Dios em El hombre” (Salamanca, 1991) enfatiza as seguintes qualidades para que um diálogo interpessoal seja frutífero: “veracidade, respeito, alegria, amizade, amor magnanimidade e sinceridade”. O mundialmente conhecido teólogo R. Guardini em seu livro “Una ética para nuestro tiempo” (Madrid, 1994) escreve na mesma linha. Para ele fatores importantes incluem: “…veracidade, aceitação, respeito, fidelidade, bondade, compreensão, cortesia e gratidão”. Seria muito difícil apresentar todo o conjunto de atitudes necessárias para um rico e profundo diálogo interpessoal. Cada caso exige um conjunto específico de atitudes.

Onde há greves, frequentemente há falhas no diálogo entre o governo ou patrão e os funcionários ou operários. Em muitos dos casos de divórcio, desquite ou separações, a falta de diálogo razoável é apontada como a causa da ruptura das relações. Nas intermináveis brigas entre pais e filhos adolescentes um diálogo interpessoal inadequado, às vezes, é indicado como a causa principal. Podemos listar algumas qualidades básicas que facilitam a comunicação interpessoal. Estas incluem: (a) Respeito ao outro e suas manifestações ideativas, axiológicas e religiosas; (b) Aceitação do pluralismo evitando toda intransigência e dogmatismo; (c) Esforço para enfatizar a convergência e, quando possível, evitar a ênfase exagerada na divergência; (d) Reconhecimento da igualdade dos homens e mulheres, esforçando-se para acolher o outro, especialmente o marginalizado, e (e) Criação de laços de amizade que é “a estrutura fundamental da relação própria de pessoa para pessoa”.

Hoje se torna imperativo e urgente mais diálogo sincero e genuíno interpessoal em várias áreas como: o diálogo de gerações (pais e filhos); o diálogo internacional (buscando paz entre as nações); o diálogo político (entre partidos políticos e entre o governo e a oposição);  o diálogo entre culturas diferentes (europeus e asiáticos); o diálogo entre ideologias diferentes (democracia e comunismo);   o diálogo entre as religiões (cristãos  entre si e muçulmanos, isso é  ecumenismo);  o diálogo profissional (entre médicos e seus pacientes, entre advogados e seus clientes, entre militares e seus subordinados); o diálogo pastoral (entre padres e pastores e seus rebanhos); o diálogo orante com  Deus (feito através da leitura de sua Palavra nas Sagradas Escrituras, do Magistério da Igreja, do bom exemplo do nosso irmão feito “à imagem e semelhança de Deus)

Para uma vida bem melhor e mais autêntica nos campos: social, político, econômico, religioso e educacional, é preciso urgentemente de um diálogo interpessoal ou grupal, que seja genuíno, profundo e, sobretudo verdadeiro. Tal diálogo faria bem à sociedade nestes tempos difíceis.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald
Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card