Atualidades

[ARTIGO] Dados sobre os protestos

 No ano 2013 milhares de jovens saíram às ruas para protestar. Palavras de ordem gritadas e escritas nos cartazes contra os aumentos das passagens de ônibus, por maior investimento público em saúde, moradia e educação entre outras reinvindicações. Podemos dizer que estes protestos incendiaram o país, deixando o governo federal e governos estaduais perplexos e preocupados. Os protestos iniciados em junho do ano passado continuam acontecendo, porém, com muito menos adeptos. Sem dúvida os protestos trouxeram algumas mudanças, como por exemplo: o cancelamento do aumento das passagens nos ônibus e trens em certos estados, a destinação dos lucros do petróleo para educação, saúde e moradia etc. Observando as estatísticas que vou apresentar no próximo parágrafo, tenho a impressão que uma boa parcela dos nossos jovens são realmente  despolitizados e poucos interessam  na política.brendan_

Numa pesquisa realizada este ano, quase no aniversário dos protestos do ano passado, pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), perguntando a mais de 7.800 jovens de 15 a 26 anos com a seguinte pergunta: “Há um ano, aconteceram manifestações nas ruas do país. Você foi favorável?”. O resultado revelou que quase 42% dos entrevistaram afirmaram não serem favoráveis aos protestos ou manifestações. É importante frisar que vários dos jovens não concordaram com os protestos por causa do vandalismo  e violência que houve. Aproximadamente 23% dos entrevistados se declararam favoráveis aos protestos, mas influenciados pelas redes sociais. Somente 18% admitiram que participassem nos protestos nas ruas. Enquanto 7% acreditaram que nada mudou no país por causa dos protestos. Outros não sabiam os motivos dos protestos e por isso não participaram.

Muitos acreditam que esse fenômeno foi apenas o início e haverá outros agora neste período de eleição. Basicamente porque ainda há a corrupção e não há evidências de investimentos nos setores públicos. Os protestos pacíficos devem ser respeitados numa democracia, mas o vandalismo não. Espero que os policiais sejam treinados nos métodos modernos de “crowd control” para isolar os vândalos que sequestraram tantos protestos pacíficos e legítimos através da violência e depredações de ônibus, carros, prédios públicos etc. Os jovens estão ligados à política nas televisões, na Internet, pela última geração dos celulares e o iPads etc. Podemos esperar mais protestos como aqueles do ano passado.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da CNBB Reg. N1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card